CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

Renda passiva: o que é, quais os tipos e como viver de renda?

22 de janeiro de 2021
Escrito por Guide Investimentos
Tempo de leitura: 11 min
Compartilhar
O que é renda passiva? - ilustração de uma mão segurando uma nota de dinheiro
Tempo de leitura: 11 min

Você já se perguntou se é possível viver de renda passiva? Muitos investidores têm esse sonho, mas não sabem como chegar até ele. Na prática, a renda passiva pode ser obtida com os ganhos dos seus investimentos no mercado financeiro.

O que veremos neste artigo?
O que é renda passiva?
Quais os tipos de investimentos que oferecem renda passiva?
Como viver de renda?

Para conseguir fazer aportes com o objetivo de viver de renda, é preciso entender exatamente como ela funciona. Existem diversas opções no mercado e elas podem ser boas oportunidades para suas metas — mas você deve conhecê-las para saber escolher entre elas.

Para conhecer melhor o conceito, neste texto você aprenderá as características mais importantes sobre a renda passiva. Também conhecerá algumas opções de investimentos com essa finalidade.

Acompanhe a seguir!

O que é renda passiva?

Antes de saber como viver de renda, é preciso entender o que é a renda passiva realmente. De modo geral, ela é o aumento de rendimentos sem que o esforço de trabalho aumente. Você consegue visualizar como isso acontece?

Ela é a renda que você recebe corriqueiramente sem que tenha que trabalhar ou se esforçar para isso diretamente. Parece difícil, não é mesmo? Mas não se engane, é possível viver de renda, desde que haja boas estratégias de investimento.

Para isso é preciso encontrar investimentos que ofereçam renda passiva e fazer os aportes. Claro que não há uma solução mágica. Essa estratégia demanda planejamento, tempo e comprometimento.

Quanto maior for o seu esforço de aporte, mais tempo tiver a seu favor e melhores decisões de investimentos tomar, mais viável se torna realizar o objetivo. No futuro, será possível que a renda obtida com seus ativos cubra os seus gastos mensais.

Então você estará no patamar que chamamos de independência financeira. Ou seja, não dependerá do seu trabalho para viver. Poderá escolher sair do mercado de trabalho e custear suas contas apenas com o rendimento obtido dos investimentos.

Quais os tipos de investimentos que oferecem renda passiva?

Depois de entender o que é a renda passiva, é preciso saber quais são os investimentos que oferecem isso. Na verdade, todo investimento que apresente rentabilidade ajudará no seu plano de independência.

Afinal, qualquer rendimento obtido por um dinheiro investido é considerado uma renda passiva. Isso porque seu dinheiro estará se multiplicando e trabalhando pelo investidor, sem que ele precise atuar diretamente.

Mas geralmente quando se fala de renda passiva é comum que as pessoas estejam buscando uma renda frequente. Logo, não apenas aquela que é obtida quando se resgata um investimento de renda fixa ou se vende um ativo de renda variável.

Por isso, a seguir você conhecerá algumas opções que pode utilizar para ter essa renda passiva frequente. Confira como elas funcionam!

Fundos Imobiliários

Os Fundos Imobiliários (FII) são subtipos de Fundos de Investimento. Por isso é preciso entender o funcionamento dos Fundos antes de conhecer os FIIs. Eles são modalidades de investimentos coletivos. Assim, no lugar de fazer aportes sozinho nos produtos escolhidos, o investidor participa de um grupo.

Esse grupo compõe um fundo que é gerido por um profissional que investe de forma coletiva nos ativos segundo uma estratégia. Para participar de um, é preciso comprar as cotas do Fundo de Investimento em questão. No caso de FIIs, elas são negociadas na bolsa de valores.

Cada fundo tem regras próprias sobre funcionamento, investimento mínimo, taxas, forma de administração etc. As maneiras de obter lucro também dependem de cada um. E, claro, da estratégia de investimentos.

Os Fundos de Investimentos Imobiliários possuem a estratégia de investir em imóveis. Assim, o portfólio do fundo será direcionado a transações com esses ativos. Eles podem focar em compra e venda de imóveis já construídos, na aquisição de terrenos, cobrança de aluguéis etc.

Basicamente, existem três tipos principais:

  • fundos de papéis: focado no investimento em títulos de renda fixa imobiliária;
  • fundos de tijolos: investe em ativos físicos, como casas, shoppings, galpões etc.;
  • fundos de fundos: têm portfólio formado por cotas de outros FIIs.

Ao investir em FII é preciso saber quais são as regras do fundo e as estratégias adotadas. A depender disso, você consegue entender como se dá a rentabilidade. Os mais conhecidos por renda passiva frequente são os fundos de papéis que focam no aluguel de imóveis.

É comum que a distribuição dos lucros desses fundos seja feita mensalmente na forma de dividendos. Dessa maneira, o investidor terá uma renda proporcional às suas cotas e vinculada aos rendimentos obtidos com as negociações do FII.

Dividendos de Ações

As Ações são um dos investimentos mais conhecidos na renda variável. Quando se fala em bolsa de valores logo se pensa nelas. Mas você sabe o que elas realmente são e como se pode obter rendimentos com os papéis?

Elas representam uma pequena parte do capital social de uma companhia de capital aberto. Assim, quem compra uma Ação se torna sócio da empresa. Quem as possui tem, inclusive, direito a voto em Assembleias deliberativas — no caso de adquirir Ações do tipo ordinárias.

Há duas formas de ter rendimentos com as Ações. Uma delas remete à venda dos papéis por um preço mais do que você comprou. Então o investidor busca analisar se as Ações poderão se valorizar e as vende no momento em que acredita ser vantajoso.

Outra forma diz respeito ao recebimento dos dividendos. Conforme a Lei das Sociedades Anônimas — n.º 6.404 de 1976 — todas as empresas devem dividir parcela do seu lucro com os acionistas. Contudo, a frequência e o percentual de distribuição ficam a cargo de cada uma.

Dessa maneira, quem possui Ações das empresas recebe uma parcela dessa distribuição. Isso acontece de forma proporcional ao número de papéis que o investidor possui. E também depende dos resultados da empresa no período.

Diferente dos Fundos Imobiliários, os dividendos de Ações não costumam ser distribuídos mensalmente. Em muitos casos, o pagamento é feito de forma anual, mas algumas empresas também podem ter frequências distintas para a distribuição.

Os investidores que compram Ações com foco na renda passiva frequente dos dividendos devem ficar atentos às possibilidades. É possível, por exemplo, avaliar o indicador Dividend Yield para saber como tem sido a distribuição histórica da companhia nos últimos anos.

Previdência Privada

A Previdência Privada também é uma forma de investimento para quem busca viver de renda passiva. Nesse caso, ela é mais conhecida por garantir rendimentos como aposentadoria. Assim, tem sido usada por diversos investidores para complementar a renda obtida com o INSS.

Os fundos de Previdência Privada são de contribuição facultativa, é o investidor que escolhe se deseja fazer os aportes. Assim, quem possui o objetivo de se aposentar e não está satisfeito com o INSS, pode optar por esse investimento e contratar um plano de previdência complementar.

A Previdência Privada é oferecida por instituições financeiras. Cada uma possui seus planos e estratégias, então o investidor pode escolher a de sua preferência. Antes de tomar uma decisão, é preciso considerar diversos aspectos.

Por exemplo, a confiabilidade da gestora e da administradora. Além disso, é preciso conhecer o perfil de risco da Previdência Privada. Podem existir fundos mais ou menos arrojados, a depender da estratégia.

Como há diversas opções disponíveis, você pode encontrar a que melhor se adéqua aos seus objetivos e perfil. Depois de escolher, é preciso fazer aportes frequentes para acúmulo de capital — que pode ser resgatado em forma de renda no período de usufruto.

Tesouro IPCA

O Tesouro IPCA é um título de renda fixa acessado através da plataforma do Tesouro Direto. Ele funciona como um empréstimo que o investidor faz ao Governo Federal. Então receberá depois o montante de volta e os juros correspondentes.

No caso do Tesouro IPCA, há dois tipos de títulos. Um em que os juros são recebidos ao final do prazo estabelecido. E outro, mais apropriado para quem busca renda passiva frequente, cujos pagamentos dos juros se dão semestralmente.

O Tesouro IPCA é um exemplo de título híbrido. Ele se vincula ao índice IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação no Brasil, e paga mais um percentual fixo. Geralmente, existem opções para o médio e o longo prazo.

No caso dos títulos com juros semestrais, o montante investido fica rendendo até o prazo estabelecido, mas a cada semestre você recebe os juros. Dessa maneira, é possível ter uma renda passiva a cada seis meses. Contudo, há a desvantagem da menor ação dos juros compostos ao longo do tempo.

Como viver de renda?

Você já conhece melhor alguns investimentos que proporcionam uma renda passiva. Agora é hora de entender quais fatores você deve considerar para conseguir viver de renda.

Confira a seguir!

Delimitar os objetivos

O primeiro passo é delimitar todos os seus objetivos com a renda passiva. Aqui é necessário ter metas concretas e realistas. Também é importante considerar prazos diferentes para essas finalidades.

Você pode querer complementar os rendimentos, aposentar-se daqui a 15 anos, parar de trabalhar em um prazo menor etc. São muitos os objetivos – e os prazos – a serem estabelecidos.

Ter esses objetivos em mente é fundamental para que seja possível escolher os ativos mais adequados para eles. Afinal, cada um possui regras e formas diferentes de investimento. Com suas metas bem delimitadas, é mais fácil direcionar os investimentos para alcançá-las.

Saber quanto é necessário para viver de renda

Após definir seus objetivos e seus prazos, você precisa calcular quanto é necessário para viver de renda. Lembre-se que é importante considerar todas as suas despesas, sejam elas fixas ou variáveis.

Uma boa dica é ter uma forma de organizar as finanças. Planilhas e aplicativos específicos para essa finalidade podem lhe ajudar nesse momento. A ideia é saber quanto você gasta e ganha todo mês.

Crie o hábito de anotar todas as despesas que você tem durante alguns meses. Assim terá uma média do seu custo de vida. Com essa informação poderá ter uma visão bem realista da renda passiva necessária para manter ou aumentar o padrão.

Não esqueça de que é fundamental considerar alguns gastos que não são recorrentes. Afinal, você pode querer fazer uma viagem, trocar de automóvel, ajudar os filhos etc. Dessa maneira, a renda também deve conseguir suprir essas necessidades.

Escolher as alternativas

Após considerar esses pontos, é hora de escolher quais investimentos você utilizará para compor sua carteira. Essa é uma etapa fundamental e que deve ser analisada com cuidado e paciência. Lembre-se de sempre considerar seus objetivos e também o seu perfil de investidor.

Quem é mais conservador deve preferir os investimentos estáveis e com poucos riscos. Já os arrojados podem reservar uma parte maior de seus aportes para opções menos seguras, mas que proporcionam ganhos maiores.

Também não se esqueça dos prazos. Você precisa definir datas e valores para receber sua renda. Assim, conseguirá fazer uma boa organização das aplicações financeiras para que elas possam suprir suas necessidades.

Fazer aportes frequentes

Uma questão essencial ao pensar em viver de renda é ter em mente a necessidade de fazer aportes frequentes. A diversidade da sua carteira de investimentos e os aportes constantes são maneiras de manejar os riscos e trazer estabilidade.

Ao diversificar é viável, inclusive, ter renda passiva sem receber dividendos ou cupons semestrais. Isso é possível ao utilizar investimentos com prazos de vencimento diferentes. Assim, você pode se planejar com os prazos para frequentemente poder sacar determinado investimento.

Os aportes frequentes também servem para que os seus rendimentos sejam mais estáveis. Você terá patrimônio maior e não passará meses sem receber a renda, tendo em vista que os vencimentos ocorrem em diferentes períodos.

Começar agora mesmo

Finalmente, o último ponto que você deve considerar para ter sua independência financeira é começar o quanto antes. Mesmo que não seja possível começar a investir hoje, inicie a sua organização e planejamento agora mesmo.

Veja quais são os ativos e títulos que condizem com seus objetivos e busque ajuda quando tiver dúvidas. Assim, você terá mais tempo para se organizar e planejar a sua renda passiva. O ideal é contar com uma corretora de valores confiável para realizar seus investimentos.

Além disso, ter contato com uma assessoria pode ajudar você com informações sobre investimentos. Assim, fica mais fácil tomar decisões embasadas e pode ser possível até mesmo reduz os riscos e direcionar melhor seus esforços.

Entendeu o que é renda passiva e como pode viver com ela? Como você viu, é fundamental conhecer os diversos tipos de investimentos e como eles contribuem para esse objetivo. Lembre-se de considerar todos esses fatores e contar com uma corretora qualificada para ajudá-lo!

Ficou interessado no assunto? Então abra uma conta conosco para começar a investir de forma simples e consciente em prol do seu futuro!

Guiar as pessoas para que o dinheiro não limite a vida. Este é o nosso propósito e o que acreditamos. Queremos eliminar as barreiras e limitações que impedem as pessoas de viverem sem ter que ficar só preocupadas com dinheiro. Aqui, no portal O Guia Financeiro, te auxiliamos e ensinamos diversas formas de alcançar a sua independência e sempre te lembramos de contar com os nossos Assessores-Guias com o objetivo de alcançar seus sonhos e objetivos.

Veja também