Cotações por TradingView

Como escolher o melhor fundo para você investir na renda fixa?

Tempo de leitura: 4 minutos

Ao contrário ao que muitos pensam, a renda fixa também pode proporcionar uma rentabilidade atrativa, como por exemplo, através de alguns fundos de investimentos em renda fixa. Por isso, preparamos este guia financeiro com as principais informações sobre este tipo de fundos de investimentos.

Continue a leitura e saiba detalhes sobre os fundos de renda fixa, como funcionam e quais são os melhores.

Fundos de renda fixa (definição)
Qual o risco de um fundo de renda fixa?
Fundo de renda fixa – simulador
Fundo de renda fixa X fundo de renda variável
Fundos de renda fixa 2020: quais se destacaram?
Enfim, como escolher um fundo de investimento na renda fixa?
Conclusão

Fundos de renda fixa (definição)

São considerados fundos de renda fixa todos que tiverem sua carteira composta por, no mínimo, 80% de títulos de renda fixa relacionados à taxa de juros (Selic) e/ou ao índice de preços (IPCA).

Vistos como mais conservadores quando comparados a outras modalidades de investimentos, eles também possuem exposição ao risco e, dependendo da sua composição, podem passar por períodos de estresse de mercado.

A ANBIMA – Associação Brasileira dos Mercados Financeiro e de Capitais classifica os fundos de renda fixa em subcategorias com base nos riscos envolvidos e na estratégia de investimento adotada pelo time de gestão responsável:

  • Renda fixa simples (possuem, no mínimo, 95% do patrimônio em títulos de baixo risco);
  • Indexado ou referenciado (seguem as variações do índice de referência escolhido);
  • Ativos (baseados na duração média da carteira e no risco de crédito dos títulos negociados); e, por fim, os de investimentos no exterior.

Qual o risco de um fundo de renda fixa?

Assim como outros ativos disponíveis no mercado, os fundos de renda fixa também possuem riscos, são eles:

Risco de mercado: trata-se dos movimentos inesperados do mercado ocasionados por situações adversas e imprevisíveis. No caso da renda fixa, esses movimentos podem gerar oscilações nos preços desses ativos.

Risco de liquidez: trata-se do risco do time de gestão não conseguir vender os ativos que compõem a carteira do fundo para realizar o pagamento dos resgates solicitados dentro do prazo estipulado.

Risco de crédito: trata-se do risco do emissor do título de renda fixa não conseguir arcar com seus compromissos de pagamento de juros, amortizações e/ou do capital principal investido. Por isso, é fundamental uma análise de crédito criteriosa.

Fundo de renda fixa – simulador

A chegada dos juros baixos tem motivado muitos investidores a ousar mais em busca de melhores retornos. Mas ainda é comum que muitos se sintam inseguros a investir, mesmo que seja na renda fixa e em seus fundos. Neste caso, uma boa alternativa são os simuladores de investimentos. Através deste tipo de ferramenta é possível analisar o comportamento de alguns fundos e identificar qual atenderá melhor suas expectativas.

Fundo de renda fixa X fundo de renda variável

Enquanto os fundos de renda fixa investem em títulos públicos ou privados (CDB, CRA, CRI, LCA, LCI, Debêntures), os fundos de renda variável precisam ter, no mínimo, 67% de seu patrimônio investido ações, commodities, derivativos e até imóveis, através dos fundos imobiliários. Estes últimos, por sua vez, podem ser vistos como fundos imobiliários da renda fixa por terem sua carteira composta majoritariamente por títulos lastreados em imóveis ou dívidas imobiliárias (CRI, LCI e LH).

Fundos de renda fixa 2020: quais se destacaram?

O novo cenário econômico, em conjunto com a crise causada pelo covid-19, tem desafiado a renda fixa. Nem mesmo os títulos públicos, considerados os ativos mais seguros, saíram ilesos em 2020. Consequentemente, esse movimento também foi visto nos fundos de renda fixa.

Mesmo com a instabilidade, alguns destes fundos destacaram-se neste ano, em especial aqueles que compram títulos atrelados à inflação e debêntures, como alguns fundos de debêntures incentivadas, que ainda contam com o benefício da isenção fiscal para pessoa física.

Enfim, como escolher um fundo de investimento na renda fixa?

O primeiro passo para escolher um fundo de investimento na renda fixa é ter em mente qual o seu objetivo, por quanto tempo você poderá manter o dinheiro aplicado e qual nível de volatilidade você é capaz de suportar.

Os fundos de renda fixa são, de fato, mais conservadores, embora isso não signifique que eles também não passem por um período de baixo retorno, sobretudo em um cenário de tantas incertezas como o que vivenciamos.

A melhor escolha será pautada nessas principais características: liquidez, horizonte de investimento e exposição ao risco. Ao respeitar essas premissas, o nível de assertividade será, certamente, maior. Além disso, sempre é importante revisar seu perfil de investidor.

Conclusão

Os fundos de renda fixa são excelentes instrumentos para compor sua carteira de investimentos. Além de proporcionar liquidez, eles auxiliam na diversificação do portfólio, assim como contribuem com a performance. De uma forma geral, estes fundos representam uma alternativa segura com resultados consistentes.

Posicione-se de forma estratégica no mercado e aumente o retorno de suas aplicações ao diversificar sua carteira. Quer saber mais sobre outras opções da renda fixa? Então confira este material completo que a Guide preparou para você.

Relacionados

Como economizar para gastar com consciência e começar a investir? 6 Passos definitivos!

Quem deseja começar a investir costuma enfrentar algumas dificuldades no início dessa jornada. A principal se relaciona com a capacidade de [...]

Guide Investimentos - 01/12/2021

Existe ETF de bitcoins? Conheça fundos de índice para investir em criptomoedas!

As criptomoedas vêm se destacando no mercado financeiro, atraindo a atenção de diversos investidores. Como consequência, é comum que novas alternativas [...]

Guide Investimentos - 26/11/2021

O que é RDB? Aprenda a investir nesse título!

A renda fixa oferece investimentos com diferentes características. Há, por exemplo, os títulos públicos, as aplicações privadas e, ainda, as alternativas [...]

Guide Investimentos - 24/11/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções