Cotações por TradingView

Quanto rende 100 mil em fundos imobiliários?

Tempo de leitura: 5 minutos

Quando o assunto é ter uma renda passiva, os fundos de investimentos imobiliários são um dos ativos financeiros mais procurados pelos brasileiros. Eles são ativos de renda variável cujas cotas são negociadas na bolsa de valores do Brasil, a B3.

Em geral, os FIIs pagam dividendos mensais e por isso representam uma alternativa interessante para quem deseja garantir uma renda extra e ainda ter parte da sua carteira de investimentos exposta ao mercado imobiliário.

Para saber quanto R$100 mil rendem quando aplicados em fundos imobiliários, continue a leitura deste guia financeiro e entenda como aproveitar essa modalidade de investimento.

Confira o que veremos neste material
Como funciona a rentabilidade dos FIIS?
Como a taxa de juros influencia os FIIs?
Como simular o investimento nos fundos imobiliários?
R$ 100 mil em fundos imobiliários: entenda o cálculo
Compensa investir 100 mil em fundos imobiliários?
Vale a pena conhecer outros ativos financeiros?
Conclusão

Como funciona a rentabilidade dos FIIS?

Além das condições de mercado, a rentabilidade dos fundos imobiliários é influenciada basicamente pelos tipos de ativos que compõem a sua carteira. Os fundos de papel, por exemplo, terão a sua taxa de retorno atrelada ao desempenho dos títulos que possuem.

Os fundos de tijolo, por sua vez, dependem dos imóveis, dos contratos de locação e dos setores em que estão distribuídos, como lajes corporativas, agências bancárias, shopping centers, galpões logísticos, entre outros.

 Os FIIs remuneram seus cotistas de duas maneiras:

  • Valorização das cotas

Quando negociadas acima do valor que foram adquiridas, as cotas proporcionam um ganho de capital aos investidores. Esse lucro, quando realizado, é tributado à alíquota de 20% de imposto de renda.

  • Dividendos

O recebimento de proventos mensalmente é, certamente, o maior atrativo dos fundos imobiliários. Por lei, os FIIs devem distribuir pelo menos 95% do lucro entre seus cotistas em determinado período.

Diferente do que acontece com a valorização das cotas, o pagamento de dividendos é livre de imposto de renda para pessoa física.

Como a taxa de juros influencia os FIIs?

Os FIIs são sensíveis às oscilações da curva de juros. A Selic, taxa básica de juros no Brasil, equivale à parte curta da curva, o que significa que ela influencia, mas não é quem determina as oscilações nas cotas dos fundos imobiliários.

Na realidade, o maior impacto vem da expectativa dos juros futuros, por isso eles utilizam como referência os títulos do Tesouro com vencimentos longos.

Cenários de juros altos, por exemplo, são vantajosos para os fundos de papel, visto que esses ativos têm sua carteira composta por títulos de renda fixa atrelados ao mercado imobiliário como as letras de crédito imobiliário e os certificados de crédito imobiliário.

Por outro lado, em momento de queda da taxa de juros, o crédito facilitado beneficia o mercado imobiliário e estimula os fundos de tijolo.

Como simular o investimento nos fundos imobiliários?

Para facilitar a compreensão, imagine uma carteira hipotética composta pelos dez FIIs com maior participação no índice de fundos imobiliários, IFIX. Considere também o dividend yield pago por esses fundos em setembro de 2021.

FII Valor Aplicado DY (Setembro/21) Rendimento projetado
KNIP11 R$ 10.000,00 1,15% R$ 115,00
KNCR11 R$ 10.000,00 0,57% R$ 57,00
HGLG11 R$ 10.000,00 0,67% R$ 67,00
KNRI11 R$ 10.000,00 0,52% R$ 52,00
IRDM11 R$ 10.000,00 0,92% R$ 92,00
XPLG11 R$ 10.000,00 0,61% R$ 61,00
CPTS11 R$ 10.000,00 1% R$ 100,00
RECR11 R$ 10.000,00 1,07% R$ 107,00
XPML11 R$ 10.000,00 0,57% R$ 57,00
HCTR11 R$ 10.000,00 1,29% R$ 129,00
Fonte: B3

Um investidor com R$100 mil aplicado nesses fundos e com essa distribuição receberia cerca de 0,8% de dividendos no mês, o equivalente a R$837,00. Além disso, em 12 meses as cotas teriam apresentado uma valorização de aproximadamente 9,5%, conforme gráfico abaixo. Vale lembrar que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura.

Fonte: Quantum Axis.

R$ 100 mil em fundos imobiliários: entenda o cálculo

Observe que cada fundo imobiliário possui um dividend yield, que equivale a soma da rentabilidade dos últimos 12 meses e o preço do papel. Logo, para estimar quanto receberá de dividendos, o investidor deve utilizar esse percentual para calcular.

No caso de valorização da cota, o cálculo é bem mais simples, uma vez que se considera apenas a diferença dos valores de aquisição e venda do papel. É importante atentar-se aos custos operacionais, como corretagem, emolumentos, ISS e IR, envolvidos neste tipo de negociação.

Compensa investir 100 mil em fundos imobiliários?

É fato que os fundos imobiliários são excelentes instrumentos para compor uma carteira de investimentos. Através deles é possível investir em imóveis sem ter que dispor de tanto dinheiro.

No entanto, estar exposto apenas a essa classe de ativos, ainda que em diferentes tipos de fundos, pode representar um risco desnecessário. Opte pela diversificação dos investimentos e aproveite os movimentos do mercado de maneira estratégica.

Se R$100 mil representar o seu patrimônio total, é mais interessante que reserve um percentual deste valor para investir em FIIs. Lembre-se: os fundos imobiliários não possuem garantia de ganhos, tampouco contam com a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Vale a pena conhecer outros ativos financeiros?

O mercado financeiro é um ambiente extremamente diversificado e possui vários tipos de ativos, desde os mais conservadores aos mais arrojados.

Além dos FIIs existem os fundos de investimento em renda fixa, fundos multimercado, fundos de ações, sem contar na possibilidade de adquirir as ações e os títulos de renda fixa, como letras de crédito imobiliário e agrícola (LCI e LCA), certificados de recebíveis imobiliário e agrícola (CRI e CRA), Debêntures, entre outros.

Conclusão

O acesso à informação e a educação financeira tem contribuído para que os investidores adotem estratégias mais diversificadas para conquistar os seus objetivos e ter mais rentabilidade.

Investir 100 mil reais já é um grande passo para a maioria dos investidores no Brasil. Se este valor corresponde a todo seu capital, vale a pena conhecer os ativos da renda fixa e até mesmo iniciar suas aplicações na renda variável.

A diversificação dos investimentos protege o seu dinheiro e amplia as chances de lucro. Portanto, não invista seus recursos em apenas uma modalidade de investimento, por mais atraente que ela esteja. Além disso, não esqueça da sua reserva de emergência.

Agora que você já sabe que os fundos imobiliários são excelentes opções para gerar uma renda extra, conte com o time de assessores da Guide Investimentos para encontrar as melhores oportunidades.

Relacionados

O que é Tesouro Prefixado?

O Tesouro Prefixado é um dos títulos disponíveis do Tesouro Direto, cuja rentabilidade é uma taxa fixa definida no momento da [...]

Syntax Finance - 30/11/2021

Índice de Treynor: descubra qual retorno da sua carteira com esse índice!

Um dos principais objetivos dos investidores é construir patrimônio. Nesse sentido, a rentabilidade da carteira é um dos critérios que devem [...]

Debora - 26/11/2021

Existe ETF de bitcoins? Conheça fundos de índice para investir em criptomoedas!

As criptomoedas vêm se destacando no mercado financeiro, atraindo a atenção de diversos investidores. Como consequência, é comum que novas alternativas [...]

Guide Investimentos - 26/11/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções