Polícia do Senado ouve Filipe Martins e avalia indiciá-lo

Tempo de leitura: 1 minuto

O assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência, Filipe Martins, prestou depoimento na tarde desta quarta-feira, 7, na Polícia Legislativa do Senado. O Estadão/Broadcast apurou que o órgão avalia indiciá-lo pelo gesto controverso feito com a mão durante uma sessão da Casa no último dia 24.

Martins dá expediente no Palácio do Planalto e integra a ala ideológica do governo de Jair Bolsonaro. Sentado atrás do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o assessor de Assuntos Internacionais da Presidência provocou polêmica ao juntar as pontas do indicador e do polegar, como num sinal de “Ok”, estendendo os três dedos restantes e movimentando a mão para cima e para baixo. O gesto é usado por extremistas e associado a símbolos de ódio.

Mais tarde, no mesmo dia, Martins negou que tenha sido essa sua intenção e alegou que apenas ajeitava a lapela do próprio terno. “Um aviso aos palhaços que desejam emplacar a tese de que eu, um judeu, sou simpático ao ‘supremacismo branco’ porque em suas mentes doentias enxergaram um gesto autoritário numa imagem que me mostra ajeitando a lapela do meu terno: serão processados e responsabilizados; um a um”, escreveu o assessor de Bolsonaro.

Caso seja indiciado, uma acusação contra Martins será encaminhada ao Ministério Público, que pode denunciá-lo na Justiça. A Polícia Legislativa avalia se gesto feito pelo assessor de Bolsonaro foi obsceno, ofensivo ou até mesmo racista.

Relacionados

Vice-líder do governo diz que Planalto falhou ao não conseguir maioria em CPI

O senador Jorginho Mello (PL-SC), vice-líder do governo no Congresso, afirmou que o Palácio do Planalto falhou na articulação política na [...]

Estadão - 23/04/2021

PF de Bolsonaro prende e apura menos

No governo Jair Bolsonaro, a Polícia Federal faz menos operações, prende menos bandidos e apreende menos armas do que no último [...]

Estadão - 23/04/2021

Pazuello é transferido para Secretaria Geral do Exército

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello foi transferido para a Secretaria-Geral do Exército. Com isso, o general deixou de estar ligado [...]

Estadão - 23/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções