Abecip: crédito imobiliário com recurso da poupança salta 124% no 1º semestre

Tempo de leitura: 4 minutos

Os financiamentos imobiliários para a compra e a construção de moradias no País totalizaram R$ 97 bilhões no primeiro semestre de 2021, o que representa uma alta de 124% em relação ao mesmo período de 2020. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 22 pela presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Cristine Portella, durante entrevista coletiva à imprensa. O levantamento considera apenas os empréstimos cujos recursos tiveram origem nas cadernetas de poupança – maior fonte de funding do setor. Não entram aí, por exemplo, o crédito com origem no FGTS, segunda maior fonte.

De acordo com a Abecip, os financiamentos para aquisição de imóveis, concedidos para pessoas físicas, atingiram R$ 79,7 bilhões no semestre, alta de 133%. As transações com imóveis novos subiram 136%, para R$ 55,0 bilhões; enquanto com usados subiu 128%, para R$ 24,7 bilhões.

Por sua vez, o crédito imobiliário para as construtoras erguerem seus empreendimentos chegou a R$ 17,4 bilhões no semestre, avanço de 89%. A inadimplência da carteira consolidada subiu de 1,6% no fim de 2020 para 1,8% em junho de 2021.

A Abecip informou ainda que o crédito pessoal em que o imóvel é dado como garantia – o chamado home equity – alcançou R$ 1,8 bilhão no semestre, alta de 47%.

Consolidado do mercado

Os financiamentos com recursos do FGTS chegaram a R$ 24,6 bilhões no primeiro semestre deste ano, uma queda de 8% em relação ao mesmo período do ano passado. Essa categoria atende ao mercado imobiliário de menor renda, especialmente dentro do programa Casa Verde e Amarela. Já financiamento com dinheiro das cadernetas atende os setores de médio e alto padrão.

Considerando as duas categorias (SBPE e FGTS) o mercado registrou um total de R$ 121,7 bilhões em concessões de crédito no semestre, aumento de 73%.

O crédito imobiliário com recursos da poupança deve bater recorde neste ano, chegando a R$ 195 bilhões, projetou Cristiane Portella. Se confirmado, o resultado representará um crescimento expressivo de 57% em relação a 2020, quando foram liberados R$ 124 bilhões em empréstimos. O montante também será bem maior do que nos anos anteriores: foram R$ 79 bilhões em 2019, R$ 57 bilhões em 2018 e R$ 43 bilhões em 2017.

“A carteira de crédito imobiliário no Brasil representa apenas 9,8% do PIB. Em outros países, como o Chile, isso passa de 20%. Isso mostra que temos um potencial muito grande de crescimento”, afirmou a presidente da Abecip.

As taxas de juros abaixo da média histórica e a maior valorização das moradias em meio à pandemia têm ajudado a manter o mercado aquecido, apesar da crise econômica. Cristiane Portella destacou que o crescimento na concessão de crédito tem sido visto em todas as regiões do País.

A presidente da Abecip apontou também que há um movimento de recuperação da economia brasileira. A entidade trabalha com uma previsão de crescimento do PIB de 5,3% para o acumulado de 2021. “Há uma recuperação em andamento, mas nada excepcional”.

Ela citou ainda dados setoriais que apontam crescimento dos lançamentos de imóveis, além da perspectiva de crescimento do PIB da construção em torno de 2,5% neste ano.

A Abecip espera ainda que o desemprego recue dos atuais 14,7% para 13,7% no fim do ano, o que ajudará a reforçar a demanda. A projeção para a Selic é de 6,75%, em linha com o Boletim Focus. Já a curva futura de juros para 10 anos está em 9% ao ano, ante 6,6% 12 meses atrás. O risco-país previsto para o fim de 2021 está em 275 pontos (tomando como base o Emerging Markets Bonds Index, EMBI).

Juros

As taxas de juros do crédito imobiliário tendem a subir neste semestre, influenciadas pela elevação da taxa de juros básica da economia (Selic), avaliou Cristiane Portella. “Devemos verificar ajustes para cima nas taxas de juros neste segundo semestre”, disse. “É natural é que tenhamos, sim, um reajuste de taxa”, completou.

A projeção da Abecip para a Selic no fim de 2021 é de 6,75%, em linha com o Boletim Focus. Há, entretanto, instituições financeiras que já preveem Selic acima dos 7% até o fim do ano, por conta do nível alto da inflação.

Cristiane Portella ponderou que a elevação esperada da taxa de juros do crédito deve ser numa magnitude inferior ao do avanço da Selic. Na sua avaliação, o mercado imobiliário vive um bom momento, com nível alto de vendas e bastante competição entre os bancos. “As instituições estão vendo valor no relacionamento de longo prazo com consumidor”, observou.

A presidente da Abecip afirmou que não espera um esfriamento do mercado no curto prazo, dado que a taxa do crédito seguirá “atrativa” em comparação com níveis históricos.

Ela destacou ainda que o mercado contou com o lançamento de novas modalidades de crédito nos últimos anos, com taxas pré-fixadas, e outras reajustadas por IPCA e Poupança. “O que se lançou está em fase de consolidação e melhor entendimento pelos consumidores.

Relacionados

Ibram: Elevação da alíquota de CFEM carece de fundamento técnico aprofundado

O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) criticou nesta terça-feira, 3, a proposta do relator do projeto do Imposto de Renda, o [...]

Estadão - 03/08/2021

Lucro do Bradesco tem alta de 63% no 2º trimestre e atinge R$ 6,319 bilhões

O Bradesco registrou lucro líquido recorrente de R$ 6,319 bilhões no segundo trimestre deste ano, cifra 63,2% maior que os R$ [...]

Estadão - 03/08/2021

Campos Neto e diretores do BC participam de 2º dia da reunião do Copom

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e os diretores da instituição participam amanhã, dia 4, do segundo dia de [...]

Estadão - 03/08/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções