Você sabe como investir em ouro na bolsa de valores?

Tempo de leitura: 5 minutos

Desde o início de 2020, o mercado financeiro tem passado por incertezas. Frente à forte volatilidade dos mercados ao redor do mundo, a busca por investimentos mais tradicionais e seguros intensificou-se. Nesse sentido, um dos ativos que mais se destacou foi o ouro.

Continue a leitura deste guia financeiro e entenda como o ouro, essa modalidade milenar de investimentos, pode contribuir com a rentabilidade de sua carteira.

O que veremos neste artigo?
Como funcionam os investimentos em ouro?
Por que investir em ouro?
Investir em ouro na bolsa: como começar?
Qual é o valor mínimo para investir em ouro?
Qual é a melhor corretora para investir em ouro?
Qual é a vantagem em investir em ouro?
Quais são os riscos e desvantagens ao investir em ouro?
Como declarar ouro no imposto de renda?
Conclusão: vale a pena investir em ouro?

Como funcionam os investimentos em ouro?

O ouro é um dos investimentos mais antigos disponíveis no mundo. Antes, era comum associá-lo à compra de barras físicas do metal e, embora esta seja, de fato, a alternativa mais conhecida, hoje já é possível investir em ouro de diferentes formas, seja via B3 ou por fundos de investimentos.

Por tratar-se de um ativo natural, que não é possível reproduzir, o ouro funciona como uma reserva de valor. Por este motivo é bastante visado em cenários de incertezas, em que os investidores procuram se proteger.

Por que investir em ouro?

O ouro é muito mais que um ativo que busca melhorar a rentabilidade de uma carteira de investimentos. Ele também é um excelente instrumento de proteção e diversificação.

Em cenários de crise, o retorno descorrelacionado do ouro tende a amortizar o impacto causado em alguns ativos, sobretudo os mais arrojados. Por isso, o investimento em ouro é estratégico na composição de um portfólio.

Investir em ouro na bolsa: como começar?

Atualmente são negociados na B3 contratos futuros, a termo, opções e à vista que permitem aos investidores terem acesso ao investimento em ouro com mais facilidade.

O contrato à vista possibilita maior liquidez e o mais recomendado aos investidores em geral. Ele pode ser negociado em lote padrão (OZ1D – com maior liquidez e ouro de 250g) ou em lotes fracionados (com liquidez mais baixa e ouro de 10g – OZ2D a 0,225g – OZ3D).

Além disso, em dezembro de 2020, a B3 lançou o primeiro ETF de ouro do Brasil e terceiro internacional, o GOLD11. Este, por sua vez, investe seu patrimônio em cotas do iShares Gold Trust (IAU), ETF da BlackRock listado na bolsa de NYSE.

Qual é o valor mínimo para investir em ouro?

Para investir em ouro, o investidor não precisa dispor, necessariamente, de um volume financeiro alto. Na realidade, com apenas 10 reais é possível comprar cotas do ETF GOLD11, lançado recentemente.

Neste caso, tão importante quanto saber o valor mínimo inicial no investimento em ativos de ouro, é entender quais são os custos envolvidos e qual o impacto deles na operação. Afinal, isto refletirá na rentabilidade da aplicação.

É  válido ressaltar que, além destas alternativas, existem também os fundos de investimentos lastreados em ouro. Pela plataforma de fundos da Guide Investimentos, por exemplo, é possível acessar produtos que investem em ouro a partir de R$500,00.

Qual é a melhor corretora para investir em ouro?

Ao decidir investir em ouro é necessário ficar atento a qual corretora utilizará para montar suas posições. Isso porque este tipo de operação possui alguns custos importantes, como o de custódia e corretagem.

Plataformas de negociação com taxas elevadas podem comprometer o lucro, portanto fique atento. A melhor corretora será sempre a que lhe oferecer as melhores condições de negociação e segurança nas operações.

Qual é a vantagem em investir em ouro?

O ouro é considerado um verdadeiro porto seguro aos investidores. Trata-se de um metal nobre e escasso reconhecido internacionalmente, o que faz dele um ativo seguro e que, diferente das moedas, como o dólar e o euro, não tem seu valor depreciado. Na realidade, em cenários de crise, em que há maior aversão ao risco, a procura por investimentos em ouro aumenta e faz com que ele se valorize.

Como e por que investir em ouro?

Ativos com lastro em ouro são um excelente instrumento para diversificação e proteção das carteiras de investimentos, tanto no que se refere a reduzir os impactos negativos em momentos de maior volatilidade do mercado, quanto em relação à proteção do capital diante de um cenário de inflação alta.

Alguns contratos de ouro também podem ser utilizados como garantia para outras operações na B3.

Quais são os riscos e desvantagens ao investir em ouro?

Ainda que o ouro seja considerado um instrumento de proteção, sobretudo nos momentos de crise, não significa que esteja isento de riscos e apresente algumas desvantagens.

O ouro é uma commodity, logo é influenciado pela demanda de oferta e procura, o que faz com que seu valor oscile. Em cenários de queda da demanda, por exemplo, sua liquidez pode ficar comprometida.

Além disso, o ouro é bastante sensível às oscilações do mercado, uma vez que a procura por este tipo de ativo é maior em cenários de quedas acentuadas da bolsa.

Os investimentos em ouro não contam com a garantia do FGC – Fundo Garantidor de Crédito. Por este motivo, é fundamental que o investidor esteja ciente dos riscos de perda, sobretudo no curto prazo.

Como declarar ouro no imposto de renda?

As negociações dos contratos de ouro na B3 seguem exatamente as mesmas regras de tributação das ações, inclusive com direito ao benefício fiscal quando não ultrapassarem o teto de R$20 mil mês de movimentações.

Portanto, o lucro proveniente destas operações será tributado em 15% e deve ser recolhido também via DARF – Documento de Arrecadação da Receita Federal.

No caso do ETF, a tributação também é de 15%, porém sem direito à isenção fiscal. Por fim, em relação aos fundos de investimentos, eles seguirão as regras de tributação compatíveis com a sua classificação.

No caso dos multimercados, a alíquota será regressiva de 22,5% à 15% e também sobre o lucro no momento do resgate.

Conclusão: vale a pena investir em ouro?

O ouro, considerado um dos ativos mais seguros e tradicionais ao redor do mundo, foi o grande destaque no ano de 2020, apresentando uma rentabilidade de 55,9%.

A explicação está que em cenários de estresse é natural que se observe uma migração dos investidores para este tipo de ativo, o que faz com que ele valorize tanto.

Ter uma posição de investimento nesta modalidade é propício para a proteção de capital. Mas, antes de investir em ouro, verifique todas as opções disponíveis, os riscos envolvidos e o horizonte de investimento.

Quer diversificar sua carteira de investimento? Então confira o guia de produtos da corretora Guide Investimentos.

Relacionados

Qual a diferença entre LC, LCI e LCA?

Os investimentos em renda fixa trazem diversas possibilidades para quem deseja ter mais segurança e previsibilidade quanto ao retorno. Na hora [...]

Guide Investimentos - 12/04/2021

Tudo o que você precisa saber sobre Fundos de Fundos (FoFs)

Os Fundos de Fundos, também conhecidos pelo acrônimo FoFs, apresentam uma estratégia de investimento baseada na união de recursos, por uma [...]

Suno Research - 24/03/2021

O que é CRI? Aprenda como funciona e como investir em 2021 [Guia Completo]?

Diante de tantas incertezas em relação à economia do país e do mundo, é mais que importante a diversificação da carteira [...]

Syntax Finance - 04/03/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções