CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

Operações em contratos futuros: como e quando abater prejuízos? Confira!

15 de junho de 2022
Escrito por Guide Investimentos
Tempo de leitura: 5 min
Compartilhar
Imagem ilustrativa
Tempo de leitura: 5 min

Ao realizar operações em contratos futuros, nem sempre é possível obter ganhos. Porém, declarar os prejuízos pode ajudá-lo a pagar menos impostos. Para isso, você deve utilizar o mecanismo de compensação de perdas.

Nesse caso, é necessário saber como declarar corretamente as operações e seus resultados, para evitar erros que impeçam a economia. Dessa forma, você poderá usar as perdas consolidadas para compensar em operações com lucro.

Quer descobrir como o processo funciona? Continue a leitura e saiba como abater prejuízos de operações em contratos futuros!

O que são contratos futuros?

Os contratos futuros são derivativos financeiros que fazem parte do mercado futuro. Esse ambiente da bolsa de valores permite que os operadores se posicionem em relação aos preços futuros de ativos de referência dos contratos.

No mercado futuro, você encontrará contratos relacionados a diferentes ativos, como:

  • commodities;
  • índices;
  • juros;
  • moedas e outros.

Nesse ambiente, é possível encontrar tanto os contratos futuros cheios quanto os minicontratos. Nos primeiros, o lote é de 5 contratos, enquanto nas versões reduzidas é de apenas um. Assim, o valor do minicontrato é de 20% do contrato cheio, o que o torna mais acessível.

Como funcionam as operações em contratos futuros?

Depois de compreender o que são os contratos futuros, é interessante entender como são realizadas as operações com eles. Nesse caso, os operadores têm a chance de se posicionar contra ou a favor o desempenho do ativo escolhido, considerando um vencimento futuro.

Para tanto, não é preciso haver um desembolso financeiro. Em vez disso, o operador oferece uma margem de garantia, que corresponde a uma porcentagem do valor do contrato. Ainda, essa margem pode ser composta por investimentos.

A partir da abertura da posição, e até o vencimento ou venda do contrato futuro, há a incidência do ajuste diário. Esse é um mecanismo de acerto financeiro que apura lucros ou prejuízos, com base nos preços médios de negociação de cada tipo de contrato.

Ademais, vale saber que os operadores não costumam negociar um ativo físico, como cédulas de dólar ou sacas de grãos. Na verdade, a liquidação é apenas financeira e se dá pela soma de todos os lucros diários menos os eventuais prejuízos diários.

Como funciona o IR sobre os contratos futuros?

Outro aspecto importante para conhecer sobre as operações em futuros é a tributação. Na prática, há a incidência de Imposto de Renda (IR) sobre os lucros obtidos nas operações realizadas ao longo do mês. A alíquota é de 15% para operações comuns e de 20% para day trade.

Também é preciso considerar que a apuração ocorre por conta do operador. Portanto, é necessário emitir um Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF). O prazo de pagamento é o último dia do mês seguinte à operação.

É importante notar que apurar o imposto em uma operação é diferente de declarar as negociações realizadas com contratos futuros. A declaração de IR é outro passo obrigatório e precisa ser enviada anualmente. Ela serve para a Receita Federal acompanhar as movimentações do seu patrimônio.

Entre outros critérios, a declaração é obrigatória para qualquer pessoa que realize operações na bolsa de valores — onde está o mercado futuro. Assim, você declara os lucros e prejuízos que teve com os derivativos ao longo do ano.

Quando abater prejuízos nas operações em contratos futuros? 

Como você viu, as operações em contratos futuros devem integrar a sua declaração de Imposto de Renda. Mas muitos investidores e especuladores não sabem que existe a possibilidade de compensar eventuais prejuízos ocorridos durante o ano.

Isso pode ser feito quando você declara essas perdas na ficha “Rendimentos Variáveis”. Nesse caso, os prejuízos de um mês poderão ser compensados pelos lucros dos meses subsequentes.

Imagine que, em janeiro, você sofreu prejuízos com contratos futuros de índices. Ao total, sua perda no mês foi de R$ 1 mil. Em fevereiro, você fez novas operações e, dessa vez, foi mais bem-sucedido. Nela, obteve ganhos de R$ 2 mil.

Sem a compensação de perdas, você precisaria pagar imposto sobre os R$ 2 mil. Isso daria R$ 300 em uma operação comum ou R$ 400 em uma operação de day trade. Porém, ao compensar as perdas sofridas no mês anterior, o valor tributável passa a ser de R$ 1 mil.

Nesse caso, o valor do imposto cairá pela metade e ficará entre R$ 150 e R$ 200. Logo, um dos benefícios de fazer a compensação de perdas é diminuir legalmente o pagamento de impostos. Dessa forma, você favorece os ganhos líquidos das suas operações.

Isso pode fazer com que a sua estratégia seja mais rentável. Contudo, só é possível compensar as perdas referentes às operações do mesmo tipo. Ou seja, prejuízos de operações comuns só são compensados com lucros de operações comuns — e o mesmo vale para day trade.

Como os prejuízos são abatidos nas operações?

Agora que você sabe quando abater as perdas com operações em contratos futuros, é preciso entender como fazer isso. Para tanto, o passo mais importante consiste em declarar cada prejuízo mensal ocorrido ao longo do ano de exercício.

Então você deve utilizar a ficha “Rendimentos Variáveis” e incluir os resultados, mês a mês, das operações comuns e de day trade. Os prejuízos devem ser apresentados com um sinal negativo à frente.

A partir desse preenchimento, o próprio programa da Receita Federal fará o cálculo da compensação de perdas. Assim, você saberá se pagou todo o imposto necessário, se ainda deve ou mesmo se terá direito a uma restituição.

Para tornar essa declaração mais fácil e eficiente, vale a pena buscar as notas de corretagem. Esses documentos apresentam todos os valores detalhados das operações e garantem mais precisão na sua inclusão de dados. É possível pedir essas notas para a sua corretora de valores.

Com essas informações, você aprendeu quando abater prejuízos com operações em contratos futuros e como realizar essa tarefa. Assim, torna-se viável diminuir legalmente o imposto a ser pago, o que pode favorecer a sua estratégia de especulação na bolsa.

Este artigo foi útil para você? Se quiser se aprofundar cada vez mais no mercado financeiro, assine O Guia Financeiro VIP e destrave seus conhecimentos!

Guiar as pessoas para que o dinheiro não limite a vida. Este é o nosso propósito e o que acreditamos. Queremos eliminar as barreiras e limitações que impedem as pessoas de viverem sem ter que ficar só preocupadas com dinheiro. Aqui, no portal O Guia Financeiro, te auxiliamos e ensinamos diversas formas de alcançar a sua independência e sempre te lembramos de contar com os nossos Assessores-Guias com o objetivo de alcançar seus sonhos e objetivos.

Veja também