Cotações por TradingView

Quais as diferenças entre mercado primário e secundário?

Tempo de leitura: 6 minutos

A forma de negociação dos investimentos não é sempre a mesma. Além de questões como segurança, liquidez e retorno de títulos e valores mobiliários, suas operações podem se dividir entre o mercado primário e o mercado secundário.

Como eles são bem diferentes, vale a pena entender quais são os aspectos de cada um e como se complementam. Assim, você saberá como e quando participar de cada um, de acordo com a sua estratégia.

O que você verá neste artigo:
O que é o mercado primário?
Como funciona o mercado primário?
O que é o mercado secundário?
Como funciona o mercado secundário?
Quais as diferenças entre mercado primário e secundário?
Como eles se complementam?
Qual é a importância desses mercados?
Como investir no mercado primário e secundário?

Neste artigo, você conhecerá o mercado primário e o mercado secundário e saberá como eles se caracterizam. Confira a leitura e tire suas dúvidas!

O que é o mercado primário?

O mercado primário corresponde ao ambiente no qual os investimentos são negociados diretamente. Isso acontece porque os investimentos são disponibilizados aos investidores pelos próprios emissores. Ele existe tanto na renda fixa quanto na renda variável.

Como funciona o mercado primário?

Quanto ao funcionamento, o mercado primário depende da emissão de valores mobiliários por parte de empresas ou do Governo Federal. Os títulos públicos, por exemplo, são disponibilizados diretamente pelo Tesouro Nacional para os investidores.

Ainda na renda fixa, é possível citar títulos como o certificado de depósito bancário (CDB) ou as debêntures. Já na renda variável, pode-se citar as ações. Quando novas ações são emitidas e disponibilizadas, elas são oferecidas pela companhia para o investidor.

Isso também acontece com o lançamento de fundos de investimento e suas cotas de participação. É o caso de fundos imobiliários, fundos de índice e outros. Na prática, o mercado primário faz com que os recursos sigam diretamente para o emissor.

Logo, é uma forma de empresas, fundos ou do Governo Federal captarem recursos junto aos investidores. Assim, sempre que você investe no mercado primário o dinheiro aportado será destinado ao emissor do investimento.

O que é o mercado secundário?

Já o mercado secundário prevê a negociação entre os próprios investidores — sem interferência do emissor dos valores mobiliários. Assim como acontece no mercado primário, o mercado secundário existe tanto na renda fixa quanto na renda variável.

Como funciona o mercado secundário?

O funcionamento no mercado secundário depende do interesse de compra e venda por parte dos investidores. Nesse caso, ocorre uma transferência de propriedade, mediante o pagamento do valor do título, ação ou cota.

Na renda fixa, isso pode ser visto em títulos de liquidez baixa, como um certificado de recebíveis imobiliários (CRI). Com a liquidez menor, os investidores podem tentar vender o título no mercado secundário, caso precisem de resgate antecipado.

A exceção nessa classe fica para os títulos públicos. A recompra das aplicações do Tesouro Direto é feita pelo próprio Tesouro Nacional — e, portanto, a negociação não ocorre entre investidores.

No caso da renda variável, boa parte das operações se dá no mercado secundário. Em especial, na bolsa de valores. Por exemplo, o investidor que adquiriu ações de uma empresa assim que foram lançadas as comprou no mercado primário.

Depois disso, se ele quiser vender os papéis, fará isso no mercado secundário. Ou seja, outro investidor comprará os ativos — e o dinheiro não será destinado à companhia emissora das ações.

Quais as diferenças entre mercado primário e secundário?

Com base nas características do mercado primário e do mercado secundário, é possível notar que eles se distinguem, em especial, pela origem do ativo ou derivativo financeiro. Além disso, pode haver diferença entre os preços nos dois ambientes.

No mercado primário, o preço é definido pelo emissor do título. No mercado secundário, entretanto, ele depende da lei da oferta e procura: quanto maior for a demanda, maior tende a ser o preço. É importante saber que a venda do mercado secundário pode trazer perdas, mesmo na renda fixa.

Vale entender, ainda, que na bolsa de valores, existem duas situações principais para a negociação no mercado primário. Elas são a oferta pública inicial (IPO) e o follow on.

O IPO de uma empresa acontece quando ela abre seu capital e negocia ações pela primeira vez na bolsa de valores. Para os fundos, ele representa o momento em que as primeiras cotas são emitidas e negociadas.

Já o follow on ocorre quando há uma emissão de novas ações ou cotas, por parte da empresa ou do fundo. Logo, indica uma nova oportunidade de captação de recursos para o emissor no mercado primário.

Como eles se complementam?

Embora o mercado primário e o secundário guardem diferenças importantes, eles podem ser considerados complementares. Afinal, o mercado secundário permite a negociação de ativos que foram negociados antes no mercado primário.

Ele também serve para tornar o investimento mais acessível — já que nem todos podem participar do exato momento de um IPO na bolsa, por exemplo. Na renda fixa, o mercado secundário permite acessibilidade a títulos negociados com taxas diferentes das atuais.

Qual é a importância desses mercados?

Devido às características de cada um, tanto o mercado primário quanto o secundário têm vantagens e importância. O mercado primário serve, essencialmente, para promover a captação de recursos por parte de instituições e do Governo Federal.

Já o mercado secundário tem um papel relevante na garantia de liquidez e movimentação de recursos do mercado. Graças a ele, os investidores podem ter acesso a diversas oportunidades em momentos que não se limitam à emissão.

Ademais, as negociações secundárias são uma forma de trazer mais liquidez para os investimentos. Ainda, ambos os mercados são essenciais para prover opções para os investidores com diferentes características. Portanto, são dois pilares relevantes do mercado financeiro.

Como investir no mercado primário e secundário?

Independentemente de qual mercado você queira participar, o primeiro passo é identificar o seu perfil de investidor e os seus objetivos financeiros. Ao compreender esses pontos, é possível entender sua tolerância ao risco e também questões como o prazo e a necessidade de liquidez.

A partir desse ponto, é necessário escolher uma corretora de valores e abrir sua conta. Por meio dela, você poderá realizar diversos investimentos. No caso de participar do mercado primário, você pode buscar investimentos junto aos emissores de renda fixa ou participar dos IPOs.

No mercado secundário, poderá emitir ordens de compra na bolsa de valores, por exemplo, ou buscar os títulos de renda fixa junto à sua corretora. O importante é sempre decidir de forma instruída e estratégica, considerando suas necessidades e preferências.

Com base nessas informações, agora você sabe como funcionam o mercado primário e o mercado secundário de investimentos. Para participar de um deles ou de ambos, avalie suas características e conte com uma boa corretora de valores!

Quer conhecer e aproveitar as oportunidades do mercado financeiro? Abra sua conta na Guide Investimentos e conte com nossa estrutura!

Relacionados

Você sabe realmente para que serve a bolsa?

Se alguém perguntar o que vem à sua cabeça quando o assunto é investimento, provavelmente uma das primeiras coisas que você [...]

B3 - A Bolsa do Brasil - 18/01/2022

Aluguel de ações: o que é e como funciona?

Você sabia que é possível ter uma boa rentabilidade quando se negocia ações em um mercado em queda? Para fazer isso, [...]

Syntax Finance - 05/01/2022

Como e por que utilizar gráficos comparativos ao investir na bolsa?

Investir na bolsa de valores é uma forma de buscar rendimentos a partir dos seus aportes. Porém, decidir qual é o [...]

Guide Investimentos - 28/12/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções