Ouro fecha em alta, com dúvidas na recuperação e risco de nova onda de covid-19

Tempo de leitura: 1 minuto

O contrato de ouro mais líquido fechou com ganhos nesta sexta-feira, 19, apesar do apetite por risco em alta em parte do pregão nos mercados acionários, com a retomada de conversas entre China e Estados Unidos e a notícia de que os chineses vão voltar a comprar mais commodities agrícolas dos fazendeiros americanos, recuperando o que estava acordado na “fase 1” do pacto comercial entre as nações. As dúvidas sobre a recuperação da economia no pós-covid, além de ameaças de uma segunda onda de infecções – com casos aumentando nos EUA e na China – continuaram a beneficiar o metal precioso.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange, o ouro para agosto encerrou em alta de 1,26%, a US$ 1.753,00 a onça-troy. Já na comparação semanal, houve avanço de 0,90%.

Apesar do fechamento em alta nesta sexta, a demanda por ouro é bastante moderada no momento, aponta Carsten Fritsch, economista do Commerzbank, “se a procura por ETFs for deixada de fora da equação”, complementa.

Para Fritsch, o comportamento do ouro esta semana foi caracterizado por uma “negociação de lado sem sentido”. “Atualmente, existe uma falta de convicção para permitir uma ruptura maior, enquanto a compra com preços mais baixos está impedindo uma queda maior” do metal, afirma analista do banco alemão.

Já os economistas da Goldman Sachs escreveram hoje que “a demanda por investimentos em ouro tende a crescer no estágio inicial da recuperação econômica, impulsionada por preocupações contínuas de degradação e taxas de juros mais baixas”.

“Simultaneamente, vemos um retorno material da demanda do consumidor de mercados emergentes, impulsionado pelo alívio de bloqueios e por um dólar mais fraco”, avalia o banco.

Relacionados

Bolsonaro: fim à discriminação salarial pode piorar situação de mulheres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sugeriu que arranjar emprego pode se tornar "quase impossível" para as mulheres, caso ele sancione [...]

Estadão - 22/04/2021

Bolsonaro diz que críticas à política ambiental do seu governo não se justificam

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avaliou mais uma vez como injustas as críticas que o Brasil sofre por causa da [...]

Estadão - 22/04/2021

Na Cúpula do Clima, FMI pede preço robusto para o carbono

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, pediu nesta quinta-feira, 22, que se imponha um preço robusto sobre o [...]

Estadão - 22/04/2021

Ouro fecha em alta, com dúvidas na recuperação e risco de nova onda de covid-19

Tempo de leitura: 1 minuto

O contrato de ouro mais líquido fechou com ganhos nesta sexta-feira, 19, apesar do apetite por risco em alta em parte do pregão nos mercados acionários, com a retomada de conversas entre China e Estados Unidos e a notícia de que os chineses vão voltar a comprar mais commodities agrícolas dos fazendeiros americanos, recuperando o que estava acordado na “fase 1” do pacto comercial entre as nações. As dúvidas sobre a recuperação da economia no pós-covid, além de ameaças de uma segunda onda de infecções – com casos aumentando nos EUA e na China – continuaram a beneficiar o metal precioso.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange, o ouro para agosto encerrou em alta de 1,26%, a US$ 1.753,00 a onça-troy. Já na comparação semanal, houve avanço de 0,90%.

Apesar do fechamento em alta nesta sexta, a demanda por ouro é bastante moderada no momento, aponta Carsten Fritsch, economista do Commerzbank, “se a procura por ETFs for deixada de fora da equação”, complementa.

Para Fritsch, o comportamento do ouro esta semana foi caracterizado por uma “negociação de lado sem sentido”. “Atualmente, existe uma falta de convicção para permitir uma ruptura maior, enquanto a compra com preços mais baixos está impedindo uma queda maior” do metal, afirma analista do banco alemão.

Já os economistas da Goldman Sachs escreveram hoje que “a demanda por investimentos em ouro tende a crescer no estágio inicial da recuperação econômica, impulsionada por preocupações contínuas de degradação e taxas de juros mais baixas”.

“Simultaneamente, vemos um retorno material da demanda do consumidor de mercados emergentes, impulsionado pelo alívio de bloqueios e por um dólar mais fraco”, avalia o banco.

Relacionados

Bolsonaro: fim à discriminação salarial pode piorar situação de mulheres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sugeriu que arranjar emprego pode se tornar "quase impossível" para as mulheres, caso ele sancione [...]

Estadão - 22/04/2021

Bolsonaro diz que críticas à política ambiental do seu governo não se justificam

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avaliou mais uma vez como injustas as críticas que o Brasil sofre por causa da [...]

Estadão - 22/04/2021

Na Cúpula do Clima, FMI pede preço robusto para o carbono

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, pediu nesta quinta-feira, 22, que se imponha um preço robusto sobre o [...]

Estadão - 22/04/2021

Ouro fecha em alta, com dúvidas na recuperação e risco de nova onda de covid-19

Tempo de leitura: 1 minuto

O contrato de ouro mais líquido fechou com ganhos nesta sexta-feira, 19, apesar do apetite por risco em alta em parte do pregão nos mercados acionários, com a retomada de conversas entre China e Estados Unidos e a notícia de que os chineses vão voltar a comprar mais commodities agrícolas dos fazendeiros americanos, recuperando o que estava acordado na “fase 1” do pacto comercial entre as nações. As dúvidas sobre a recuperação da economia no pós-covid, além de ameaças de uma segunda onda de infecções – com casos aumentando nos EUA e na China – continuaram a beneficiar o metal precioso.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange, o ouro para agosto encerrou em alta de 1,26%, a US$ 1.753,00 a onça-troy. Já na comparação semanal, houve avanço de 0,90%.

Apesar do fechamento em alta nesta sexta, a demanda por ouro é bastante moderada no momento, aponta Carsten Fritsch, economista do Commerzbank, “se a procura por ETFs for deixada de fora da equação”, complementa.

Para Fritsch, o comportamento do ouro esta semana foi caracterizado por uma “negociação de lado sem sentido”. “Atualmente, existe uma falta de convicção para permitir uma ruptura maior, enquanto a compra com preços mais baixos está impedindo uma queda maior” do metal, afirma analista do banco alemão.

Já os economistas da Goldman Sachs escreveram hoje que “a demanda por investimentos em ouro tende a crescer no estágio inicial da recuperação econômica, impulsionada por preocupações contínuas de degradação e taxas de juros mais baixas”.

“Simultaneamente, vemos um retorno material da demanda do consumidor de mercados emergentes, impulsionado pelo alívio de bloqueios e por um dólar mais fraco”, avalia o banco.

Relacionados

Bolsonaro: fim à discriminação salarial pode piorar situação de mulheres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sugeriu que arranjar emprego pode se tornar "quase impossível" para as mulheres, caso ele sancione [...]

Estadão - 22/04/2021

Bolsonaro diz que críticas à política ambiental do seu governo não se justificam

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avaliou mais uma vez como injustas as críticas que o Brasil sofre por causa da [...]

Estadão - 22/04/2021

Na Cúpula do Clima, FMI pede preço robusto para o carbono

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, pediu nesta quinta-feira, 22, que se imponha um preço robusto sobre o [...]

Estadão - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções