Cotações por TradingView

Previdência privada: o que é e como escolher a melhor

Tempo de leitura: 7 minutos

A previdência privada é aplicação de recursos financeiros com intuito de resgate no longo prazo, que possibilita flexibilidade, benefícios fiscais e segurança do montante aplicado. 

Com remunerações provisionadas, a previdência privada ainda é uma das primeiras opções do brasileiro em planejamento financeiro, visando a realização dos objetivos na aposentadoria, buscando uma vida com mais qualidade.

Continue a leitura e confira as vantagens e limitações dos planos de previdência privada.

O que veremos neste artigo?
O que é previdência privada?
Como funciona a previdência privada no Brasil?
Tipos de planos de previdência privada: VGBL e PGBL
Quanto rende a previdência privada?
Quais as vantagens em ter uma previdência privada?
E as desvantagens da previdência privada?
Como declarar previdência privada no Imposto de Renda?
Simulador previdência privada: você já usou?
Como escolher o melhor plano de previdência privada?
E se você precisar fazer o resgate da previdência privada?
O que acontece caso você pare de pagar a previdência privada?
Conclusão

O que é previdência privada?

A previdência privada é uma modalidade de aplicação financeira que possibilita remuneração ao contribuinte no longo prazo e que, assim, ele possa usufruir do montante.

Este produto tem como característica a sofisticação do portfólio, que é gerido por um fundo de investimento, como qualquer outro, mas com algumas restrições ao risco

Nos últimos anos, os fundos de investimento voltados para os planos de previdência privada aumentaram, por isso as opções vêm se tornando cada vez mais atrativas para o público-alvo.

Alguns benefícios como sucessão patrimonial, benefício fiscal no longo prazo e flexibilidade têm atraído diversos contribuintes para essa modalidade.

Como funciona a previdência privada no Brasil?

Nos dias atuais, o mercado de previdência privada aumentou seu público-alvo. Muito disso se dá por conta da popularização dessa modalidade no mercado financeiro e os grandes obstáculos para adquirir a previdência social. 

Corretoras, bancos e outras instituições começaram a diversificar seus portfólios e produtos de previdência com qualidade foram surgindo. Desse modo, a opção de começar a contribuir em uma previdência complementar se tornou atrativa para milhares de brasileiros.

É importante lembrar que em algumas instituições, como bancos, a previdência privada é comercializada pela área de seguridade, isto pois ela é enquadrada na Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), sendo assim também comercializada em muitas corretoras. 

Tipos de planos de previdência privada: VGBL e PGBL

A previdência privada conta com duas modalidades, VGBL e PGBL, que podem se tornar mais atrativas a depender do contribuinte. 

O VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livres) é a melhor opção para quem declara Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) no formulário simplificado ou isento.  

Já o PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livres) é um plano estratégico para aqueles que realizam a declaração completa do IRPF, pois pode gerar abatimento de até 12% da sua renda anual. 

Esses planos são tributados de forma diferente. O PGBL, por exemplo, possui incidência de Imposto de Renda sobre o total a ser resgatado, enquanto no VGBL, a incidência do IR ocorre apenas sobre o rendimento.

Quanto rende a previdência privada?

Cada plano de previdência possui uma rentabilidade singular, isso porque cada fundo investe em ativos diferentes

Os recursos investidos pelos contribuintes são destinados a diferentes ativos, como aqueles atrelados à taxa Selic, ações, crédito privado, entre outros. 

Um ponto relevante e que pode impactar o rendimento da previdência privada é a taxa de administração, que se for alta, pode corroer significativamente o ganho gerado. Além disso,  taxa de carregamento e taxa de saída são algumas outras que merecem atenção.

Quais as vantagens em ter uma previdência privada?

Diferente da previdência social, a previdência privada não possui obstáculos para que o contribuinte possa se inserir. Ou seja, a qualquer momento é possível começar uma previdência privada, independentemente da idade.

Comparado aos investimentos, os aportes da previdência privada são menores e há possibilidade de efetuar portabilidade do montante para outro plano de previdência, sem ser tributado por isso. 

Há também a possibilidade de resgate total do montante ou resgate gradativo e, até mesmo, a geração de renda mensal vitalícia.

E as desvantagens da previdência privada?

A previdência privada tem como objetivo a remuneração constante e de longo prazo. Mas imprevistos podem acontecer e o contribuinte pode precisar do montante com urgência. 

O resgate em curto prazo na previdência privada pode ser um problema, principalmente se a tributação for na modalidade regressiva. O patrimônio pode ser corroído em até 35% com a tributação do Imposto de Renda.

Como declarar previdência privada no Imposto de Renda?

Quem possui plano de previdência privada pode contar com benefício fiscal no momento de declarar o IRPF. Como já relatado, o PGBL pode ser uma estratégia para aqueles que realizam declaração completa de IRPF, sendo abatido até 12% da renda anual.

No programa do Imposto de Renda há códigos que permitem a declaração da previdência privada:

  • Para os indivíduos que possuem plano PGBL é necessário declarar com o código 36, chamado “Previdência Complementar”. 
  • No VGBL, plano que não permite abatimento no IRPF, é preciso declará-lo na seção “Bens e Direitos”, código 97. 

Lembre-se que é necessário inserir o CNPJ da seguradora no campo “discriminação”.

Simulador previdência privada: você já usou?

A partir do preenchimento do formulário, com idade, faixa salarial, tipo de declaração de imposto de renda, etc. é feita a análise do perfil e por fim são feitos direcionamentos, como qual modalidade é mais adequada e qual regime de tributação será mais interessante.

Pesquisa qual corretora e outras instituições disponibilizam simuladores da previdência privada e faça um teste. 

Como escolher o melhor plano de previdência privada?

Nos últimos anos as opções na previdência privada se tornaram competitivas e assim os produtos passaram a prezar por maior qualidade nos ativos investidos, além da redução das taxas de carregamento e administração. 

Desta maneira, é válido analisar bem as opções que oferecem maior qualidade de portfólios, além de menores taxas, ou seja, qual opção pode trazer maior rentabilidade, qualidade e segurança.

E se você precisar fazer o resgate da previdência privada?

A previdência privada possui a flexibilidade do contribuinte poder resgatar seu montante a qualquer momento. Porém é válido lembrar que há opções de tributação que podem comprometer o patrimônio dependendo do momento da retirada.

Na tributação progressiva, por exemplo, a alíquota do IR aumenta conforme cresce o montante anual. Já na tributação regressiva, quanto mais tempo o montante permanecer na previdência menor será sua alíquota de Imposto de Renda. 

Logo, caso o contribuinte esteja na tributação regressiva e precise resgatar no curto prazo pode corroer seu patrimônio em porcentagens relevantes.

O que acontece caso você pare de pagar a previdência privada?

A previdência privada contém aportes, que contam com diversas possibilidades. O aporte inicial é o valor pago pelo contribuinte para entrar no plano de previdência e é conhecido como aporte de entrada

Já os aportes periódicos são quantias cuja periodicidade é especificada em contrato, que podem ser mensais, trimestrais e anuais, que variam de acordo com a cobertura do plano de previdência. 

Existem também os aportes extras, que ocorrem quando o contribuinte está com recursos adicionais e opta por inserir no montante da previdência.

Esses aportes podem ser interrompidos e apenas o valor que está aplicado na previdência continua sendo remunerado normalmente.

Conclusão

Flexibilidade, benefícios fiscais, oportunidade de alcançar objetivos no longo prazo, diversificação de portfólio e segurança para a aposentadoria são fatores cruciais que fazem com que a previdência complementar seja uma oportunidade interessante. 

A análise do perfil do contribuinte é extremamente relevante, pois a previdência pode ser uma ferramenta estratégica, além de possibilitar maiores rendimentos e estabilidade ao contribuinte.

A previdência privada é uma opção no universo da gestão financeira e de patrimônio. Culturalmente ela tem adesão pela sociedade brasileira, em momentos estáveis da economia.

Mas atenção, existem muitas opções de investimento que podem lhe atender no longo prazo. Não deixe de conferir outras modalidades e conheça os benefícios de uma carteira de aplicações financeiras diversificada.
Quer saber mais sobre novas modalidades para você investir? Então confira o guia completo entre renda fixa e variável que a Guide preparou para você.

Relacionados

A Previdência privada pode ser sua aliada na Reforma da Previdência Social

“A previdência privada com as modalidades VGBL (Vida Gerador de Benefício livre) e PGBL (Plano Gerador de Benefício livre) pode ser [...]

Andreia Borges - 08/09/2021

O que é investimento e como começar a investir hoje mesmo

Quem é iniciante no mercado financeiro costuma se perguntar o que é investimento e como começar. Se você quer entender mais [...]

Guide Investimentos - 20/08/2021

O que é VGBL e como ele funciona?

A previdência privada conta com uma diversidade de planos, sendo o VGBL e o PGBL os mais conhecidos entre os investidores. [...]

Syntax Finance - 20/07/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções