Para Lemann, crise traz oportunidade

Tempo de leitura: 1 minuto

O bilionário Jorge Paulo Lemann, um dos sócios do fundo 3G – controlador de gigantes como AB InBev, Kraft Heinz e Burger King- disse que fez seus melhores negócios em momentos de crise. Conhecido pelas aquisições ousadas, Lemann afirmou que as empresas, é claro, precisam tomar medidas para sobreviverem nesse período, buscando melhorar o caixa e ampliar a eficiência, mas que são nessas ocasiões que surgem muitas oportunidades.

“Todas as crises por que eu passei foram duras e eu sofri, não sabia como chegaria ao fim, mas alguma oportunidade apareceu”, comentou, em evento online promovido pelo Fórum da Liberdade.

De acordo com ele, foi assim, em 1971, com a compra de uma pequena corretora, a Garantia, que se tornou o Banco Garantia.

Outro exemplo foi a aquisição em 1981 das Lojas Americanas, ao lado de seus sócios no 3G Marcel Telles e Carlos Alberto Sucupira. “Nessa época ninguém queria comprar ativos”, comentou.

Foi o mesmo com aquisição da cervejaria Brahma, que marcou o início do império das bebidas do trio. Lemann citou, ainda, que foi em meio à crise financeira de 2008 que veio a compra da Anheuser-Busch.

“Acho que a oportunidade não é apenas comprar barato, é que certas coisas que não estavam disponíveis passam a ficar, passamos a olhar os negócios em formatos diferentes e a operar de formas diferentes”, comentou.

Atraso

Com os negócios digitais ganhando destaque durante pandemia, Lemann voltou a admitir que a 3G está atrasada nesse sentido, muito por conta do tipo de negócio investido, mas que as empresas no portfólio estão se atualizando, como Lojas Americanas e B2W.

No setor de cervejas, disse, já há teste de entrega mais rápida, com países com plataformas para contato direto com os clientes. “Começa a gerar informação e ficamos em condições de servir melhor o cliente. Estamos correndo atrás em todas as nossas empresas. Acho que começamos atrasados mas vamos chegar lá”, afirmou.

Para Lemann, um dos problemas que mais afetam o Brasil nos últimos anos é a polarização. “Nada é muito resolvido, nada anda. Esperaria que essa crise gerasse mais bom senso, mais pragmatismo para resolver nossos problemas.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Relacionados

Em discurso, Putin diz que qualquer nação que ameaçar a Rússia se arrependerá

Em seu tradicional discurso anual, nesta quarta-feira, 21, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, fez várias ameaças ao Ocidente, mas, apesar [...]

Estadão - 21/04/2021

Pregão volátil de mercados internacionais não afeta apetite por risco das bolsas

Os mercados internacionais tiveram um pregão volátil nesta quarta-feira, 21, feriado de Tiradentes no Brasil. Durante boa parte do dia, a [...]

Estadão - 21/04/2021

Oi quer incorporar Telemar e braço da BrT para continuar recuperação judicial

A Oi, atualmente em recuperação judicial, propôs aos acionistas duas reorganizações em sua estrutura societária necessárias para levar adiante o plano [...]

Estadão - 21/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções