Toffoli nega pedido para derrubar afastamento de Witzel

Tempo de leitura: 1 minuto

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta quarta-feira, 9, um pedido apresentado pela defesa de Wilson Witzel (PSC) para suspender seu afastamento do governo do Rio de Janeiro. No despacho, o presidente do Supremo lembrou que a decisão liminar de tirar Witzel do cargo por 180 dias, tomada pelo ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça, foi posteriormente referendada pelo plenário do STJ.

O principal argumento da defesa para tentar a recondução do governador foi apoiado justamente no questionamento à decisão monocrática. “Essa alteração substancial no quadro jurídico-processual, inicialmente apresentado, acarretou, na esteira de precedentes, a perda superveniente do interesse processual”, escreveu Toffoli.

O governador do Rio foi denunciado por participação em um esquema de corrupção envolvendo supostas fraudes em compras e contratações pelo Estado. O Ministério Público Federal (MPF) chegou a pedir a prisão de Witzel, negada pelo STJ. O afastamento, por sua vez, foi determinado “para fazer cessar as supostas atividades de corrupção e lavagem de dinheiro” investigadas.

Relacionados

Bolsonaro nomeia coronel André de Sousa Costa como novo chefe da Secom

O presidente da República, Jair Bolsonaro, nomeou nesta sexta-feira, 16, o coronel da Polícia Militar André de Sousa Costa como novo [...]

Estadão - 16/04/2021

Mandatos coletivos tentam virar frente e forçar lobby no TSE

Em 2020, três meses após a eleição do mandato "A Coletiva", do PT de Belo Horizonte, a titular da chapa renunciou. [...]

Estadão - 16/04/2021

Supremo começa a julgar decretos de Bolsonaro que ampliam acesso a armas

O Supremo Tribunal Federal (STF) começa a decidir nesta sexta-feira, 16, sobre a constitucionalidade dos quatro decretos editados em fevereiro pelo [...]

Estadão - 16/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções