Justiça do Trabalho revela economia R$ 136 milhões dos cofres públicos em 10 anos

Tempo de leitura: 2 minutos

Um balanço feito pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho mostra que mais de R$ 2,3 bilhões em recursos foram fiscalizados e houve uma economia de R$ 136 milhões com alterações ou correções nos projetos após a aprovação, há 10 anos, da Resolução CSJT 70/2010, que trata do processo de planejamento, execução, fiscalização de obras, aquisição e locação de imóveis em toda Justiça do Trabalho.

Com a resolução, o CSJT passou a analisar previamente os projetos de obras de toda a Justiça do Trabalho de 1º e 2º graus. O objetivo da norma foi estabelecer diretrizes e critérios para a racionalização dos recursos orçamentários com os ajustes determinados pelo CSJT após análises, que encontraram erros de especificação ou precificação de itens. As análises também indicaram a substituição de itens caros por itens mais econômicos ou pela reformulação de projetos que se mostraram inicialmente com excesso de áreas.

A Secretaria de Controle e Auditoria (SECAUD) e a Secretaria de Orçamento e Finanças (Seofi) emitem pareceres sobre o projeto em relação à necessidade, custo médio, condições de concretização, critérios de acessibilidade e sustentabilidade, entre outros. Em resumo, avalia-se se a obra atende, em todos os seus aspectos, ao interesse da sociedade. Esses pareceres subsidiam as decisões dos conselheiros, que podem aprovar ou não os projetos das obras e aquisições de imóveis para a Justiça do Trabalho em todo o Brasil.

O Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, em Minas Gerais, por exemplo, assinou no primeiro semestre de 2020 um termo de compartilhamento de imóveis com a Receita Federal do Brasil (RFB). Com isso, Varas do Trabalho que estavam instaladas em imóvel alugado em Governador Valadares poderão funcionar no prédio da Receita Federal no município. Em Araguari, após adequações, duas Varas do Trabalho passaram a funcionar em prédio próprio do Tribunal, permitindo assim redução de gastos com aluguel.

Já em Santa Catarina, após um projeto de readequação para aproveitar da melhor forma possível os espaços, o Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região deixou de funcionar em um edifício alugado e retornou ao prédio-sede. A mudança resultou uma economia anual de cerca de R$ 5 milhões, 15% da despesa de custeio prevista para 2020.

Relacionados

TCU absolve Dilma e Palocci por irregularidade na compra da refinaria de Pasadena

O Tribunal de Contas da União (TCU) absolveu a ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci do rol [...]

Estadão - 14/04/2021

Pacheco: Presidência do Senado ainda definirá data de instalação da CPI da Covid

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que ainda definirá a data de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) [...]

Estadão - 14/04/2021

Governo vai trocar novamente chefe da Secom

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, fará nova troca na Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom). Nomeado interinamente para a chefia [...]

Estadão - 14/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções