Cotações por TradingView

O que é ADR e como ele funciona?

Tempo de leitura: 6 minutos

É provável que você já tenha ouvido falar do BDR. Ele é o Brazilian Depositary Receipt, ou Recibo Depositário Brasileiro, em português. Em suma, sua função é permitir a exposição de uma carteira de investimentos ao mercado internacional sem sair do Brasil. Mas, você sabe o que é ADR?

O que veremos neste artigo?
O que é ADR?
Como ele funciona?
Quais empresas brasileiras têm ADR no exterior?
Quais são os tipos de ADR?
Qual a diferença entre ADR patrocinado e ADR não-patrocinado?
Quais as vantagens e desvantagens do ADR?
Para quem o investimento pode ser indicado?

O American Depositary Receipt é semelhante ao BDR, mas no mercado estadunidense. Então, se você busca por diversificação e uma melhor gestão de riscos do seu portfólio, pode ser interessante saber mais sobre eles.

Continue lendo para entender o que é ADR e como ele funciona!

O que é ADR?

Em poucas palavras, o ADR diz respeito a títulos americanos lastreados em ativos estrangeiros, especialmente Ações. Ou seja, são recibos de Ações que são emitidos nos Estados Unidos.

Isso ocorre para que seja possível negociar ativos de empresas fora dos EUA nas bolsas americanas. A seguir você entenderá mais sobre o seu funcionamento.

Como ele funciona?

Antes de entender como funciona um ADR, é interessante conhecer o motivo de sua criação. Para tal, é importante considerar que, de maneira geral, a negociação de ativos em países estrangeiros pode ser um pouco complexa.

Ela envolve lidar com preços e moedas diferentes, por exemplo, o que pode gerar desafios. Em vista disso — e para facilitar todo o processo, foi criado o American Depositary Receipt.

Pense em uma empresa brasileira que deseja negociar nas bolsas de Nova York, como a NYSE. Ela pode simplesmente disponibilizar suas Ações, mas nesse caso seria necessário emitir os ativos lá e fazer todo o processo de abertura de capital no país.

Uma forma mais prática é emitir ADRs, que não são as Ações propriamente. Então, ele pode ser comprado ou vendido nos mercados dos EUA, tal qual acontece com outros ativos ou veículos de investimento. Porém, serão lastreados em organizações estrangeiras.

Com isso, um investidor americano passa a poder investir, por exemplo, nas Ações da Petrobras sem estar no Brasil. Isso ocorre por meio de um ADR conhecido pela sigla PBR (Petróleo Brasileiro SA).

Quais empresas brasileiras têm ADR no exterior?

Além da Petrobras, outras empresas brasileiras têm ativos disponíveis nas bolsas americanas. Alguns exemplos incluem:

  • Itaú (ITUB4);
  • Ambev (ABEV3);
  • Vale (VALE3);
  • Bradesco (BBDC4).

É importante ter em mente que não são apenas empresas brasileiras que podem negociar nas bolsas dos EUA. Companhias de outros países também podem ter ADRs. Por isso, o investimento é uma oportunidade para brasileiros que queiram acessar negócios de outras partes do mundo.

Vale destacar também que os tickers (códigos de negociação) dos ativos não costumam ser os mesmos dos papéis negociados no mercado de origem.

Quais são os tipos de ADR?

Existem três níveis de ADR. Eles se diferem por seus impactos em termos de liquidez e requisitos burocráticos. O nível 1 diz respeito ao tipo mais básico de American Depositary Receipt. Assim, tem baixas exigências.

Ele é negociado em mercado de balcão sem a necessidade de registro na SEC (Securities and Exchange Comission) — uma espécie de CVM (Comissão de Valores Mobiliários) norte-americana.

Já o nível 2 exige o registro. Contudo, assim como no nível 1, não é preciso lançar novas Ações no mercado — apenas divulgar informações financeiras. Por fim, o nível 3 é o mais exigente. Ele pede a realização de um IPO (Initial Public Offering) no mercado dos EUA.

Qual a diferença entre ADR patrocinado e ADR não-patrocinado?

Além dos níveis, os ADRs também se dividem em não-patrocinados e patrocinados. O primeiro segue as regras da SEC e as normas contábeis americanas para a emissão do ADR, mas não tem envolvimento da empresa emissora das Ações.

Nesse caso, a iniciativa é da instituição depositária. Ela compra os ativos e emitir os ADRs. Já os certificados patrocinados são emitidos por meio de um acordo feito entre a companhia emissora da Ação e a instituição depositária.

Apesar dessas diferenças, na prática, o investidor adquire os mesmos direitos ao comprar um ADR patrocinado ou não patrocinado. Em ambos os casos os certificados são emitidos se baseando em Ações que ficam sob custódia.

Quais as vantagens e desvantagens do ADR?

Existem tanto elementos positivos quanto negativos de saber o que é ADR e contar com essa opção na carteira.

Saiba mais sobre cada um deles!

Vantagens

Os ADRs podem oferecer vantagens tanto para as empresas quanto para os investidores. No caso das primeiras, o benefício é a visibilidade advinda do maior mercado financeiro do mundo. Ela tende a otimizar a captação de recursos e estimula uma maior liquidez.

Para os investidores, um ponto positivo é ter um investimento simples para Ações estrangeiras. Assim, garantem diversificação sem precisar abrir uma conta em cada país do exterior onde queiram investir.

Por fim, acessam também segurança jurídica ao investir — visto que as empresas de fora operam sob a legislação dos Estados Unidos.

Desvantagens

O investimento em ADR também tem algumas desvantagens, em especial no caso das empresas que desejam ingressar nas bolsas americanas. Uma delas é a burocracia.

Ainda que o nível 1 não seja tão exigente, a falta de registro faz com que muitos investidores não invistam nos American Depositary Receipts. Além disso, emitir certificados envolve custos.

Para o investidor, é importante ficar atento aos riscos. Afinal, há uma exposição a mercados internacionais e os riscos podem ser diferentes dos encontrados no Brasil ou nos EUA.

Para quem o investimento pode ser indicado?

Agora que você sabe o que é ADR, pode ser que se pergunte se ele é ideal para você. A verdade é que essa é uma decisão individual. Em primeiro lugar, porém, é preciso saber que só é possível investir no American Depositary Receipt se você tem dinheiro nos EUA.

Assim, se o seu interesse é comprar Ações de empresas com capital aberto no Brasil ou mesmo de estrangeiras que tenham BDRs aqui, é mais prática fazer seus investimentos na B3. Contudo, se deseja encontrar mais possibilidades no exterior, os ADRs podem ser atraentes.

Por meio deles, é possível se expor a empresas de outros países — como locais na Europa ou Ásia — que não tenham certificados no Brasil.

Agora você sabe o que é o ADR e viu que ele pode ajudar o investidor a diversificar sua carteira. Mas é importante estar atento às características e aos riscos. Isso porque sua exposição será a ativos fora do mercado nacional.

E se você é um brasileiro interessado em investir no exterior, entenda mais sobre o que são os BDRs e conheça essa alternativa!

Relacionados

Existe ETF de bitcoins? Conheça fundos de índice para investir em criptomoedas!

As criptomoedas vêm se destacando no mercado financeiro, atraindo a atenção de diversos investidores. Como consequência, é comum que novas alternativas [...]

Guide Investimentos - 26/11/2021

Quanto vale cada ponto no mini dólar? Tire suas dúvidas!

Os minicontratos de dólar estão entre as alternativas mais procuradas por especuladores que buscam ganhos no curto ou curtíssimo prazo. Porém, [...]

Guide Investimentos - 25/11/2021

Fundo long only: quais as diferenças para outros fundos de ações?

O mercado de renda variável é repleto de alternativas. Por exemplo, você pode investir em ações, FIIs (fundos imobiliários), ETFs (fundos [...]

Guide Investimentos - 24/11/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções