Prefeito de Porto Alegre diz que não vai depor em audiência de impeachment

Tempo de leitura: 1 minuto

O prefeito de Porto Alegre e candidato à reeleição, Nelson Marchezan Jr. (PSDB), afirmou que não comparecerá à reunião da Comissão Processante de Impeachment na Câmara Municipal de Porto Alegre agendada nesta sexta-feira (23) às 9h para ouvi-lo a respeito do processo de afastamento que sofre.

Pelo Twitter, Marchezan afirmou: “na expectativa de um mínimo de razoabilidade da comissão, não prestarei meu depoimento nesta sexta-feira, aguardando que se esgotem as oitivas prévias a que tenho direito”. “Reitero que, no momento legal adequado, faço questão de prestar meu depoimento perante a comissão e esclarecer à população de Porto Alegre todo o esquema montado para promover o impeachment e os interesses obscuros envolvidos”, afirmou o prefeito.

Segundo Marchezan, os vereadores da capital gaúcha cometem “mais um atropelo do devido processo legal, da normalidade e do bom senso” ao decidirem que o prefeito deveria se manifestar antes dos denunciantes. De acordo com o prefeito, os legisladores são movidos por “fins eleitorais e não por justiça” e cometem “mais uma excrescência”.

“Além do mais, a Comissão, em conluio com o candidato Fortunati (PTB), o Deputado Dziedrick (PTB) e o ex-diretor do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP) e da Câmara de Vereadores Tarso Boelter (PP), cerceiam meu direito de ouvir pelo menos 10 testemunhas”, afirmou também Marchezan.

Impeachment

Desde agosto, a Câmara de Porto Alegre analisa os gastos da Prefeitura com publicidade em Saúde, quando decidiu pela admissibilidade do processo de impeachment contra Marchezan. Caso a admissibilidade seja aprovada, Marchezan pode ter sua candidatura contestada na Justiça Eleitoral.

Relacionados

PSOL vai ao STF por suspensão de reintegrações de posse e despejos na pandemia

O PSOL entrou com ação no Supremo Tribunal Federal nesta quarta, 14, pedindo que a corte determine a suspensão de toda [...]

Estadão - 14/04/2021

MPF aciona Pazuello e secretário de saúde do AM por colapso do oxigênio em Manaus

O Ministério Público Federal apresentou ação de improbidade administrativa contra o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e o secretário estadual de [...]

Estadão - 14/04/2021

Lentidão e omissões de Pazuello contribuíram para colapso em Manaus, aponta MPF

Uma série de omissões do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e a lentidão de resposta da pasta ao avanço da covid [...]

Estadão - 14/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções