Petróleo fecha em alta, com esperança por mais cortes na oferta e após relatório

Tempo de leitura: 1 minuto

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta terça-feira, 12, com investidores avaliando, sob nova perspectiva, a notícia de ontem de que a Arábia Saudita fará mais cortes em sua produção, após encerrar a guerra de preços com a Rússia. Outros países exportadores de petróleo, como Emirados Árabes e Kuwait, também anunciaram reduções, o que ajuda a aliviar a pressão pela falta de demanda, enquanto um relatório dos EUA também apoiou o óleo.

O petróleo WTI para julho fechou em elevação de 4,98%, a US$ 26,33 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para o mesmo mês subiu 1,18%, a US$ 29,98 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

Os contratos operavam em alta já na madrugada de hoje, ganhando impulso à medida que os investidores assimilavam na notícia de que a Arábia Saudita fará um esforço adicional de cortar sua produção em 1 milhão de barris por dia em junho.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) também informou que pretende manter os cortes na produção de petróleo para além de junho, quando vence o acordo atual de redução 9,7 milhões de barris por dia (bpd). Em relatório de hoje, o Danske Bank informou que os Emirados Árabes e o Kuwait anunciaram que também fariam reduções na produção.

Analista do Commerzbank, Eugen Weinberg avalia que os preços foram recentemente impulsionados “não apenas pelas esperanças de que a demanda retorne em breve”, mas também por enormes cortes na produção, “voluntários ou involuntários”.

“A produção está caindo drasticamente nos EUA, e alguns produtores relutam em vender adiante”, comenta o economista.

Durante a tarde (horário de Brasília), os contratos futuros de petróleo ganharam mais impulso com o relatório do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos projetando queda na demanda global, mas também na produção dos EUA e com expectativa mais alta para os preços do petróleo.

Relacionados

Bolsonaro: fim à discriminação salarial pode piorar situação de mulheres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sugeriu que arranjar emprego pode se tornar "quase impossível" para as mulheres, caso ele sancione [...]

Estadão - 22/04/2021

Bolsonaro diz que críticas à política ambiental do seu governo não se justificam

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avaliou mais uma vez como injustas as críticas que o Brasil sofre por causa da [...]

Estadão - 22/04/2021

Na Cúpula do Clima, FMI pede preço robusto para o carbono

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, pediu nesta quinta-feira, 22, que se imponha um preço robusto sobre o [...]

Estadão - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções