Cotações por TradingView

Como identificar um pullback ao fazer análise gráfica? 9 Dicas que podem ajudar!

Tempo de leitura: 8 minutos

Quem opera na bolsa de valores com foco na especulação deve conhecer fenômenos e movimentos que podem ajudar na tomada de decisão. Entre as alternativas, é essencial saber como identificar um pullback. Afinal, ele pode criar oportunidades de entrada e saída.

Nesse caso, o ideal é reconhecer os sinais desse movimento e saber como ele se manifesta. A partir daí, você poderá definir se vale a pena abrir ou fechar uma posição, em relação à sua estratégia de trading.

Neste artigo, você descobrirá 9 passos que ajudam a detectar a ocorrência de um pullback. Continue a leitura e veja quais são!

O que é pullback?

O pullback é um movimento do mercado financeiro identificável por meio da análise técnica ou gráfica. Em tradução livre, o termo significa “puxar de volta” ou “puxar atrás”, o que se relaciona à mudança nos preços.

Na prática, ele consiste em um desvio da tendência que vem sendo observada e confirmada por outros indicadores. Em geral, o pullback tem uma duração curta, mas pode representar uma oportunidade para os operadores que sabem como o identificar.

Qual é a importância de conhecer esse movimento?

Como você pode perceber, entender o que é e como operar um pullback é importante para quem realiza operações especulativas. Afinal, o pullback pode gerar momentos interessantes para o trading, possibilitando a obtenção de lucros gerados pela oscilação do mercado.

A identificação de um pullback pode dar origem à abertura ou ao fechamento de uma operação, o que pode auxiliar o trader a alcançar os resultados desejados.

Pense em uma situação em que o mercado segue uma tendência de alta e passa por um pullback. A compra do ativo nesse breve período de queda pode representar a chance de vendê-lo mais caro logo em seguida, como parte de uma estratégia de day trade, por exemplo.

9 Dicas para identificar um pullback

Considerando que operar com pullback pode ajudar a gerar resultados no trading, é essencial saber como identificá-lo. Assim, você entenderá quando existe essa oportunidade de aproveitar um movimento diferente do mercado a favor da sua estratégia.

Na sequência, confira 9 dicas para saber como esse mecanismo funciona e como você pode encontrá-lo!

1. Domine a análise técnica

Antes de pensar em um movimento, em si, é preciso ter domínio da análise gráfica como um todo. É importante conhecer os elementos principais, como tipos de gráfico, linhas de tendência, suporte e resistência e padrões gráficos.

Também é interessante saber como utilizar os indicadores técnicos e como fazer uma avaliação consistente com base nesses itens. Afinal, tanto o day trade quanto o swing trade e o position trade devem se basear na análise gráfica para a tomada de decisão.

Ao compreender como a metodologia funciona, será mais fácil identificar um pullback. O conhecimento consolidado diminuirá a chance de confundi-lo com outros movimentos que podem acontecer no mercado.

2. Conheça os tipos de pullback

Para encontrar esse ajuste, também é importante reconhecer que existem diferentes tipos — e tudo depende da tendência original do mercado. Existe, por exemplo, o pullback de alta (ou throwback).

Ele ocorre quando o mercado observa uma tendência de alta consistente, mas, em determinado momento, há uma queda no preço do ativo. Contudo, como a força compradora se mantém maior que a força vendedora, o preço volta a subir, conforme era observado na tendência.

Outro tipo existente é o pullback de baixa. Ele acontece quando a tendência é de queda, mas ocorre uma alta no preço por um curto período. Porém, a força vendedora se mantém, o que faz com que o preço volte a cair.

Já o chamado pullback de gap costuma aparecer na abertura do pregão, quando o ativo abre com um gap de alta ou de baixa, em relação ao preço de fechamento no pregão anterior. Nesse caso, ele antevê uma continuidade do movimento que começou a acontecer no fechamento anterior.

Ao entender como cada tipo funciona, você será capaz de operar no pullback de forma mais eficiente. Logo, vale a pena buscar exemplos referentes aos tipos e realizar simulações para saber reconhecer as oportunidades.

3. Entenda a diferença para o movimento de reversão

Para identificar e operar um pullback é indispensável saber a diferença entre ele e a reversão de tendência. Um dos principais pontos é a duração. O pullback é rápido e pontual, enquanto a reversão é mais longa e demorada, pois dá origem a um novo comportamento.

A avaliação do volume também tende a ajudar. O pullback pode acontecer pelo baixo volume de negociação em determinado momento, o que faz com que movimentos maiores de ajuste redirecionem a tendência, ainda que momentaneamente.

Já a reversão de tendência tende a acontecer diante de um volume maior. Por isso, utilizar indicadores técnicos é importante para saber diferenciar uma reversão dos pullbacks de baixa ou alta. Assim, você evita cometer erros.

4. Identifique a tendência atual do mercado

Considerando as orientações anteriores, você pode partir para o reconhecimento do pullback propriamente dito. Para isso, o primeiro passo é avaliar a tendência do mercado.

Você pode buscar a existência de uma linha de tendência de alta (LTA) ou de baixa (LTB), por exemplo. Ainda, é interessante conferir a inclinação dessa reta, sua duração e o volume. Quanto mais elevados forem esses valores, mais forte é a tendência.

Note que encontrar um pullback é mais fácil em um período de tendência clara e consolidada. Se o mercado de ações estiver muito volátil, buscar esse movimento pode não ser a melhor estratégia a adotar.

5. Encontre o ponto de pullback

Depois de reconhecer qual é a tendência, você deverá procurar pela ocorrência do pullback. Normalmente, ele acontece quando há um toque no suporte ou na resistência — sendo que esses limites podem ou não ter sido rompidos.

Sobre isso, é importante ter atenção com os movimentos de rompimento de resistência ou perda de suporte. Quando eles se concretizam, é natural que os operadores de mercado façam um ajuste de suas operações.

Quem opera vendido, por exemplo, pode aproveitar a perda de suporte para comprar os ativos e fechar a posição — e vice-versa. Desse modo, foque especialmente nesses períodos porque é natural que um pullback aconteça, devido à realização de resultados.

É comum, ainda, que haja o retorno a um preço visto anteriormente, apenas para que ocorra a volta até a média, com posterior continuidade da tendência sobre os preços.

Se fizer sentido para a sua análise, você pode usar a sequência de Fibonacci para projetar o movimento de tendência. Assim, no surgimento de um pullback, é possível avaliar qual pode ser o comportamento do mercado.

6. Compreenda a espontaneidade do movimento

Ao tentar identificar um pullback, pode ser que você busque se apoiar em notícias do mercado ou dos ativos, que justifiquem uma mudança pontual na tendência. No entanto, vale saber que esse fenômeno ocorre de maneira espontânea. Ou seja, não precisa ser motivado por acontecimentos.

Como essa é uma espécie de correção natural do mercado, faz parte da dinâmica das operações. Portanto, os fatos fazem mais sentido para a consolidação da tendência, que só depois gerará o pullback.

7. Tenha cuidado com a avaliação de padrões gráficos

Quando o assunto envolve a análise técnica, é comum que um dos recursos seja a avaliação de padrões gráficos. Figuras como martelo, martelo invertido, bandeira e flâmula ajudam a identificar tendências de comportamento do mercado e oportunidades para operações.

Entretanto, o pullback exige cuidado quanto a esse tipo de análise. Isso acontece porque, normalmente, o movimento é responsável por auxiliar na formação de um padrão gráfico.

Então, se você buscar apenas elementos visuais para encontrar o pullback, há o risco de perder o momento em que ele efetivamente acontece. Logo, a identificação deve ser mais voltada para o uso das outras ferramentas apresentadas.

8. Entenda o que faz sentido para sua estratégia

Para operar um pullback, é fundamental considerar o que é mais adequado para sua estratégia de especulação. Afinal, ele pode levar tanto à entrada quanto à saída de uma posição.

É possível utilizar esse momento para fechar a operação, como ao aproveitar o pullback de alta para finalizar uma operação vendida. Você também pode escolher fazer a abertura de posição para explorar a tendência vigente. Portanto, tudo depende dos seus objetivos com o trading.

9. Tenha atenção ao risco

Ainda que o pullback faça sentido para a sua estratégia, é preciso fazer o gerenciamento dos riscos de operá-lo. Como esse é um movimento pontual, pode ocorrer um aumento da volatilidade no período. Com isso, os riscos ficam mais elevados.

Ademais, é necessário considerar a possibilidade de haver uma reversão de tendência. A análise adequada evita que você abra ou feche uma posição precipitadamente, o que pode gerar perdas.

Como você viu, identificar um pullback exige atenção a características como duração e intensidade do movimento e retorno à tendência. Se fizer sentido para a sua estratégia de trading, é possível aproveitar a alternativa para abrir ou fechar posições em busca dos lucros baseados nas oscilações.

Quer continuar aprendendo sobre o mercado e suas estratégias? Assine o Guia Financeiro VIP e recorra às aulas para expandir seus conhecimentos!

Relacionados

Você sabe realmente para que serve a bolsa?

Se alguém perguntar o que vem à sua cabeça quando o assunto é investimento, provavelmente uma das primeiras coisas que você [...]

B3 - A Bolsa do Brasil - 18/01/2022

Aluguel de ações: o que é e como funciona?

Você sabia que é possível ter uma boa rentabilidade quando se negocia ações em um mercado em queda? Para fazer isso, [...]

Syntax Finance - 05/01/2022

Como e por que utilizar gráficos comparativos ao investir na bolsa?

Investir na bolsa de valores é uma forma de buscar rendimentos a partir dos seus aportes. Porém, decidir qual é o [...]

Guide Investimentos - 28/12/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções