Guedes: Levou uma pandemia para aprendermos a controlar o orçamento

Tempo de leitura: 1 minuto

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse neste domingo, 21, que foi preciso chegar uma pandemia com impactos severos sobre a economia para que houvesse atenção com o destino dos recursos públicos. Durante live realizada pelo Parlatório, organização sem fins lucrativos, ele também comentou que a covid-19 é uma “guerra biológica”.

“Foi preciso chegar uma guerra no Brasil para aprendermos que a essência da política é alocar recursos”, afirmou. No início da apresentação, Guedes rememorou os primeiros anos do governo de Jair Bolsonaro e disse que a determinação da equipe econômica sempre foi controlar gastos. Lembrou que a reforma previdenciária foi aprovada no primeiro ano do mandato e que houve a execução do teto de crescimento dos gastos.

O ministro, afirmou, porém, que o piso continuou a subir, dificultando a manobra do orçamento. “Levou uma pandemia para aprendermos a controlar o orçamento”, disse. Segundo ele, no ano passado não faltou dinheiro para Saúde, mas que foi preciso fazer desvinculações orçamentárias.

Para Guedes, é preciso conter despesas e evitar gastos em todas as direções. Ele disse que isso se torna mais fundamental em momentos de crises exógenas, quando os recursos precisam estar disponíveis. Como exemplos, citou catástrofes naturais, guerras armadas ou mesmo “guerra biológica como o coronavírus”.

Guedes afirmou ainda que a política deu boa resposta à pandemia e o governo conseguiu fazer seu contra ataque. Ele disse que, inicialmente, apresentou auxílio emergencial no valor de R$ 200, acreditando que o Congresso aumentasse o valor para R$ 400. “Mas chegaram a R$ 600. Evidente que se fossem aqueles R$ 400, poderia durar muito mais tempo”, afirmou.

Mesmo assim, Guedes disse que a equipe econômica o tempo todo manteve “o Norte, a bússola”. Sobre as reformas futuras, disse que a política dá o timing das mudanças.

Participam do encontro virtual o ex-Secretário Nacional de Segurança Pública e ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência, General Santos Cruz, o médico Raul Cutait, a jurista Ellen Gracie, os empresários Abilio Diniz, Luiza Trajano, Jorge Gerdau, Flavio Rocha, o ex-ministro da Fazenda e atual diretor do Banco Safra, Joaquim Levy, além do também ex-ministro Luiz Furlan.

Relacionados

Bolsas de NY fecham em baixa, com pressão por notícia de elevação de imposto

As bolsas de Nova York fecharam em queda. Além de um movimento aparente de realização de lucros após ganhos recentes, no [...]

Estadão - 22/04/2021

Abinee: falta de componentes gera atrasos em mais fábricas de eletroeletrônicos

Apesar de alguns sinais de melhora no abastecimento das fábricas, a indústria de eletroeletrônicos continua enfrentando dificuldade na compra de materiais [...]

Estadão - 22/04/2021

Petróleo fecha em leve alta após quedas recentes

Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve alta nesta quinta-feira, após quedas recentes, observando sinalizações sobre a demanda. O avanço [...]

Estadão - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções