Após países flexibilizarem lockdown e registrarem novos casos, OMS pede cautela

Tempo de leitura: 2 minutos

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, fez um novo alerta nesta segunda-feira, 11, para que os países que estejam flexibilizando os confinamentos e lockdowns impostos no início da pandemia o façam de maneira gradual e cautelosa, pois é um processo difícil, sem resultados conhecidos e que requer aprendizado diário.

Tedros citou que, no fim de semana, foram vistos os primeiros desafios de reduzir as medidas de restrição de movimentação de pessoas em países como Alemanha, China e Coreia do Sul, com novos casos ressurgindo.

“No fim de semana, vimos sinais dos desafios que podem surgir pela frente. Na Coreia do Sul, bares e clubes foram fechados porque um caso de covid-19 foi confirmado e houve muitos contatos rastreados. Em Wuhan, foi identificado o primeiro cluster de casos desde que o lockdown foi suspenso. E a Alemanha também relatou aumento de casos desde o alívio das restrições”.

Tedros destacou que os países precisam responder três perguntas antes de pensar na flexibilização: a epidemia está sob controle? O sistema de vigilância de saúde pública é capaz de detectar e gerenciar novos casos e identificar um ressurgimento da pandemia? O sistema de saúde pode lidar com os novos casos que eventualmente surjam após o relaxamento de medidas?

Tedros disse que os três países têm sistemas para detectar e atuar contra o ressurgimento dos casos, mas esse pode não ser o caso de outras nações. “Uma redução das medidas lenta e constante é essencial para estimular as economias e vigiar o vírus, de modo que medidas de controle possam ser implementadas rapidamente (caso necessário)”.

O diretor da entidade comentou ainda que está havendo sucesso em reduzir a velocidade do vírus e em salvar vidas. “Essas medidas fortes têm um custo e reconhecemos o sério impacto socioeconômico dos lockdowns, que tiveram um efeito prejudicial na vida de muitas pessoas”, reconheceu. “Muitos usaram esse tempo para aumentar sua capacidade de testar, rastrear, isolar e cuidar dos pacientes contaminados, que é a melhor maneira de rastrear o vírus, retardar sua disseminação e aliviar a pressão nos sistemas de saúde”.

“O risco de contágio continua alto”, salientou Michael Ryan, diretor do programa de emergências da OMS. Segundo ele, os países ainda estão “com os olhos vendados” por não saberem exatamente como serão os resultados dessa flexibilização. Por isso, é preciso que haja dados, parâmetros e acompanhamento intenso na reabertura.

Nesta segunda, países como França, Espanha e Alemanha reduziram o nível de confinamento vigente. Na Espanha e na Alemanha, as medidas já vêm sendo aliviadas rapidamente, enquanto milhões de franceses puderam deixar suas casas sem uma declaração pela primeira vez em quase dois meses.

Relacionados

Em viagem à América do Sul que exclui Brasil, enviados de Biden visitam Colômbia

Autoridades dos Estados Unidos realizaram uma visita oficial à Colômbia nesta segunda-feira, 12. Os enviados especiais do presidente americano, Joe Biden, [...]

Estadão - 12/04/2021

Biden sinaliza abordagem mais ampla para pacote de infraestrutura

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta segunda-feira, 12, que está disponível para "negociar" seu pacote de investimentos e [...]

Estadão - 12/04/2021

EUA e Itália discutem Ucrânia e investimento verde para a criação de empregos

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, e o ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi di Maio, discutiram [...]

Estadão - 12/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções