CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

Aluguel de ações: o que é e como funciona?

5 de janeiro de 2022
Escrito por Syntax Finance
Tempo de leitura: 6 min
Compartilhar
O que é aluguel de ações? - ilustração de um urso no meio de um gramado verde
Tempo de leitura: 6 min

Você sabia que é possível ter uma boa rentabilidade quando se negocia ações em um mercado em queda? Para fazer isso, é preciso dominar uma das modalidades de investimento do mercado financeiro conhecida como aluguel de ações.

As operações de aluguel podem ser realizadas por diferentes tipos de investidores que assumem uma ponta doadora e outra tomadora. Elas são asseguradas pela bolsa de valores do Brasil, a B3.

Para conhecer como o aluguel de ações funciona, continue a leitura deste guia financeiro e saiba como lucrar com o mercado em queda.

O que veremos neste material?
O que é aluguel de ações?
Como alugar ações na bolsa?
Vantagens e desvantagens do aluguel de ações
Maneiras para alugar uma ação
Como escolher uma corretora para o aluguel de ações?
Considerações

O que é aluguel de ações?

Assim como existe o aluguel de imóveis, o mercado de renda variável permite que os investidores realizem empréstimos de ações a uma taxa de retorno e um prazo de locação definido no momento da aplicação.

Para que as operações de empréstimo de ativos financeiros aconteçam, é necessário a participação de investidores doadores, interessados em locar seus papéis e aqueles que desejam negociá-las, também conhecidos como tomadores. Confira as principais características de cada um deles:

Investidor doador

O investidor doador é o detentor dos ativos que disponibiliza os seus papéis para aluguel. Durante o período de empréstimo, ele perde o direito de voto em assembleias de acionistas. Por outro lado, o empréstimo de ações não interfere no recebimento de dividendos, juros sobre capital próprio ou subscrições de ações.

Normalmente, os doadores têm foco no longo prazo, o que permite que eles aproveitem para ter uma renda extra alugando seus papéis.

Investidor tomador

Já o tomador é quem aluga as ações. Durante o período de empréstimo, os tomadores que acreditam em uma possível desvalorização podem vender os papéis ou utilizá-los para outros tipos de negociações.

Eles só não podem esquecer que são obrigados a devolver as ações dentro do prazo de vencimento estabelecido no contrato de aluguel, sob pena de sofrer uma liquidação financeira pela bolsa de valores brasileira.

Os tipos de investidores mais comuns entre os tomadores são aqueles que gostam de aproveitar as oportunidades de curto prazo do mercado de ações. Em geral, eles fazem isso através de operações como day trade e swing trade.

O serviço de aluguel de ações é administrado e intermediado pela bolsa de valores. Ela também atua como contraparte, assegurando que ninguém seja prejudicado caso algo não saia conforme o esperado. Em paralelo, os ativos são guardados na Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), que os mantém em segurança.

A B3 exige o depósito de garantias financeiras, que podem ser feitas em dinheiro ou através de outros investimentos com liquidez, como. CDB, títulos do Tesouro Direto, fundos de investimento, ações, entre outros.

Como alugar ações na bolsa?

Para alugar ações na bolsa de valores, antes o investidor precisa ter uma conta investimento em uma das instituições financeiras autorizadas a realizar esse tipo de negociação.

Uma vez definida a plataforma, você pode alugar suas ações através do home broker. As regras e os prazos de vencimento da operação são preestabelecidas no contrato de aluguel, por isso atente-se às condições disponibilizadas.

Se você é um investidor doador, precisará informar à corretora seu interesse em alugar suas ações. Agora, se você é um tomador, precisará apresentar as garantias exigidas.

Todasas ações negociadas no Ibovespa podem ser alugadas desde que respeitados os limites de volume de ativos emprestados estabelecidos pela legislação. 

Vantagens e desvantagens do aluguel de ações

Alugar ações é extremamente vantajoso para a parte doadora. Com o empréstimo de ativos, eles conseguem uma taxa de remuneração adicional para seu portfólio sem fazer esforço algum.

Essas taxas variam de 2% e 5% ao ano, mas podem oscilar conforme a oferta e a demanda. Por exemplo, caso não tenham outros investidores fornecendo o serviço, as taxas podem alcançar uma porcentagem anual mais alta.

Por outro lado, os tomadores devem considerar os custos envolvidos, evitando que eles comprometam a lucratividade na operação. Além de pagar a taxa de aluguel, há cobrança das tarifas da bolsa brasileira, como os emolumentos. O investidor doador tem o rendimento do empréstimo tributado pela tabela regressiva do imposto de renda.

O tomador de ações deverá depositar garantias para cobrir eventuais despesas causadas pelas variações rápidas do mercado. Por este motivo, é importante atentar-se ao tipo de estratégia a ser realizada com cada ação alugada.

Maneiras para alugar uma ação

O mercado de ações possibilita que os investidores tenham acesso a diferentes tipos de operações. Confira abaixo três maneiras de lucrar com o aluguel de ativos:

1) Venda descoberta ou short selling

A venda descoberta ou short selling em inglês, é a primeira negociação que se pensa ao alugar uma ação. Nela, o investidor ou trader vende caro a ação alugada para “recomprar” barato e lucrar com a diferença de preços.

A análise técnica é uma importante aliada da venda descoberta, já que através dela o investidor consegue identificar a formação de uma tendência de baixa do mercado e se posicionar estrategicamente.

Grande parte dos órgãos regulatórios reconhece a venda a descoberto como uma prática que beneficia a formação de preço e a liquidez do mercado.

2) Long & Short

Outra operação interessante é o long & short, que em português significa comprado e vendido. Esse tipo de estratégia consiste na negociação simultânea de duas ações com o objetivo de ganhar na diferença de preços entre elas.

O long & short pode ser feito com ações da mesma empresa, por exemplo com ações do Itaú (vendendo ITUB4 e comprando ITUB3), ou do mesmo setor. Utilizando o mesmo exemplo, neste caso o investidor compraria ações de ITUB4 e venderia ações do Banco do Brasil (BBAS3).

Como escolher uma corretora para o aluguel de ações?

A escolha da corretora de investimentos que utilizará para o aluguel de ações é fundamental, especialmente no que se refere aos custos.

Algumas oferecem a custódia remunerada, um serviço de aluguel de ações automático. Para isso, as corretoras cobram uma taxa de corretagem, o que por consequência pode comprometer o rendimento da taxa de aluguel.

Por isso, atente-se e avalie todas as taxas envolvidas, afinal elas mudam de corretora para corretora.

Considerações

Se você possui uma carteira de ações destinada ao longo prazo, a estratégia de aluguel de ações funciona como uma remuneração extra e que não há necessidade de movimentar seus ativos.

Por ter a B3 como contraparte, pode-se dizer que o aluguel de ações é uma operação segura e rentável, principalmente para a ponta doadora dos ativos.

Já para o tomador, os contratos de aluguel representam uma alternativa para operações de curto prazo, como o day trade, sem ter que dispor de muito dinheiro.

Quer saber mais sobre o mercado de ações?  Aqui no Guia Financeiro, você encontra dicas de investimentos, seja na renda fixa ou variável, que lhe auxiliarão a escolher a melhor estratégia para seu perfil de investidor.

Abra sua conta na Guide e invista com quem te entende!

1ª Agência de comunicação 100% especializada em finanças, economia e mercado de capitais, a Syntax Finance impulsiona empresas que atuam nessas áreas no desenvolvimento de suas marcas.

Veja também