O que é um investidor qualificado e quais são as vantagens em se tornar um

Tempo de leitura: 8 minutos

Os investidores, de acordo com os órgãos reguladores no Brasil, são classificados com base em seu nível de exposição ao risco.

Essa segregação não se limita apenas ao tipo de perfil de investidor, mas ao nível de conhecimento que ele possui sobre o mercado financeiro.

Investidor qualificado é aquele que já deu um passo a mais que o investidor comum, possui mais capital empregado em suas aplicações e atesta seu conhecimento do mercado de capitais.

Continue a leitura para conhecer mais detalhes sobre os tipos de investidores no Brasil, e confira como fazer parte do grupo dos qualificados.

O que veremos neste artigo?
Quem é considerado um investidor qualificado?
Como se tornar um investidor qualificado?
Lista do investidor qualificado
Quais são as vantagens em ser um investidor qualificado?
Quais são as limitações de um investidor qualificado?
Qual a diferença entre um investidor qualificado e profissional?
O que acontece se eu declarar que sou investidor qualificado?
Existem investimentos direcionados para investidores qualificados?
Como a CVM classifica os investidores?
O que acontece com quem mente que é investidor qualificado?
Conclusão

Quem é considerado um investidor qualificado?

Segundo a instrução CVM N° 554, é considerado investidor qualificado toda pessoa física ou jurídica que possui investimentos financeiros equivalentes ou superiores a R$1 milhão e tenha atestado por escrito o termo de investidor qualificado.

Investidores profissionais, instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central, entidades de previdência complementar e regimes de previdência social são agentes que podem aplicar seus recursos em ativos destinados a investidores qualificados.

O indivíduo que não atender a nenhum dos requisitos acima, pode ser considerado como investidor qualificado caso tenha alguma das certificações aprovadas pela CVM. Esses exames de qualificação técnica exigem conhecimentos avançados sobre o mercado financeiro.

Dentre as certificações mais conhecidas estão as de agentes autônomos de investimento (ANCORD – Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias), planejadores financeiros (CFP), gestores de recursos de terceiros (CGA), especialistas de investimentos (CEA) e analistas de investimentos (CNPI).

Como se tornar um investidor qualificado?

Uma vez alcançados os pré-requisitos mencionados acima, o indivíduo precisa aderir ao termo ou declaração de investidor qualificado solicitado pelas instituições financeiras, para então ser caracterizado como tal.

Na prática, esse termo funciona como um atestado por escrito de que o investidor possui conhecimento necessário sobre o mercado financeiro e sobre os produtos que são exclusivos para esse tipo de público.

Assim, fica evidenciado que o indivíduo está ciente dos riscos a que está exposto ao decidir investir em determinados tipos de aplicações.

Lista do investidor qualificado

Lembre-se, para ser considerado um investidor qualificado é necessário um destes itens ou mais:

  • Ter capital mínimo de R$1 milhão em aplicações financeiras;
  • Ser aprovado em algum dos exames de qualificações técnicas aprovados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM;
  • Formar um clube de investimento que tenha a carteira gerida por pelo menos um cotista que seja investidor qualificado; 

Quais são as vantagens em ser um investidor qualificado?

Uma das vantagens mais relevantes está no acesso a investimentos exclusivos, mais sofisticados e restritos a essa categoria de investidores. 

Em geral, esses produtos exclusivos costumam apresentar maior remuneração, embora tenham riscos mais elevados associados aos retornos. Além disso, os custos de manutenção, como taxa de administração, são menores.

Com esses benefícios, os investidores qualificados conseguem montar uma carteira de investimentos mais diversificada, o que aumenta seu potencial de ganhos, bem como ajuda a mitigar os riscos envolvidos.

Quais são as limitações de um investidor qualificado?

Investidores qualificados não podem aplicar seus recursos em fundos exclusivos a investidores profissionais, pois não possuem os pré-requisitos necessários.

A exigência por conhecimento avançado sobre o mercado de capitais e a assinatura do  termo de investidor qualificado também podem ser consideradas, muitas vezes, uma limitação. Contudo, é uma forma de protegê-los.

Qual a diferença entre um investidor qualificado e profissional?

A principal diferença entre o investidor profissional e o qualificado está no volume financeiro mínimo exigido em cada categoria.

O investidor profissional precisa ter no mínimo R$10 milhões aplicados no mercado financeiro, além do atestado de sua habilidade por escrito. Logo, essa categoria de investidor tem acesso a um maior leque de opções de investimentos, podendo aplicar seus recursos em qualquer ativo financeiro.

O investidor qualificado, por sua vez, possui menor montante de investimentos e  por isso têm menos opções se comparado às características que definem o investidor profissional.

Sendo assim, é possível afirmar que todo investidor profissional é investidor qualificado, mas o contrário não é verídico.

De acordo com a norma regulatória, são exemplos de investidores qualificados e profissionais, os agentes autônomos de investimento (assessores de investimento), administradores de carteira, analistas e consultores de valores mobiliários autorizados pela CVM, em relação a seus recursos próprios.

O que acontece se eu declarar que sou investidor qualificado?

Ao declarar que é um investidor qualificado, o indivíduo está atestando que possui conhecimento suficiente para compreender os investimentos mais complexos e com maior exposição ao risco.

Esse tipo de declaração não causa nenhum tipo de impacto no imposto de renda do investidor, visto que o recolhimento acontece direto na fonte.

Neste caso, no período da declaração anual de IR é necessário apenas informar à Receita Federal o valor do imposto recolhido no período.

Existem investimentos direcionados para investidores qualificados?

Algumas modalidades de investimentos são restritas aos investidores qualificados e, consequentemente, aos profissionais também. Dentre elas estão:

  • Fundos de investimento em participações (FIPs);
  • Fundos de direitos creditórios (FIDCs);
  • Alguns certificados de recebíveis imobiliários (CRIs);
  • Certificados de recebíveis agrícolas (CRAs);
  • Fundos de investimentos imobiliários (FIIs).

Mas atenção! O mercado é dinâmico e as atualizações que acontecem também podem interferir nas classes de ativos disponíveis aos investidores qualificados.

Recentemente, após a flexibilização da CVM, os BDRs não patrocinados, antes limitados a essas categorias de investidores, tornaram-se disponíveis ao público geral.

Os FIDCs também podem ser alterados a qualquer momento. A CVM já estuda a possibilidade de liberá-los para o investidor de varejo.

Como a CVM classifica os investidores?

Para a Comissão de Valores Mobiliários, os investidores dividem-se em três grupos com base no nível de conhecimento sobre investimentos e do mercado financeiro. São eles:

  • Investidores profissionais;
  • Investidores qualificados;
  • Investidores comuns, de varejo, ou geral.

Essas categorias de investidores foram criadas com o objetivo principal de assegurar que os investidores iniciantes, sem a devida preparação, adquiram produtos de investimento que estejam de acordo com seu perfil ou nível de conhecimento financeiro. E, com isso, evitem prejuízos desnecessários.

Para exemplificar, abaixo uma tabela baseada em dados disponibilizados pela Anbima:

AtivosInvestidor de VarejoInvestidor QualificadoInvestidor Profissional
Cotas de FIDCNãoSimSim
Cotas de FIPNãoSimSim
CRI sem acompanhamento de agência de ratingNãoSimSim
Cotas de FIDC Não PadronizadoNãoNãoSim
Oferta de notas promissórias sem prospectoNãoNãoSim
Fonte: Anbima.

Anbima e categorias de investidores

De acordo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais Anbima, os investidores devem ser avaliados e classificados com base em seu perfil de risco, considerando os objetivos de investimento, a capacidade financeira do investidor e o conhecimento sobre os produtos e riscos.

Com a chegada da pandemia e dos juros baixos, a Anbima viu a necessidade de propor aos agentes regulamentadores um ajuste no suitability, de modo que seja considerado o perfil do investidor, seus objetivos, necessidades e nível de conhecimento técnico, e não somente o “tamanho do bolso”.

Na visão de Carlos Ambrósio, presidente da Anbima, “no aconselhamento dos produtos financeiros, os objetivos do cliente devem estar no centro”.

O que acontece com quem mente que se é investidor qualificado?

A adesão incorreta ao termo de investidor qualificado impacta as proteções legais do investidor, uma vez que ele perde o direito de fazer qualquer reclamação na Justiça ou na CVM sobre os riscos financeiros da aplicação realizada. Além disso, é considerado crime de falsidade ideológica.

Em entrevista concedida ao Valor Investe, o coordenador do Centro de Estudos em Finanças da FGV, William Eid, afirmou que “a pessoa vai se expor a aplicações que certamente não entende e vai comprar produtos que não são adequados para ela”.

Conclusão

É visto que se tornar um investidor qualificado traz inúmeros benefícios, pois possibilita aplicar recursos em fundos que trazem maiores remunerações, além de menores custos de manutenção.

Apesar de ser uma opção que possui um portfólio exclusivo e administrado por gestores altamente capacitados, os fundos destinados aos investidores qualificados possuem estruturas complexas, em que há grande flutuação dos papéis.

Se você quer se tornar um investidor qualificado, além do capital empregado superior a R$1 milhão, capacite-se continuamente para uma tomada de decisão responsável, em que todos os riscos devem ser analisados.

Com a Guide você garante assessoria para qualquer valor investido. Faça uma experiência com os simuladores de investimento da corretora.

Relacionados

Análise fundamentalista e análise técnica: você sabe as diferenças?

Os brasileiros têm experimentado novas modalidades de investimento. O número no mercado de ações no Brasil saltou de 583 mil investidores [...]

Syntax Finance - 03/08/2021

Como investir em dólar? Entenda a importância desse investimento hoje!

Se você acompanha as movimentações do mercado, provavelmente percebeu que, quando a bolsa brasileira cai, é comum que exista uma valorização [...]

Guide Investimentos - 29/07/2021

Quanto rende 100 mil na poupança? Entenda os cálculos e projeções

Um dos investimentos mais conhecidos pela população brasileira é, sem dúvida, a caderneta de poupança. Mesmo sem ter muita noção de [...]

Guide Investimentos - 26/07/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções