Johnson relaxa algumas restrições, mas ressalta cautela com coronavírus

Tempo de leitura: 1 minuto

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou neste domingo um modesto relaxamento no lockdown do país e estabeleceu um plano para a retirada de mais restrições nos próximos meses. Em discurso televisionado, Johnson disse que, embora pessoas que não consigam trabalhar em casa desejem voltar a seus afazeres, “este não é o momento, simplesmente, de encerrar o lockdown nesta semana”. Ele afirmou que seria “loucura” relaxar muito as restrições e permitir uma segunda onda de casos.

“Nós precisamos continuar a controlar o vírus e a salvar vidas”, afirmou o premiê. O Reino Unido já registrou quase 32 mil mortes ela covid-19 até o domingo e o próprio Johnson contraiu a doença, chegando a ser internado.

Hoje, o premiê disse que os que podem trabalhar em casa devem continuar a fazê-lo, para que aqueles que não podem, como nos setores de construção e industrial, possam ir ao trabalho a partir desta semana. Porém ele afirmou que esses grupos não devem usar o transporte público e precisam manter o distanciamento físico durante o trabalho.

A partir de quarta-feira, o governo britânico permitirá também que as pessoas se exercitem nas ruas sem restrições. As pessoas ainda poderão tomar sol, dirigir para outros destinos e praticar esportes, mas apenas com membros da mesma residência. Johnson disse que todos precisam continuar a manter a distância física recomendada e que podem ser elevadas as multas em caso de violação. Ele apresentou um “plano condicional” para relaxar outras restrições nos próximos meses, como a reabertura de lojas e a possível volta às aulas para algumas crianças mais novas a partir de 1° de junho.

O primeiro-ministro mostrou esperança de que alguns segmentos de hospitalidade e mais espaços públicos possam ser reabertos um mês depois, contanto que estejam seguros e garantam o distanciamento físico. Ele disse desejar passar uma “percepção sobre o que vem pela frente” e sobre “como e em que base as decisões devem ser tomadas”. Segundo ele, nos próximos um a dois meses, o governo não será movido pela “mera esperança ou a necessidade econômica”, mas “pela ciência, pelos dados e pela saúde pública”. Fonte: Associated Press.

Relacionados

Índia bate recorde de casos e enfrenta carência de vacinas contra covid-19

Maior produtor de vacinas do mundo, a Índia enfrenta problemas em sua produção de imunizantes contra a covid-19, com milhões de [...]

Estadão - 18/04/2021

Terremoto de magnitude 5,9 atinge sul do Irã, diz agência estatal

Um terremoto de magnitude 5,9 na escala Richter atingiu as províncias de Bushehr e Fars, no sul do Irã, neste domingo, [...]

Estadão - 18/04/2021

França quer diálogo mas apoia sanções à Rússia por 'comportamento inaceitável'

O presidente da França, Emmanuel Macron, defendeu que outros países mantenham diálogo com a Rússia, mas também apoiou sanções contra o [...]

Estadão - 18/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções