Comitê contra a pandemia liderado por Bolsonaro se reúne pela 1ª vez nesta quarta

Tempo de leitura: 1 minuto

O comitê de combate à covid-19 criado pelo governo federal se reúne pela primeira vez nesta quarta-feira, 31. O grupo é liderado pelo presidente Jair Bolsonaro e foi anunciado na semana passada após reunião com representantes dos três Poderes, ministros e governadores aliados ao governo. A reunião do colegiado ocorre no Palácio do Planalto a partir das 9h.

O Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentando da Pandemia da Covid-19 é formado pelo presidente Bolsonaro, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), além de um membro observante indicado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O Ministério da Saúde participa como responsável pela Secretaria-Executiva do colegiado.

O grupo foi criado após o País registrar altas recordes no número de mortes pelo novo coronavírus neste mês. O cenário na saúde é de colapso de várias redes hospitalares. Há registros de falta de leitos hospitalares e medicamentos para a intubação de pacientes.

Como resposta, governadores e prefeitos têm intensificado medidas restrição inclusive com toques de recolher para evitar a maior contaminação pelo vírus. O presidente Jair Bolsonaro, contudo, mantém o posicionamento contrário às medidas de fechamento, recomendadas por especialistas, por conta do impacto na economia.

No comitê, o presidente do Senado é responsável por intermediar as demandas de governadores, com quem se reuniu na semana passada. Quando o grupo foi anunciado, os chefes estaduais e prefeitos cobraram uma participação direta no colegiado. Também houve críticas ao governo por ter estabelecido o comitê um ano após o início da pandemia da covid-19 no Brasil.

Nesta terça-feira, 30, o País registrou novo recorde de mortes no período de 24h, com 3.668 óbitos causados pelo vírus, de acordo com dados do consórcio de veículos de imprensa. O total de vidas perdidas no Brasil pela doença ultrapassa 317 mil. O mês de março já tem mais do que o dobro de mortes do que julho do ano passado, que até então havia sido o pior mês da pandemia no País. Em relação à vacinação, quase 17 milhões de pessoas, 8% da população, receberam pelo menos a primeira dose do imunizante.

Relacionados

TCU absolve Dilma e Palocci por irregularidade na compra da refinaria de Pasadena

O Tribunal de Contas da União (TCU) absolveu a ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci do rol [...]

Estadão - 14/04/2021

Pacheco: Presidência do Senado ainda definirá data de instalação da CPI da Covid

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que ainda definirá a data de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) [...]

Estadão - 14/04/2021

Governo vai trocar novamente chefe da Secom

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, fará nova troca na Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom). Nomeado interinamente para a chefia [...]

Estadão - 14/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções