Selic no fim de 2021 sobe de 4,00% para 4,50% ao ano, prevê Focus

Tempo de leitura: 1 minuto

Os economistas do mercado financeiro elevaram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2021 de 4,00% para 4,50% ao ano, segundo o Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira (15). Há um mês, estava em 3,75%. o caso de 2022, a projeção seguiu em 5,50%, ante 5,00% de um mês antes. Para 2023, seguiu em 6,00%, mesmo patamar de quatro semanas atrás. Para 2024, permaneceu em 6,00%, igual a um mês atrás.

Em janeiro, ao manter a Selic em 2,00% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central preparou o terreno para possível elevação dos juros em 2021. Isso porque a instituição deu fim ao chamado “forward guidance” (ou prescrição futura, na tradução do inglês).

Adotado em agosto de 2020, o “forward guidance” era uma indicação técnica do BC de que não pretendia elevar os juros se a inflação seguisse sob controle e o risco fiscal não se alterasse. O problema é que, nos últimos meses, a inflação ao consumidor está mais salgada, puxada por aumentos de preços em itens como alimentos e gasolina.

O Copom se reúne novamente nesta semana (dias 16 e 17). Das 54 instituições do mercado financeiro consultadas pelo Projeções Broadcast, do sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, 52 esperam aumento dos juros básicos nesta reunião, sendo que 48 aguardam que a taxa suba de 2,00% para 2,50%, três veem alta de 0,25 ponto e uma espera aperto mais intenso, de 0,75 ponto. Para o fim de 2021, a mediana das apostas é de 4,5%, com expectativas indo de 3% a 6%.

Relacionados

Bolsonaro: fim à discriminação salarial pode piorar situação de mulheres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sugeriu que arranjar emprego pode se tornar "quase impossível" para as mulheres, caso ele sancione [...]

Estadão - 22/04/2021

Bolsonaro diz que críticas à política ambiental do seu governo não se justificam

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avaliou mais uma vez como injustas as críticas que o Brasil sofre por causa da [...]

Estadão - 22/04/2021

Na Cúpula do Clima, FMI pede preço robusto para o carbono

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, pediu nesta quinta-feira, 22, que se imponha um preço robusto sobre o [...]

Estadão - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções