CDB: O que é, como funciona, taxas e como investir em 2020 [Guia completo]

Talvez não por seu nome completo – Certificado de Depósito Bancário -, mas pela sua sigla, o famoso CDB, certamente você já ouviu falar disso. Mas, você sabe o que significa? Neste artigo-guia você vai ficar a par desta alternativa de investimento.

O que veremos neste artigo?
Como funciona o CDB?
Quais são os tipos de CDB?
O que é CDI e como ele se relaciona com CDB?
Como funciona o rendimento do CDB?
Qual CDB tem mais rendimento?
Quando vencem os títulos do CDB?
Investimento em CDB tem declaração no IR?
Tem garantia de crédito pelo FGC?
CDB x Poupança
CDB x LCI/LCA
CDB x Tesouro Direto
Quais são os passos para investir em CDB?

Como funciona o CDB?

CDB nada mais é do que um título de renda fixa que os bancos emitem para captar recursos que serão usados em suas atividades e projetos. Assim como em um título do Tesouro Direto em que você financia a dívida do governo, no CDB você está emprestando dinheiro para um banco tocar suas atividades, também em troca de uma taxa acordada ao início, logo no momento da compra.

Quais são os tipos de CDB?

A taxa que você combina com o banco no momento da compra pode ser de dois tipos, pré-fixada ou pós-fixada.

Prefixado

No caso da taxa pré-fixada, você sabe exatamente qual será o rendimento percentual do período em que deixará aplicado o dinheiro com o banco e, em função disso, acaba por acordar também que o dinheiro ficará com o banco naquele período todo. Imaginando um exemplo: você quando compra um CDB pré-fixado de 5% ao ano com prazo de um ano já sabe que aquele título comprado nesta data te renderá um valor corrigido em 5% (menos os impostos no momento do saque) daqui a um ano e antes da conclusão deste período você não poderá retirar o seu dinheiro do banco. Existem bancos também que oferecem a opção do pós-fixado com liquidez diária, a diferença é que você pode ter acesso ao dinheiro a qualquer tempo.

Pós-fixado

Já quando se trata de um CDB pós-fixado, o rendimento estará atrelado a alguma taxa, mas de olho em sua variação ao longo do período. Exemplo: você pode adquirir um CDB cujo rendimento seja de 102% do CDI e, na prática, isso faz com que, no período em que você deixar seu dinheiro com o banco (que pode ser de um dia para o outro ou mesmo deixar o título até o final do prazo), ele tenha o rendimento daquela taxa combinada. Assim como no caso acima, também temos o inverso em termos de liquidez: há bancos que colocam CDBs pós-fixados sem liquidez imediata.

Com uma Taxa Selic de atuais 3%, você leitor deve ter notado que há uma diferença razoável entre o CDB de taxa pré-fixada e o de taxa pós-fixada. Isso ocorre porque os bancos irão te remunerar mais por um tempo em que você não terá liquidez (com os títulos pré-fixados) do que pela possibilidade que você tem de sacar o dinheiro em liquidez diária (com os títulos pós-fixados). Aqui apresentamos apenas um exemplo numérico, mas realmente os títulos que você encontra têm esse diferencial – e isso se explica pela diferença de liquidez entre eles.

Híbridos

Existe ainda um terceiro rendimento possível, o híbrido. Neste o combinado inicial envolve duas taxas diferentes, sendo que uma estará fixada e outra não. Um exemplo: você pode encontrar um CDB que lhe pague o IPCA adicionado a alguma taxa fixa ao longo do tempo. Este terceiro tipo na realidade é uma subdivisão do CDB pós-fixado, dado que mesmo com essa diferente remuneração, ele funcionará da mesma maneira, com o investidor deixando seu dinheiro com o banco pelo período acordado, sem liquidez diária e tendo ao final do processo o recebimento do valor corrigido. Um exemplo desse caso híbrido é um CDB que pague o IPCA (índice de inflação) + 2% ao ano.

O que é CDI e como ele se relaciona com CDB?

A diferença entre o CDB e o CDI é que o primeiro é o título e o segundo é a remuneração associada. CDI significa Certificado de Depósito Interbancário, que é a taxa de juros utilizada entre os bancos quando se emprestam recursos. Ela está sempre nas proximidades da Selic, ligeiramente abaixo dela.

Como funciona o rendimento do CDB?

A simulação de rendimento de um CDB leva em conta o período que você deseja manter o seu dinheiro investido. Independente de ser pós-fixado ou pré-fixado, você pode comparar o investimento levando em conta os mesmos períodos.

Vamos para um exemplo. Supondo o mesmo CDB que apresentamos na explicação da diferença entre pós e pré fixados logo acima, vejamos quais os rendimentos para um ano. Condições: CDB pré-fixado pagará 5% ao ano, CDB pós-fixado pagará 102% do CDI (com liquidez diária) e a Selic terá os atuais 3% (sendo que, por aproximação e para facilitar as contas, teremos um CDI de 3% também). Outra suposição importante: cada título terá o valor de R$1.000,00. Vamos aos resultados:

  • CDB pré-fixado terá rendimento bruto de R$50,10 e, após o Imposto de Renda (de 17,5%), seu valor a receber será de R$1.041,33;
  • CDB pós-fixado terá rendimento bruto de R$1.038,26 e, após o Imposto de Renda (também de 17,5%), você poderá retirar R$1.031,56.

Como bem apontado anteriormente, você pode conferir que há uma diferença entre os dois CDBs: tendo em vista que o pré-fixado não apresenta liquidez diária, o banco te remunera a mais por isso e, na prática, o “preço” da liquidez diária é ter um rendimento menor, afinal, não existe almoço grátis. Importante ressaltar que também podemos ter pré-fixados de liquidez diária e pós-fixados sem liquidez diária, mas a remuneração tenderá a ser sempre maior para os casos em que você não tenha a liquidez mais próxima.

Qual CDB tem mais rendimento?

Os CDBs que apresentam maior rendimento são aqueles que pagam a mais pela liquidez tomada do investidor. Ou seja, em termos práticos, o CDB que não tem liquidez diária tende a ter rendimentos maiores do que aquele que a tem. Isso é a demonstração de que o dinheiro tem valor no tempo – e que quando você aplica seus recursos com uma instituição financeira sem poder movimentar esse dinheiro por um tempo, ela deve lhe remunerar por esse tempo.

Quando vencem os títulos do CDB?

Como apresentado aqui neste guia, o prazo de resgate é conhecido no momento em que se faz a aquisição do CDB. É possível encontrar basicamente dois tipos: o que apresenta liquidez diária (que pode ser resgatado a qualquer momento) e outro que não tem resgate imediato. Para este segundo caso, temos desde o resgate em meses quanto também em anos. É preciso estar atento também a essa característica antes de investir em um CDB.

Investimento em CDB tem declaração no IR?

A tributação, como de costume nos investimentos, leva em conta o prazo investido. Existem dois tipos de impostos que você pode encarar num CDB.

O primeiro é o Imposto Sobre Operações Financeiras (o IOF), que incide de maneira regressiva durante os primeiros trinta dias da operação. Ele começa em 94% do rendimento para o caso de você o manter por um dia e deixa de existir após o trigésimo dia.

Já o Imposto de Renda (o IR) estará sempre presente independente do período do investimento, porém irá sendo reduzido conforme ele se esticar em prazo, da seguinte maneira: mantendo-o até 180 dias, ele será de 22,5%; de 181 a 360 dias, de 20%; de 361 a 720 dias, de 17,5%; e acima de 721 dias, de 15%. Veja que existe um estímulo real para que você mantenha seu dinheiro com a instituição financeira por mais tempo, pois no fim das contas seu rendimento terá menor incidência de imposto de renda.

Tem garantia de crédito pelo FGC?

O Fundo Garantidor de Créditos assegura que, caso a instituição esteja nele (e você pode consultar), você possa ter garantidos até R$1.000.000,00 em caso de conjuntas e R$250.000,00 em contas individuais de volta (por instituição financeira) no caso dela vir a falência. Essa é uma situação que não ocorre com tanta frequência, mas é importante notar que esse risco de falência existe e deve ser levado em conta no momento de comprar um CDB. Veja as regras completas desse mecanismo.

CDB x Poupança

As diferenças são basicamente três: o rendimento, como ele ocorre e os impostos incidentes.

Sobre o rendimento, a Poupança está sujeita a Selic e a Taxa Referencial, enquanto o CDB pode ter possibilidades diferentes, como ser fixo, ter relação com o CDI ou mesmo ser híbrido (ter parte fixa e parte que varia ao longo do tempo).

O meio como os rendimentos ocorrem também são diferentes: na Poupança ele ocorre uma vez ao mês (o chamado “aniversário”) e no CDB ele ocorre diariamente.

Já sobre os impostos, enquanto a Poupança não tem IOF nem IR, o CDB tem incidência de IOF e IR nos primeiros 30 dias e IR sempre.

CDB x LCI/LCA

As diferenças entre CDB e LCI/LCA estão em dois pontos: tributação e liquidez.

Em termos de tributação, CDB tem incidência de IR, enquanto LCI/LCA não.

Sobre a liquidez, temos que o CDB pode ser de liquidez diária ou não, mas LCI/LCA tem sempre algum prazo para que seja feito o resgate dos valores corrigidos (geralmente é de no mínimo um ano).

CDB x Tesouro Direto

São duas as diferenças: no CDB a garantia dada de pagamento é pela instituição (e, em caso de não pagamento, pela cobertura do FGC), enquanto no Tesouro Direto a garantia de pagamento é feita pelo próprio Tesouro Nacional e, em relação aos rendimentos, enquanto no CDB você sabe que a correção será feita na taxa acordada pré ou pós ao início, no Tesouro Direto você tem essa segurança apenas segurando o título até o final, porque caso decida vendê-lo no meio do caminho (com exceção ao Tesouro Selic, que tem rendimento acumulado o tempo todo), estará sujeito ao que o mercado está pagando no momento – e isso pode resultar em um rendimento positivo ou negativo.

Quais são os passos para investir em CDB?

Primeiro de tudo, você precisa levar em consideração que deseja ter uma segurança maior ao longo do tempo e que precisará contar com aqueles recursos como em uma reserva de emergências. Com esse objetivo, é interessante que a alocação seja feita em um CDB pós-fixado de liquidez diária.

Sendo o caso de uma aplicação que tenha foco em um prazo maior de tempo, que o recurso não precise ficar disponível no curto prazo e que a ideia seja buscar rendimentos maiores para o futuro, passa a ser mais vantajoso que a aplicação seja em um CDB prefixado de prazos maiores.

No fim das contas, o mais importante é inicialmente conhecer seu perfil de investidor e, em segundo lugar, conhecer minimamente a instituição financeira que você está afim de comprar o CDB. Por conhecer minimamente entenda verificar se ela consta na lista de instituições garantidas pelo FGC e também o quanto ela está pagando em rendimentos em relação ao que se tem de taxas de renda fixa no momento.

Agora que você já conhece mais sobre CDB, abra sua conta na Guide e aproveite para fazer bons investimentos neste mecanismo de renda fixa!

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções
Bitnami