LCI e LCA: O que são, rentabilidade e como investir [Guia Completo]

Tempo de leitura: 11 minutos

Ao avaliar as opções de investimento, é normal se deparar com as siglas LCI e LCA. Elas são títulos de renda fixa e tem algumas características vantajosas, o que leva muitos investidores a buscarem essa alternativa.

O que veremos neste artigo?
O que é LCI e LCA?
Quem pode emitir LCI e LCA?
Como funcionam as LCIs e LCAs?
LCI e LCA tem FGC?
LCI e LCA tem Imposto de Renda?
Vantagens e desvantagens das LCIs e LCAs
Letras de Crédito e outros investimentos
Como investir em LCI/LCA?

Porém, é preciso entender como as aplicações funcionam para identificar se fazem sentido na composição da sua carteira. Afinal, seus investimentos devem ser adequados ao seu perfil e objetivos. Quer saber mais sobre o assunto?

Continue a leitura deste guia para aprender o que é LCI e LCA, como é a rentabilidade e como investir nelas!

O que é LCI e LCA?

LCI e LCA são a Letra de Crédito Imobiliário e a Letra de Crédito do Agronegócio, respectivamente. Elas são emitidas por instituições financeiras que utilizarão os recursos para conceder créditos nos setores indicados.

Assim, ambas são investimentos em renda fixa que são lastreados ao setor imobiliário ou de agronegócios. Ademais, o funcionamento é bastante semelhante, sendo que a diferença entre LCI e LCA é, basicamente, o destino dos recursos.

Um ponto interessante é que os dois títulos se vinculam a setores promissores. No Brasil, o agronegócio e o mercado imobiliário movimentam bastante a economia, o que traz mais oportunidades para os investidores.

Quem pode emitir LCI e LCA?

Como você viu, as LCIs e LCAs são emitidas por instituições financeiras que trabalham com a concessão de crédito nos setores indicados.

Dessa maneira, é possível encontrar títulos emitidos por bancos sociedade de crédito imobiliário, companhias hipotecárias e associações de poupança e empréstimo.

Como funcionam as LCIs e LCAs?

Ao aplicar em LCI ou LCA o investidor empresta dinheiro para o emissor e, em troca, receberá juros. Mas quais são as especificidades do funcionamento delas?

Confira mais detalhes sobre os títulos!

Rentabilidade

Já explicamos que esses são títulos de renda fixa, mas vale entender os tipos de rentabilidade ofertada. As letras de crédito podem ser pré-fixadas, pós-fixadas ou híbridas.

A seguir você entenderá cada uma:

Pré-fixada

Esse tipo de LCA ou LCI indica uma taxa de juros fixa em percentual — por exemplo, 5% ou 8% ao ano. Desse modo, o investidor consegue ter certeza sobre qual será o valor total recebido no vencimento da aplicação.

Pós-fixada

Já o título pós-fixado é atrelado a um índice. Então, apesar de saber como será feita a correção do valor, não é possível ter certeza sobre o montante final. Isso porque a rentabilidade vai mudando de acordo com o índice.

O mais comum é que eles sejam atrelados a um percentual do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que é o benchmark da renda fixa. Ele é uma referência sobre a taxa de empréstimos que as instituições financeiras fazem entre elas — e tem valor próximo ao da taxa Selic.

Híbrida

Também é possível que as letras de crédito sejam híbridas, contando com características dos dois tipos anteriores. Isso significa que ela será atrelada a um índice e, ainda, terá um percentual fixo. O mais comum é encontrar as opções vinculadas ao IPCA, que acompanha a inflação, mais uma taxa.

Como podemos ver, se você deseja saber quanto renda a LCI ou LCA, precisa avaliar cada título disponível individualmente. Afinal, o retorno varia conforme as condições ofertadas pela instituição emissora.

Valor mínimo para investimento

Ao emitir as letras de crédito, as instituições financeiras podem determinar um valor mínimo para a aplicação. De modo geral, as quantias não são tão acessíveis quanto outras opções. É comum que os investimentos sejam feitos a partir de mil reais — e chegam a valores maiores, como R$ 50 mil.

Normalmente, o investimento mínimo exigido também influencia na rentabilidade. Em alguns casos, aquelas com melhores condições de retorno são disponíveis apenas para quem deseja fazer aplicações maiores. No entanto, ainda é possível encontrar opções acessíveis.

Prazos e resgate

Entender os prazos e o funcionamento do resgate é importante para identificar a liquidez do investimento. Ela se refere à facilidade para converter a aplicação em dinheiro e pode ser um requisito essencial, dependendo do seu objetivo.

A maioria das Letras de Crédito só permite o resgate no vencimento. Outras contam com um prazo de carência (geralmente 90 dias), oferecendo liquidez diária após o período. Já o prazo de duração varia conforme a instituição financeira.

Em muitos casos, um prazo prolongado e a liquidez baixa refletem em melhores condições na rentabilidade. Por isso, avalie todas as questões antes de investir para não ter imprevistos relacionados à liquidez do investimento.

LCI e LCA tem FGC?

Ao optar por investir em LCI ou LCA, o investidor se expõe aos riscos gerais da instituição emissora. Ou seja, caso ela passe por problemas de liquidação, o investidor é impactado. Diante disso, a dúvida mais comum é saber se elas são cobertas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

A resposta é sim. Os investimentos contam com a cobertura, fazendo com que a aplicação seja considerada mais segura. A garantia do fundo é de até R$ 250 mil por CPF, aplicável em cada instituição ou conglomerado financeiro.

Assim, se você tem LCA em bancos diferentes, que não façam parte de um conglomerado, terá até R$ 250 mil protegidos em cada um. Mas é necessário ter atenção ao limite global: cada investidor pode ter até R$ 1 milhão protegidos em um período de 4 anos.

Imagine que você precisou da garantia do FGC para um investimento de R$ 100 mil. Logo, você ainda terá cobertura de R$ 900 mil no total para outras aplicações. Depois de 4 anos, você terá novamente a cobertura de R$ 1 milhão.

Vale destacar também que o limite de cobertura do FGC engloba outros investimentos protegidos pelo fundo. O limite, portanto, é compartilhado entre as alternativas elegíveis à proteção que você possuir na carteira.

LCI e LCA tem Imposto de Renda?

As regras sobre Imposto de Renda são outro atrativo para o investimento: os rendimentos das LCI e LCA não são tributados. Ou seja, não será preciso recolher Imposto de Renda. Inclusive, esse é um fator que deve ser considerado ao fazer a comparação de diferentes títulos.

Por exemplo, um investimento com taxa mais atrativa, na prática, pode trazer um rendimento menor depois dos descontos referentes ao imposto. Dessa maneira, vale sempre considerar as regras sobre tributos e taxas para que os comparativos não tenham erros.

Vantagens e desvantagens das LCIs e LCAs

Depois de saber o que é e como funciona a LCI e LCA, é mais fácil identificar as vantagens e desvantagens. Porém, se você ainda tem dúvidas, preparamos uma lista para facilitar a análise. Entre os benefícios, podemos citar:

  • baixo risco e segurança pelo FGC;
  • rentabilidades médias maiores;
  • não há incidência de Imposto de Renda.

Pela segurança, elas são bastante procuradas por investidores mais conservadores. Outro benefício é a possibilidade de usar os títulos para diversificar a carteira. Afinal, existem diversas opções de rentabilidade e prazo disponíveis no mercado para diversos perfis de investidores.

Já em relação às desvantagens, a principal é a necessidade de investimento mínimo menor. Muitas vezes, o valor é expressivo e nem sempre o investidor encontrará opções que sejam adequadas ao orçamento disponível.

Ademais, a liquidez é mais baixa do que em outras opções de renda fixa. Portanto, objetivos que demanda alta acessibilidade são mais apropriados para outros investimentos. É o caso, por exemplo, da reserva de emergência.

Além disso, para investidores que buscam maior risco e rentabilidade, a limitação da renda fixa também pode ser uma desvantagem. Ou seja, LCI e LCA são bons investimentos, mas podem não ser os mais adequados para os seus objetivos.

Letras de Crédito e outros investimentos

Para entender melhor os pontos positivos e negativos da LCI e LCA vale a pena compará-las com algumas aplicações.

Confira!

LCI x CRI

Uma das dúvidas que surgem é sobre a diferença entre a LCI e o Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI). Ambos são vinculados ao mesmo setor, mas o funcionamento é diferente.

O CRI é emitido por securitizadoras, e não por instituições financeiras. Além disso, ele não tem cobertura pelo FGC, aumentando os riscos do investimento. Porém, existem algumas semelhanças entre CRI e LCI:

  • não há incidência de Imposto de Renda;
  • a liquidez é baixa;
  • pode ser pré-fixada, pós-fixada ou híbrida.

LCA x CRA

Outros produtos que costumam ser comparados são a LCA e o CRA, que o Certificado de Recebíveis do Agronegócio. As semelhanças e diferenças são as mesmas citadas em relação ao LCI e CRI. Basicamente, o ponto de atenção no momento de decidir sobre os ativos é a garantia do FGC.

Assim, vale comparar os prazos e a rentabilidade disponível em cada ativo para determinar se vale aumentar o risco do investimento. Para quem busca maior segurança, as letras de crédito podem ser mais vantajosas.

CDB x LCI/LCA

Você já conhece o Certificado de Depósito Bancário (CDB)? Esse é outro título de renda fixa que gera interesse dos investidores por trazer segurança para a aplicação. Mas você sabe como decidir entre CDB ou LCI/LCA?

O CDB também consiste em um empréstimo feito para instituições financeiras. Ele tem a mesma cobertura do FGC e apresenta rentabilidades variadas — semelhante às Letras de Crédito. Porém, para comparar as alternativas, é preciso entender o que muda entre elas.

Uma das principais diferenças trata do Imposto de Renda, que é cobrado no CDB de maneira regressiva:

  • de 1 dia até 180 dias: 22,5%;
  • de 181 até 360 dias: 20%;
  • de 361 até 720 dias: 17,5%
  • mais de 721 dias: 15%.

Isso faz com que, em comparação, a rentabilidade total acabe reduzindo, já que acontece o desconto do imposto. Porém, é mais comum encontrar CDBs com liquidez diária, que é um fator relevante na decisão sobre investimentos quando se compara com LCI e LCA.

Tesouro Direto x LCI/LCA

O Tesouro Direto traz opções de investimentos que são consideradas as mais seguras: não são cobertas pelo FGC, mas pelo próprio Tesouro Nacional. Entre as formas de rentabilidade, ele também tem alternativas pós-fixadas, prefixadas e híbridas.

No entanto, as principais diferenças tratam do valor e da liquidez. É possível encontrar títulos públicos a partir de R$ 30 e opções com liquidez diárias. Assim, o Tesouro Direto tem algumas vantagens de acesso aos investidores.

Contudo, também há desvantagens na comparação com LCI e LCA: os investimentos no Tesouro Direto são tributados, seguindo as mesmas regras do CDB. Além disso, a rentabilidade pode ser menor do que a das Letras de Crédito.

Como investir em LCI/LCA?

Se você acredita que vale a pena investir em LCI e LCA, é preciso entender como fazer isso. A seguir, montamos um passo a passo, acompanhe!

Crie uma conta em uma corretora de valores

Para investir nesses produtos, é preciso ter uma conta em uma corretora de valores, como a Guide. Avalie as opções do mercado para encontrar uma empresa de confiança para ter acesso às melhores oportunidades.

A corretora disponibiliza títulos de diversas instituições, trazendo mais alternativas ao investidor.

Avalie as aplicações disponíveis para investimento

Com a conta aberta, pesquise as LCIs e LCAs disponibilizados pela corretora. Aqui, tenha atenção a questões como prazo, rentabilidade e aplicação mínima para filtrar as alternativas. Também considere os demais ativos de sua carteira para diversificar.

Fique atento, ainda, ao prazo desejado (curto, médio ou longo). Vale também considerar a instituição emissora, já que esse é um fator que influencia os riscos. Uma instituição com histórico de pagamentos trará mais segurança ao investir em LCI ou LCA.

Considere o seu perfil e objetivos

Para investir bem é fundamental ponderar o orçamento disponível, o seu perfil e o objetivo da aplicação. Desse modo você poderá encontrar a opção mais adequada. Um dos principais pontos é entender o seu perfil de risco e verificar o prazo no qual pretende usar o dinheiro.

Faça seus aportes

Após avaliar todas as questões apontadas, defina quais são as Letras de Crédito mais adequadas para a sua carteira. Assim, basta transferir os valores necessários para a sua conta na corretora e finalizar a compra. Depois é só acompanhar os resultados.

Como vimos, investir em LCI e LCA pode ser interessante para diversificar a carteira, independentemente do perfil. Além disso, elas trazem alternativas mais seguras para quem busca proteção e foca em curto e médio prazo. Avalie se são uma boa opção para você!

Gostou do post? Se você quer aprender mais sobre investimentos, descubra o que são Ações e como ganhar dinheiro com elas!

Relacionados

Investimento em ações para iniciantes: 6 dicas para sair do zero e começar agora

Investir em renda variável pode ser uma oportunidade para rentabilizar a carteira e ter possibilidades de ganhos maiores, principalmente no longo [...]

Guide Investimentos - 19/10/2021

4 estratégias de investimento para quem está começando na renda variável

Quem está começando a investir na renda variável precisa adotar estratégias de investimento. Isso é importante para reduzir riscos e ter [...]

Guide Investimentos - 14/10/2021

A porta está trancada. Nesse caso, crie a sua própria porta

"A porta está trancada. Nesse caso, crie a sua própria porta." Essa é uma passagem icônica do filme O Labirinto do [...]

Adriana Nogueira - 11/10/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções