Fed de NY não mostra preocupação com efeito de estímulo fiscal sobre inflação

Tempo de leitura: 1 minuto

Presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Nova York, John Williams afirmou nesta segunda-feira, 3, durante evento da Women in Housing and Finance, não estar preocupado com a possibilidade de que a agenda de estímulos à economia do governo Joe Biden provoque uma alta na inflação dos Estados Unidos que leve a desequilíbrios severos e de longo prazo.

Segundo ele, as medidas fiscais contribuíram para a rápida recuperação da economia americana em 2021, e o Fed dispõe de instrumentos para lidar com uma pressão inflacionária, caso ocorra.

Perguntado sobre quando ele espera uma reação do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) à inflação nos EUA, Williams afirmou que os dirigentes esperam que o nível de preços esteja ancorado em 2%, meta a longo prazo da entidade, antes de alterar a sua política monetária.

Mais cedo, em discurso no mesmo evento, o presidente do Fed de NY disse considerar a alta recente na inflação apenas “transitória”.

Relacionados

Pelosi: payroll reforça necessidade por investimentos sociais e em infraestrutura

O "decepcionante" resultado do relatório de empregos de abril dos Estados Unidos reforça a "necessidade urgente" de aprovar os planos de [...]

Estadão - 07/05/2021

OMS: apoio à quebra de patentes dá suporte significativo à equidade de vacinas

Diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom disse que o apoio dos Estados Unidos à quebra de patentes de [...]

Estadão - 07/05/2021

União honrou R$ 477,74 milhões em dívidas de Estados em abril, diz Tesouro

O Tesouro Nacional precisou desembolsar R$ 477,74 milhões em abril para honrar débitos bancários com garantias da União que não foram [...]

Estadão - 07/05/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções