Rentabilidade do Tesouro Direto: você sabe como funciona?

Tempo de leitura: 5 minutos

Ao pesquisar ativos de renda fixa, é comum se deparar com as opções de títulos públicos. Contudo, surge a dúvida sobre como funciona a rentabilidade do Tesouro Direto. Isso acontece com você?

Entender o funcionamento dos títulos é essencial para compreender se eles são adequados ao seu perfil e objetivos. Dessa maneira, é possível tomar as melhores decisões para a sua carteira de investimentos.

Pensando nisso, preparamos este conteúdo. Continue a leitura para aprender qual é a rentabilidade do Tesouro Direto e como os títulos funcionam!

O que é Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é um programa criado em 2002 pelo Tesouro Nacional, em uma parceria com a B3. Ele consiste em uma plataforma em que são negociados os títulos públicos emitidos pelo Governo Federal. Porém, o termo é bastante utilizado para se referir aos próprios títulos.

Então é preciso saber que o Tesouro Direto não é o investimento em si, mas a plataforma. Os investimentos são os títulos públicos. Através deles, o investidor empresta dinheiro ao governo. Em troca, recebe o rendimento indicado no título, que pode ter condições variadas.

Saiba mais a seguir!

Tipos de títulos do Tesouro Direto

Para compreender melhor o funcionamento dos títulos, é necessário conhecer os diferentes tipos disponíveis. As opções para investir por meio do Tesouro Direto são:

  • títulos prefixados: são corrigidos por um percentual fixo, conforme a rentabilidade anual informada;
  • títulos pós-fixados: são atrelados a um índice (no caso, à Selic);
  • títulos híbridos: contam com as duas características dos anteriores, mesclando uma taxa fixa e um indicador (no caso, a inflação).

Proteção e garantia de recompra

Os títulos do Tesouro Direto são 100% garantidos pelo Tesouro Nacional. Isso faz com que sejam os investimentos mais seguros do mercado. O Governo também se compromete com a recompra. Logo, o investidor poderá vender as aplicações em qualquer dia útil, mesmo antes do vencimento.

Entretanto, é preciso ter cuidado. Algumas alternativas têm exposição à marcação a mercado no resgate antecipado. Neste conteúdo você entenderá melhor como ela funciona.

Tributação do investimento

Ao avaliar quanto rende os títulos do Tesouro Direto, é preciso considerar tributos e taxas. Esses custos afetam os lucros obtidos, então devem ser avaliados ao fazer comparativos entre as opções de renda fixa.

Primeiro, há a cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) quando a aplicação durar menos de 30 dias. Além disso, a B3 cobra uma pequena taxa pela custódia.

Também incide Imposto de renda, com uma tabela regressiva conforme o prazo:

  • alíquota de 22,5% para aplicações de até 180 dias;
  • alíquota de 20% para aplicações entre 181 e 360 dias;
  • alíquota de 17,5% para aplicações entre 361 e 720 dias;
  • alíquota de 15% para aplicações a partir de 721 dias.

Como funciona a rentabilidade do Tesouro Direto?

Agora que você aprendeu o que é o Tesouro Direito e as principais características, vale entender como funciona o rendimento. As regras variam conforme o tipo de título escolhido, tendo em vista que isso afeta os juros aplicados.

Para saber quanto rende um título do Tesouro Direto ao mês, por exemplo, é preciso considerar a modalidade de aplicação.

A seguir, você entenderá o que muda em cada opção:

Tesouro Prefixado

Os títulos públicos prefixados contam com uma rentabilidade fixa, indicada por um percentual no momento da compra. Com isso, o investidor consegue calcular exatamente qual será o seu retorno, tendo mais certeza sobre os resultados da aplicação.

Entre os títulos de Tesouro Prefixado existem opções que pagam juros semestrais. Nesse caso, não é preciso aguardar o resgate para receber os rendimentos. Você receberá os rendimentos a cada seis meses — contudo, a dinâmica diminui a ação dos juros compostos no longo prazo.

Apesar de ter liquidez diária, esse é um dos títulos com maior exposição à marcação a mercado. Assim, na venda, o título pode apresentar valorização ou desvalorização em relação à taxa contratada. Ou seja, os juros fixados só são garantidos no prazo de vencimento.

Por isso, resgates antecipados podem trazer riscos de perdas ao investidor. Portanto, ao investir nessa opção é importante se planejar corretamente para evitar o saque antes do prazo estipulado.

Tesouro Selic

Essa é a opção pós-fixada do Tesouro Direto, atrelada à taxa Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira. Ela é divulgada a cada 45 dias pelo Comitê de Política Monetária (COPOM), então o retorno pode variar ao longo da aplicação.

Um dos diferenciais é que ele consegue superar a Poupança, que tem uma rentabilidade que varia conforme a Selic. Por exemplo, se a taxa estiver igual ou menor que 8,5% ao ano, a Poupança retornará 70% da Selic acrescida da Taxa Referencial.

Quando a Selic fica acima de 8,5%, a poupança rende 0,5% ao mês, mais a TR. Considerando que a TR chegou a zero em 2017 e, antes disso, não teve valores muito expressivos, o Tesouro Selic tem rendimento maior ao acompanhar 100% da taxa básica de juros.

Em relação à marcação a mercado, o Tesouro Selic é a opção que tem menos exposição a ela. Como a taxa já acompanha as variações da economia, você pode realizar resgates antecipados sem perdas significativas em relação aos juros combinados.

Tesouro IPCA

O Tesouro IPCA tem rentabilidade híbrida. Isso porque ele é atrelado ao índice IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) e traz um percentual prefixado. Logo, o título garante um retorno acima da inflação ao investidor, o que representa sempre um ganho real na aplicação.

Assim como o Tesouro Prefixado, ele pode ser contratado com ou sem juros semestrais. De modo semelhante, o Tesouro IPCA também está exposto à marcação a mercado e oferece risco de perda em casos de resgate antecipado. Mas para resgate no vencimento a taxa será a contratada.

Qual opção escolher dentro da plataforma do Tesouro Direto?

A resposta para essa pergunta depende dos seus objetivos. Lembre que a rentabilidade é importante na hora de investir, mas não é a única questão que deve ser avaliada. Também é importante avaliar questões como objetivos, prazos e perfil de investidor.

Uma reserva de emergência, por exemplo, deve ficar disponível para resgate a qualquer momento. Nesse caso, para não ter risco de perdas, o Tesouro Selic pode ser mais adequado. Por outro lado, investimentos como outros intuitos podem ser mais adequados nos demais títulos.

A melhor alternativa varia entre cada investidor. Entendendo a rentabilidade do Tesouro Direito e o funcionamento dos títulos, você terá mais facilidade para encontrar a oportunidade ideal para o seu caso!

Quer aprender mais sobre investimentos? Conheça os títulos de renda fixa mais populares!

Relacionados

6 Mitos e verdades sobre LCI e LCA que você deve conhecer

Existem diversos produtos disponíveis no mercado de renda fixa. Alguns dos mais famosos são os títulos do Tesouro Direito e o [...]

Guide Investimentos - 26/02/2021

As melhores ações, segundo Peter Lynch

Peter Lynch é um investidor americano, anteriormente gestor do fundo de investimento Magellan, da famosa companhia Fidelity Investments. Lynch é responsável [...]

Suno Research - 24/02/2021

Custo de oportunidade: você sabe o que é?

O custo de oportunidade é o preço que se paga por fazer determinada escolha, seja na vida pessoal e profissional, em [...]

Syntax Finance - 23/02/2021

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções