FecomercioSP: índice de estoques diminuiu 3,6% neste mês

Tempo de leitura: 2 minutos

O Índice de Estoques (IE) do varejo paulistano de dezembro apresentou uma queda de 3,6% na comparação com o mês anterior, segundo dados da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). O número vinha crescendo desde agosto, quando atingiu o patamar mais baixo desde maio de 2016. Na comparação com dezembro de 2019, o IE cedeu 18,57%, de 124,33 para 101,23 pontos.

Em relação a novembro, o número de empresários que consideram ter estoques adequados diminuiu de 52,2% para 50,4%, a menor razão do último trimestre. Já os que dizem ter estoques abaixo do necessário subiu de 11,9% para 12,5%, voltando à marca registrada em outubro.

Por outro lado, os empresários que consideram seus estoques acima do adequado cresceram de 35,4% do total em novembro para 36,7% neste mês, o terceiro maior nível atingido neste ano, ficando atrás somente de agosto e setembro, com 37.8% e 37.7%, respectivamente.

Tamanho

As empresas de grande porte tiveram um crescimento de 12,5% no índice entre novembro e dezembro, de 103,4 para 116.4 pontos. É o primeiro crescimento no IE do setor desde agosto de 2020. A proporção das empresas que veem estoques adequados aumentou de 51,7% para 58,2%. Já as que percebem seus estoques acima do adequado cedeu de 24,1% em novembro para 19,4% neste mês, a menor marca do trimestre. A proporção dos que veem seus estoques abaixo do adequado também diminuiu, de 24,1% para 22,4%, voltando aos níveis registrados em junho de 2020.

Após três meses de crescimentos, os pequenos varejistas percebem uma menor adequação de estoques neste mês. O IE do grupo cedeu 3,9% em relação a novembro, de 105 para 100,9 pontos. A proporção de empresas que veem os estoques como adequados diminuiu de 52,2% para 50,2%. A percepção de estoques acima do adequado subiu de 35,6% para 37%, assim como a de estoques abaixo do ideal, que foi de 11,6% em novembro para 12,3% neste mês.

Setores

As varejistas de bens semi duráveis tiveram uma queda de 10,7% no IE de dezembro em relação a novembro, atingindo o pior desempenho desde agosto de 2020. A razão das empresas que veem seus estoques adequados cedeu de 47% para 42,1%, enquanto a proporção das que enxergam estoques acima do ideal subiu de 29,3% para 35,3%, alcançando o maior registro do ano. A razão das que veem estoques abaixo do adequado caiu de 21,8% para 21,1%.

O setor de bens duráveis apresentou um crescimento de 1,2% no seu IE. Houve aumento na percepção de estoques adequados de 50,6% em novembro para 51,3% neste mês. O setor registrou queda na avaliação de estoques acima do adequado, de 40,6% para 40%, enquanto a percepção de estoques abaixo do adequado demonstrou estabilidade e permaneceu em 8,8%.

As empresas de bens não duráveis tiveram uma queda de 3% no IE, em relação a novembro. A percepção sobre estoques adequados encolheu de 58,6% para 56,8%, enquanto a razão das que veem estoques acima do ideal caiu de 31,7% para 30,8%. Já a razão das empresas que avaliam seus estoques como abaixo do adequado cresceu de 9,8% para 12,4%.

Relacionados

Bolsas de NY fecham em baixa, com pressão por notícia de elevação de imposto

As bolsas de Nova York fecharam em queda. Além de um movimento aparente de realização de lucros após ganhos recentes, no [...]

Estadão - 22/04/2021

Abinee: falta de componentes gera atrasos em mais fábricas de eletroeletrônicos

Apesar de alguns sinais de melhora no abastecimento das fábricas, a indústria de eletroeletrônicos continua enfrentando dificuldade na compra de materiais [...]

Estadão - 22/04/2021

Petróleo fecha em leve alta após quedas recentes

Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve alta nesta quinta-feira, após quedas recentes, observando sinalizações sobre a demanda. O avanço [...]

Estadão - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções