Bom humor externo garante retomada do Ibovespa apesar de quadro político incômodo

Tempo de leitura: 2 minutos

O Ibovespa abriu o pregão em alta e tenta caminhar para encerrar a segunda semana consecutiva com valorização. Os ganhos nas bolsas europeias e nos EUA são sustentados por sinais de que os Estados Unidos estariam se preparando para retomar as atividades após o isolamento social por causa pela pandemia de coronavírus. Informações de que um novo medicamento contra a doença estaria tendo êxito também reforça o otimismo, que ainda ganha respaldo de uma queda menos intensa (-6,8%) que a esperada (-8,3%) do Produto Interno Bruto (PIB) chinês no primeiro trimestre. Porém, a instabilidade política segue no radar do investidor.

Mas o mercado acionário local deve acompanhar os internacionais, diz Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença DTVM. Conforme ele, a questão política deve ficar em segundo plano, mas “não que deixará de ser acompanhada.”

Após a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde e o anúncio do oncologista Nelson Teich como novo titular da pasta, ontem, o presidente Jair Bolsonaro atacou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Em seguida, deputados de centro, direita e esquerda se solidarizaram com Maia.

Talvez, avalia a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, essa instabilidade nem atrapalhe o desempenho do mercado acionário no curto prazo, mas acaba por afetar a curva de juros. No entanto, gera desconfiança no investidor dada a incerteza que esse desconforto político poderá gerar nas contas públicas e nas empresas.

Com a alta das bolsas externas e por ser o último dia da semana, Camila acredita que o bom humor internacional deve prevalecer e impulsionar o Ibovespa.

A despeito de o presidente dos EUA, Donald Trump, não ter definido uma data para a reabertura do país e do aumento de casos e de mortes por lá, a economista explica que o mercado tenta se apoiar nas notícias positivas. “Está sem referência, vai buscando no cotidiano algo para se apoiar. Nem sempre conseguimos entender o movimento dos mercados, mas, como caiu bastante, muitos setores tentam uma recomposição”, avalia.

Porém, volta a ponderar que a instabilidade política pode ser um problema ainda maior no futuro do que a pandemia em si. Ela lembra que o DEM, partido ao qual o ex-ministro Mandetta é filiado, também é o mesmo dos representantes da Câmara (Rodrigo Maia) e do Senado (Davi Alcolumbre). “Pode se criar um problema estrutural à frente, limitador para a economia, para as empresas. Parece que temos um jogo político”, avalia.

Às 10h44, o Ibovespa subia 1,85%, aos 79.254,92 pontos. Até o momento, acumula alta de 2,28% na semana. Dos 73 papéis da carteira do índice, apenas cinco cedia, com destaque para Equatorial ON, que cedia 0,65%.

Relacionados

Peru: com 90% da apuração, resultado sugere Castillo e Fujimori em 2º turno

A apuração dos votos no primeiro turno à presidência continua a ocorrer no Peru, após o sufrágio do domingo. Com 90,040% [...]

Estadão - 12/04/2021

Em assembleia tensa, acionistas da Petrobras destituem Castello Branco

O governo venceu a batalha com o mercado financeiro e conseguiu eleger 7 dos 8 nomes que indicou ao conselho da [...]

Estadão - 12/04/2021

Taiwan reporta atividade da China em seu espaço aéreo

O Ministério da Defesa de Taiwan registrou uma série de atividades chinesas na ilha nesta segunda-feira, 12, seguindo um reforço dos [...]

Estadão - 12/04/2021

Bom humor externo garante retomada do Ibovespa apesar de quadro político incômodo

Tempo de leitura: 2 minutos

O Ibovespa abriu o pregão em alta e tenta caminhar para encerrar a segunda semana consecutiva com valorização. Os ganhos nas bolsas europeias e nos EUA são sustentados por sinais de que os Estados Unidos estariam se preparando para retomar as atividades após o isolamento social por causa pela pandemia de coronavírus. Informações de que um novo medicamento contra a doença estaria tendo êxito também reforça o otimismo, que ainda ganha respaldo de uma queda menos intensa (-6,8%) que a esperada (-8,3%) do Produto Interno Bruto (PIB) chinês no primeiro trimestre. Porém, a instabilidade política segue no radar do investidor.

Mas o mercado acionário local deve acompanhar os internacionais, diz Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença DTVM. Conforme ele, a questão política deve ficar em segundo plano, mas “não que deixará de ser acompanhada.”

Após a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde e o anúncio do oncologista Nelson Teich como novo titular da pasta, ontem, o presidente Jair Bolsonaro atacou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Em seguida, deputados de centro, direita e esquerda se solidarizaram com Maia.

Talvez, avalia a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, essa instabilidade nem atrapalhe o desempenho do mercado acionário no curto prazo, mas acaba por afetar a curva de juros. No entanto, gera desconfiança no investidor dada a incerteza que esse desconforto político poderá gerar nas contas públicas e nas empresas.

Com a alta das bolsas externas e por ser o último dia da semana, Camila acredita que o bom humor internacional deve prevalecer e impulsionar o Ibovespa.

A despeito de o presidente dos EUA, Donald Trump, não ter definido uma data para a reabertura do país e do aumento de casos e de mortes por lá, a economista explica que o mercado tenta se apoiar nas notícias positivas. “Está sem referência, vai buscando no cotidiano algo para se apoiar. Nem sempre conseguimos entender o movimento dos mercados, mas, como caiu bastante, muitos setores tentam uma recomposição”, avalia.

Porém, volta a ponderar que a instabilidade política pode ser um problema ainda maior no futuro do que a pandemia em si. Ela lembra que o DEM, partido ao qual o ex-ministro Mandetta é filiado, também é o mesmo dos representantes da Câmara (Rodrigo Maia) e do Senado (Davi Alcolumbre). “Pode se criar um problema estrutural à frente, limitador para a economia, para as empresas. Parece que temos um jogo político”, avalia.

Às 10h44, o Ibovespa subia 1,85%, aos 79.254,92 pontos. Até o momento, acumula alta de 2,28% na semana. Dos 73 papéis da carteira do índice, apenas cinco cedia, com destaque para Equatorial ON, que cedia 0,65%.

Relacionados

Peru: com 90% da apuração, resultado sugere Castillo e Fujimori em 2º turno

A apuração dos votos no primeiro turno à presidência continua a ocorrer no Peru, após o sufrágio do domingo. Com 90,040% [...]

Estadão - 12/04/2021

Em assembleia tensa, acionistas da Petrobras destituem Castello Branco

O governo venceu a batalha com o mercado financeiro e conseguiu eleger 7 dos 8 nomes que indicou ao conselho da [...]

Estadão - 12/04/2021

Taiwan reporta atividade da China em seu espaço aéreo

O Ministério da Defesa de Taiwan registrou uma série de atividades chinesas na ilha nesta segunda-feira, 12, seguindo um reforço dos [...]

Estadão - 12/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções