CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

4 Tipos de debêntures que vale a pena conhecer!

24 de maio de 2022
Escrito por Guide Investimentos
Tempo de leitura: 6 min
Compartilhar
imagem ilustrativa
Tempo de leitura: 6 min

Se você deseja diversificar sua carteira de investimentos sem precisar sair da renda fixa, vale a pena conhecer os diferentes tipos de debêntures. Inclusive, esse tipo de título pode apresentar melhores rendimentos se comparado com outras alternativas da mesma classe de investimento.

Contudo, para investir de forma adequada, é necessário entender quais tipos de debêntures existem, bem como suas vantagens e riscos. Afinal, sem ter clareza com relação a esses aspectos, você poderá tomar decisões equivocadas na hora de realizar os seus aportes.

Ficou interessado nessas alternativas de investimento? Então continue a leitura deste artigo e confira 4 tipos de debêntures que você precisa conhecer!

O que são debêntures?

Antes de analisar os tipos de debêntures, é necessário saber o que é esse investimento. As debêntures são títulos de dívida emitidos por empresas de capital aberto com o objetivo de arrecadar recursos para financiar determinados projetos.

Quem investe em debêntures, portanto, empresta dinheiro para o fomento da empresa emissora. Ao final do prazo acordado, o investidor recebe o dinheiro aportado de volta, acrescido de juros que foram previamente estabelecidos.

Como esse investimento funciona?

Após entender o que são esses títulos, saiba que as debêntures funcionam de forma semelhante a outras aplicações de renda fixa. Afinal, trata-se de títulos de dívidas disponíveis para os investidores.

Contudo, eles têm algumas distinções, como o prazo, o investimento mínimo e o risco — que podem variar de acordo com seu emissor. É bastante comum que as debêntures tenham prazos de vencimentos mais longos, com vencimentos que podem chegar a 5 ou 10 anos. 

Também é importante observar que esse tipo de título não tem cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Essa é uma entidade que oferece uma garantia em aplicações de renda fixa de emissão bancária.

Os maiores riscos das debêntures costumam ser acompanhados de um maior potencial de rentabilidade. Em relação à remuneração, as debêntures podem apresentar 3 modalidades:

  • prefixada: que apresenta a taxa de rendimento definida no momento da compra do título;
  • pós-fixada: a rentabilidade é atrelada a um indexador externo, como o CDI (Certificado de Depósito Interbancário);
  • híbrida: o rendimento é composto por uma taxa fixa acrescida da variação de um indicador financeiro.

Outra diferença das debêntures são as formas de registro e controle de transferência. As debêntures nominativas são os títulos de dívida emitidos em nome do investidor, sendo o registro e controle da transferência realizado em um livro próprio.

Já as debêntures nominativas escriturais são aquelas cuja manutenção ocorre em uma conta de custódia em instituição financeira autorizada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Ou seja, essa instituição fica responsável pelo registro e controle dos títulos emitidos.

Quais são os 4 tipos principais de debêntures no mercado?

Como foi possível perceber, as debêntures não são todas iguais. Nesse sentido, é importante considerar que, além dos títulos escriturais e nominativos, existem outras classificações possíveis. Nesse caso, elas estão relacionadas às possibilidades de conversão e aos tributos atrelados ao título.

Para compreender melhor, acompanhe os 4 principais tipos de debêntures que vale a pena conhecer!

1. Debêntures não conversíveis

Também conhecidas como debêntures simples, essas aplicações não podem ser trocadas por ações no resgate. Assim, esse é um investimento que sempre vence seguindo as regras comuns dos títulos de dívidas, com o pagamento dos juros realizado em dinheiro.

2. Debêntures conversíveis

Por outro lado, no tipo de debênture conversível é possível trocar os títulos por ações da empresa emissora. Nesses contextos, o investidor pode optar por substituir o retorno em dinheiro pela participação no capital social da companhia.

3. Debêntures permutáveis

No caso das debêntures permutáveis, é possível fazer a troca por ações de companhias, mas não há limitação em relação aos ativos da emissora. Ou seja, o investidor pode permutar o título por papéis de outra empresa de capital aberto.

4. Debêntures incentivadas

Existem empresas que emitem debêntures com o objetivo de captar recursos para realizar projetos relevantes para o país — como infraestrutura de rodovias. Como esse tipo de atividade colabora com o desenvolvimento brasileiro, o Governo oferece um incentivo tributário.

Dessa forma, quando você adquire uma debênture incentivada, há o benefício da isenção do Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento. Vale destacar que as debêntures incentivadas são sempre do tipo simples.

Quem deve investir em debêntures?

Agora que você compreende o que são as debêntures e quais os tipos mais comuns disponíveis no mercado, é hora de analisar para quem esse investimento é indicado. Na prática, qualquer investidor pode optar por adquirir debêntures.

Entretanto, é necessário considerar seu perfil de investidor antes de tomar sua decisão. Afinal, ele identifica o seu nível de tolerância ao risco. Lembre-se de que, embora sejam parte da renda fixa, as debêntures oferecem riscos maiores do que outras aplicações dessa classe.

Portanto, para fazer uma escolha adequada, considere questões como:

  • o alinhamento da debênture com seu perfil de risco;
  • sua experiência com investimentos;
  • os objetivos que quer alcançar com suas aplicações;
  • por quanto tempo você pretende deixar o dinheiro investido.

Também vale a pena estudar o investimento para identificar com clareza algumas de suas vantagens e riscos. Para tanto, confira as informações a seguir!

Vantagens

Com relação às vantagens, a principal delas está no retorno que o investidor terá. É comum que as debêntures ofereçam melhores rentabilidades em comparação com outros produtos financeiros de renda fixa.

Além disso, o leque de alternativas é amplo, facilitando a diversificação. Outro ponto positivo é que existe isenção de IR no caso das debêntures incentivadas — o que costuma chamar atenção de investidores por aumentar o rendimento líquido obtido com a aplicação.

Riscos

Já sobre os riscos, é necessário considerar a possibilidade de a empresa emissora dos papéis não conseguir arcar com os pagamentos acordados. Nesses casos, como não há proteção do FGC, o investidor terá prejuízo.

Também é necessário considerar o prazo de vencimento das debêntures. Ele geralmente é longo e a liquidez é baixa. Assim, se você precisar do dinheiro investido antes do período estipulado, será necessário negociá-lo no mercado secundário, com exposição à marcação a mercado — que traz riscos de perdas financeiras.

Agora você sabe que compreender os diversos tipos de debêntures, bem como suas vantagens e riscos, é fundamental para investir de forma adequada. Portanto, caso tenha se interessado por esse investimento, analise-o com cautela e considere seu perfil e objetivos antes de investir!

Gostou deste conteúdo? Para saber mais sobre onde investir, conheça O Guia Financeiro VIP!

Guiar as pessoas para que o dinheiro não limite a vida. Este é o nosso propósito e o que acreditamos. Queremos eliminar as barreiras e limitações que impedem as pessoas de viverem sem ter que ficar só preocupadas com dinheiro. Aqui, no portal O Guia Financeiro, te auxiliamos e ensinamos diversas formas de alcançar a sua independência e sempre te lembramos de contar com os nossos Assessores-Guias com o objetivo de alcançar seus sonhos e objetivos.

Veja também