Câmara aprova urgência de projeto para punir diferença salarial das mulheres

Tempo de leitura: 1 minuto

Por 390 votos a favor e 19 contrários, a Câmara aprovou o pedido de urgência do projeto para punir a discriminação salarial contra mulheres. O mecanismo permite que a proposta passe à frente e seja votada a qualquer tempo no plenário.

O projeto já foi aprovado pelo Senado e chegou a ir à sanção presidencial, mas voltou para Câmara após um questionamento regimental.

O projeto é de 2009 e foi aprovado pela Câmara em 2011. Depois de quase dez anos, os senadores o aprovaram no fim de março, após a bancada feminina na Casa ter articulado a votação em defesa da igualdade salarial.

Trata-se de uma mudança em relação à regra atual, vigente desde 1999, que condena explicitamente a discriminação por gênero, raça, idade ou situação familiar nas contratações e políticas de remuneração, formação e oportunidades de ascensão profissional, mas prevê punições brandas, entre R$ 547,45 e R$ 805,07.

Além disso, o pagamento é devido ao governo, não à trabalhadora lesada pela prática da empresa.

Relacionados

Eleições locais decidem futuro da Escócia

Pelo menos 50 milhões de britânicos votaram na quinta-feira, 6, para escolher os governos de Escócia e País de Gales e [...]

Estadão - 07/05/2021

Exportações da China saltam 32,3% em abril, na comparação anual

Em meio à recuperação econômica global após o choque da covid-19, as exportações da China saltaram 32,3% em abril em relação [...]

Estadão - 07/05/2021

Ásia: bolsas fecham mistas, com chinesas em baixa apesar de bons dados econômicos

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta sexta-feira, 7, com perdas na China, apesar de sólidos dados da balança comercial [...]

Estadão - 07/05/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções