Clubes de Investimentos: O que são, como funcionam e como criar o seu clube [Guia completo]

No ambiente atual de juros baixos, a entrada de novos investidores na bolsa tem crescido de forma expressiva. Mas, além do desafio de escolher as melhores ações, esses investidores ainda se deparam com outras questões importantes, como o controle das posições, o cálculo da rentabilidade da carteira e o pagamento de impostos. E tudo isso fica ainda mais complicado quando o objetivo é replicar o mesmo portfólio para um grupo de pessoas.

Nesse sentido, o Clube de Investimento é uma alternativa muito interessante para facilitar a vida dos investidores, além de oferecer benefícios fiscais importantes no longo prazo. Ficou curioso? Leia até o final e saiba tudo sobre Clubes de Investimentos.

 O que veremos neste artigo?
O que são Clubes de Investimentos?
Como criar um clube de investimento?
Como funcionam os clubes de investimentos?
Quais as vantagens dos clubes de investimentos?
Principais regras da carteira do clube de investimentos
Conclusão

O que são Clubes de Investimentos?

Clubes são veículos de investimento que permitem que um grupo de pessoas físicas acesse o mercado de ações em conjunto, compartilhando a mesma carteira, o mesmo desempenho e dividindo os mesmos custos. Eles podem ser formados por no mínimo 3 e no máximo 50 participantes, sendo que ninguém pode ter mais 40% do patrimônio total do clube.

Como criar um clube de investimento?

Para montar um clube de investimentos você precisa seguir basicamente quatro passos:

1 – Definição do grupo

O primeiro passo é reunir um grupo de amigos, familiares ou quaisquer pessoas de sua preferência, que queiram investir em uma carteira de ações de forma conjunta.

2 – Elaboração do estatuto do clube

Em seguida, é necessário escolher um banco ou corretora, que será a instituição administradora do clube. Ou seja, será a responsável por todos os processos de estruturação, operacional e regulatório do clube. A Guide, por exemplo, é um dos maiores administradores de clubes do mercado, com grande expertise neste segmento.
Assim, você e seu grupo poderão definir as característica do clube, que serão formalizadas no estatuto. Além de escolher um nome para o clube e definir a taxa de administração, é preciso eleger um gestor, que será responsável por realizar todos os investimentos. Só ele poderá comprar e vender os ativos para a carteira do clube. Qualquer um dos cotistas do clube pode ser nomeado como gestor, ou ainda pode-se contratar um gestor profissional, habilitado pela CVM, que será remunerado pelo próprio clube.

3 – Definição do aporte de cada investidor participante

Agora que você já montou seu estatuto e a instituição escolhida já realizou os trâmites de constituição e cadastro, você e seu grupo podem realizar os primeiros aportes para começar a investir.

4 – Investimento nas ações selecionadas

Com o dinheiro separado, o gestor do clube poderá colocar em prática os investimentos nas ações escolhidas.

Clubes de investimento - primeiro passo é definir um grupo
Definição do grupo
Clubes de investimento - Segundo passo é montar o estatuto do clube junto à Guide Investimentos, corretora
Elaboração do estatuto do clube com a equipe da Guide
Clube de investimento - terceiro passo é definir o aporte de cada participante do grupo do clube
Definição do aporte de cada investidor participante
Clube de investimentos - Último passo é investir nos papéis das ações desejadas e ver o rendimento
Investimento nas ações selecionadas


Como funcionam os clubes de investimentos?

O clube funciona de forma muito semelhante a um fundo de investimentos. Ao realizar aplicações, cada investidor recebe uma determinada quantidade de cotas do clube. O valor da cota é o mesmo para todos os cotistas, e varia diariamente de acordo com o desempenho da carteira. Assim, os investidores podem aplicar diferentes valores no clube, mas todos recebem exatamente o mesmo rendimento percentual.

Exemplo: Um clube foi criado por um grupo de três amigos, com o objetivo de investir na mesma carteira de ações. Eles aplicaram inicialmente R$125 mil, R$175 mil e R$200 mil. Assim, o clube iniciou suas atividades com patrimônio de R$500 mil.

Como foi definido um valor de cota inicial de R$100, os investidores receberam 1.250, 1.750 e 2.000 cotas, respectivamente. Já no primeiro dia, o gestor do clube comprou uma carteira de ações, que se valorizou 1% em média (já líquido de despesas). Com isso, a cota passou a valer R$ 101, as posições dos cotistas subiram para R$126.500, R$176.750 e R$202.000, e o patrimônio do clube subiu para R$505.000.

Repare que, quanto maior o valor aplicado, maior o rendimento financeiro (em R$). Mas o rendimento percentual foi o mesmo para todos (neste caso, 1%).

Quais as vantagens de um clube de investimento?

Os clubes de investimentos possuem 4 principais benefícios aos investidores:

1. Eficiência fiscal

Comprando ações diretamente na bolsa, o investidor precisa apurar o ganho mensal e realizar o pagamento do Imposto de Renda via DARF. Além do trabalho operacional envolvido, o pagamento de imposto de forma frequente reduz os ganhos líquidos no longo prazo, já que esses valores pagos deixam de render nos períodos seguintes.

No clube, por outro lado, o imposto é pago apenas no momento do resgate, com alíquota de 15% sobre ganho acumulado. Além disso, a administradora é a responsável pelo cálculo e recolhimento do imposto, o que simplifica muito a vida do investidor.

2. Escalabilidade e Diversificação

O clube admite o acesso de até 50 cotistas à mesma carteira de investimentos. E quando você investe em um grupo, o patrimônio total é maior, o que aumenta as possibilidades de diversificação do portfólio.

3. Custos reduzidos

A estrutura de um clube de investimentos é muito mais barata que a de um fundo de investimentos, já que não há cobrança de taxas regulatórias (CVM e Anbima), além de não ser necessário contratar o serviço de auditoria independente (em caso de anuência dos cotistas).

4. Gestor cotista

A estrutura do clube oferece a possibilidade da gestão ser realizada por um cotista, sem a necessidade que seja um profissional de mercado credenciado. Neste caso, o “gestor-cotista” só pode realizar a gestão de um único clube, sendo o responsável por todo o processo de seleção de ativos e execução das operações, além do monitoramento e enquadramento do portfólio.

Principais regras da carteira do clube de investimento

Conforme mencionado, o clube de investimentos é uma estrutura indicada principalmente para o investimento em ações. Assim, o investimento em outros tipos de ativos possui algumas restrições:

O clube deve manter no mínimo 67% do seu patrimônio investido nos seguintes ativos:

  • Ações à vista
  • Bônus de subscrição
  • Debêntures conversíveis em ações, de emissão de companhias abertas
  • Recibos de subscrição
  • Cotas de fundos de índices de ações negociados em mercado organizado
  • Certificado de depósitos de ações

Os 33% excedentes podem ser aplicados em:

  • Cotas de fundos de investimento das classes “Curto Prazo”, “Referenciado” e “Renda Fixa”
  • Títulos públicos federais
  • Outros valores mobiliários de emissão de companhias abertas
  • Títulos de responsabilidade de instituição financeira
  • Compra de opções, observado as limitações.
  • BDR Nível I, Nível II e Nível III.

Sobre derivativos, aluguel de ações e posições vendidas:

  • O clube pode ceder suas ações em empréstimo para participantes do mercado.
  • O clube pode comprar opções (call e put), mas apenas de ações ou índices de ações.
  • O clube pode realizar venda de calls, apenas de forma coberta. Não é permitida a venda de puts.
  • O clube pode tomar ações emprestadas no mercado e vender a descoberto (posição “vendida”).
  • O clube pode operar no mercado futuro, mas apenas com futuro de ações ou índices de ações.

Importante: para as operações em que é necessário o depósito de ativos em margem de garantia, é importante destacar que a margem requerida total não pode ultrapassar 15% do patrimônio líquido do clube, e que a parcela de ações depositada em margem não é considerada no enquadramento mínimo de 67% em ações.

Conclusão

Os clubes de investimentos são uma opção muito interessante para investidores que querem operar de forma conjunta na bolsa, dos novatos aos mais experientes. A sua estrutura simplifica muito todo o lado operacional e tributário das operações, especialmente quando há vários investidores que desejam manter o mesmo portfólio de ações.

Agora que você já sabe mais sobre os clubes de investimentos, junte seu grupo de amigos e comece a investir!

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções
Bitnami