CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

Você sabe o que é um fundo long biased? Confira!

1 de julho de 2022
Escrito por Guide Investimentos
Tempo de leitura: 11 min
Compartilhar
imagem ilustrativa
Tempo de leitura: 11 min

Quem pesquisa sobre investimentos no mercado financeiro costuma encontrar diversas alternativas e estratégias. Por isso, é comum ficar confuso com os termos utilizados, principalmente quando eles são exclusivos do mercado financeiro.

Nesse sentido, uma alternativa de investimento que pode trazer dúvidas é o fundo de investimento long biased. Como ele abarca muitos conceitos, os investidores tendem a ter dificuldade para entender qual é a estratégia utilizada.

Se você quer saber como funcionam esses fundos, continue a leitura! Neste conteúdo, você aprenderá sobre fundos, estratégias long biased e suas vantagens!

Como funciona um fundo de investimento?

Para compreender os fundos long biased, você deve conhecer os fundos de investimentos de maneira geral. Eles são veículos financeiros coletivos que podem interessar a diversos tipos de investidores, devido à sua variedade.

Os fundos de investimento captam recursos de investidores e montam uma carteira coletiva de investimentos. Esse patrimônio é administrado por um gestor profissional escolhido pelo próprio fundo e regulamentado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Apesar de ter liberdade para administrar a carteira conforme seus conhecimentos sobre o mercado, os gestores precisam seguir estratégias predeterminadas. Assim, cada fundo tem seus próprios objetivos e regras de investimento.

Vale saber que os fundos são divididos em diversos tipos, conforme suas estratégias de aporte, composição da carteira, prazos etc.

Confira os tipos mais conhecidos conforme a composição do patrimônio:

  • fundos imobiliários: investem o seu patrimônio, principalmente, em ativos e títulos do mercado imobiliário, como imóveis e certificados de dívida do setor;
  • fundos de ações: sua carteira é composta, majoritariamente, por ações negociadas na bolsa de valores, escolhidas conforme os objetivos e estratégias do fundo;
  • fundos de renda fixa: o patrimônio é alocado em títulos de renda fixa, oferecendo níveis distintos de previsibilidade de ganhos, conforme as aplicações que compõem o fundo;
  • fundos multimercado: esses fundos têm mais liberdade na composição do patrimônio, podendo alocar seu capital em diversos mercados.

Os investidores com interesse em participar do fundo podem adquirir suas cotas, que representam uma fração ideal do patrimônio desse veículo de investimento. A principal forma de ter ganhos é com a valorização de preço das cotas, mas alguns fundos também fazem distribuições de lucros.

O que é estratégia long biased?

Depois de conhecer o que são fundos de investimento, você precisa entender outro conceito relevante: a estratégia long biased. Para facilitar o entendimento, vale classificar cada palavra desse termo.

A palavra em inglês long significa uma forma de negociar ativos ou títulos. No Brasil, chama-se essa modalidade de “operar comprado”, ou negociações compradas.

Apesar do nome incomum, ela é a estratégia mais conhecida entre os investidores. A ideia é comprar um ativo por um preço mais baixo e esperar sua valorização — fazendo a venda quando o preço estiver mais elevado, gerando lucros.

Nesse caso, o investidor — ou o fundo — já possui os ativos no portfólio e busca um ganho conforme a valorização de preço. Como você percebeu, esse tipo de negociação é a mais lógica e popular entre os investidores.

Já o termo biased pode ser traduzido como “enviesado, inclinado, predisposto”. Com essas informações, já é possível imaginar como funciona uma estratégia long biased, certo? Nesse caso, ela é inclinada ou tem predisposição a realizar negociações compradas — long.

Ou seja, a estratégia utiliza, principalmente, negociações compradas para buscar os ganhos desejados. No entanto, isso não exclui outras possibilidades. Afinal, trata-se apenas de uma preferência ou predisposição, e não uma obrigação.

Se você ficou com dúvida em como podem existir operações que não buscam a valorização de um ativo, vale conhecer a estratégia de short. Veja só:

Estratégia short

A estratégia short é comumente chamada no Brasil de operação vendida. Nesse caso, a lógica é inversa à long. Ou seja, ela se baseia em vender um ativo por um preço mais alto e, em momento posterior, comprá-lo por um preço menor, lucrando na diferença.

Mas como isso é possível? Nesse caso, o investidor ou fundo que opera vendido pode alugar os ativos, vendendo-os e recomprando-os quando fizer mais sentido para sua estratégia. A exceção é para o day trade, quando não há necessidade do aluguel.

Quando os ativos são alugados, o investidor deve devolver esses ativos ao seu dono — no prazo estipulado do fim do aluguel. Assim, a expectativa é, como você viu, recomprá-los mais barato que o preço de venda.

O que é um fundo long biased e como funciona?

Agora que você já conhece os fundos de investimento e a estratégia long biased, fica mais simples entender os fundos long biased, não é mesmo?

Os fundos de investimento com essa estratégia montam a sua carteira, principalmente, com ativos focados em operações compradas. Contudo, como você viu, pode haver operações vendidas na estratégia.

A ideia é que a carteira tenha uma preferência ao long, mas também utilize o short em menor proporção. Com isso, há um balanceamento de posições e o gestor pode utilizar as duas estratégias como forma de trazer ganhos aos cotistas ou manejar riscos.

No mercado financeiro, você pode ouvir a expressão: ganhar nas duas pontas. E é isso que os fundos long biased buscam. Apesar de focar nos ganhos das operações compradas, também há uma estratégia com operações short.

Ademais, vale saber que essa classificação diz respeito à estratégia de administração da carteira, e não aos ativos que compõem o patrimônio. Desse modo, os fundos long biased podem ser tanto de ações como multimercado, principalmente.

Então você pode encontrar diversas alternativas que utilizam essa estratégia nas plataformas das corretoras de valores. Ademais, as carteiras são compostas seguindo diferentes ativos, podendo focar mais em determinados mercados.

Ou seja, há fundos long biased que alocam seus recursos totalmente em ações de mercados específicos. Também existem veículos que adotam essa estratégia, mas compõem a carteira com ativos diferentes — como moedas, cotas de outros fundos, ações e derivativos, por exemplo.

Qual é a diferença entre long only, long & short e long biased?

Depois de aprender sobre os fundos long biased, você pode se deparar com os termos long only e long & short. Vale a pena conhecer essas estratégias e suas diferenças para ter mais embasamento na escolha.

Confira:

Estratégia long only

Para entender a estratégia de long only, basta saber a tradução do termo “only”. Ele significa “apenas”, então já define como essa dinâmica de investimento funciona. Nesse caso, o gestor do fundo atua apenas comprado, sem utilizar a estratégia de operar vendido.

Logo, não há espaço nas regras do fundo para que o gestor efetue operações short, ainda que isso possa ser benéfico para a carteira. Vale lembrar que essas classificações são determinadas pela CVM e a entidade também fiscaliza o lançamento de fundos.

Estratégia long & short

Como você viu, a estratégia long biased pode compor a carteira com operações compradas e vendidas, sendo que a primeira deve ter uma proporção maior.

Já na estratégia long & short a carteira do fundo também é composta por ativos comprados e vendidos. Então qual é a diferença? Aqui, a proporção entre esses dois modelos deve ser igual ou muito parecida.

Assim, enquanto na long biased há uma preponderância da estratégia long, na long & short não há essa determinação. O gestor poderá compor a carteira de forma igualitária entre as operações, sejam elas long ou short.

Quais são as vantagens do fundo long biased?

Muitos investidores também se interessam em saber as vantagens dos fundos que utilizam a estratégia long biased. Afinal, conhecer os benefícios ajuda a tomar uma decisão de investimentos mais embasada.

A seguir você conhecerá as principais vantagens desses fundos. Entenda!

Gestão profissional

A primeira vantagem de ter um fundo long biased é contar com a gestão profissional, como acontece em todo fundo de investimento. Considerando que a carteira pode ter diversos ativos e títulos, a administração especializada é fundamental para buscar resultados positivos.

O gestor geralmente tem experiência com investimentos, conhecimentos aprofundados e certificações do mercado financeiro. Logo, ele é qualificado para conduzir as negociações necessárias para buscar os objetivos do fundo.

Carteira diversificada

Outro ponto importante dos fundos long biased é a possibilidade de diversificação da carteira. Com a compra de apenas uma cota o investidor está exposto a um patrimônio que pode conter diversos ativos, em vários tipos de operações.

Dessa maneira, a carteira dos fundos costuma ser diversificada e o cotista pode acessá-la com facilidade. A diversificação é uma estratégia indispensável para proteção da carteira e também para potencializar a rentabilidade.

Afinal, com ela, o patrimônio investido não fica atrelado apenas a um risco que, caso se concretize, pode trazer desvalorização para todo o capital. A ideia é se expor a mercados e segmentos variados, para que não haja desvalorização em toda a carteira.

Praticidade

Também vale considerar a praticidade do investimento em fundos long biased. Isso é uma consequência da possibilidade de contar com uma gestão profissional e acessar o patrimônio pela compra de uma cota.

Imagine que você queira montar uma carteira com estratégia específica, que utilize operações compradas e vendidas e ainda traga diversificação. Para muitas pessoas, falta conhecimento de mercado e até mesmo tempo para isso.

Por esse motivo, considere a praticidade desse aporte ao buscar fundos para investir. Contar com o acesso facilitado e não precisar tomar decisões recorrentemente pode trazer benefícios além da possibilidade de ganhos financeiros.

Menores riscos

Já em relação, especificamente, aos fundos long biased, uma vantagem relevante é a menor exposição aos riscos. Vale alertar que essa característica se difere em cada fundo, tendo em vista que existem aqueles mais arrojados e outros mais moderados.

Contudo, a exposição a operações vendidas costuma trazer um risco mais elevado. Afinal, não há um limite para as perdas — tendo em vista que não há teto para a desvalorização de um ativo.

Já as operações compradas, apesar de também serem arriscadas, tendem a trazer mais segurança aos investidores — especialmente porque o objetivo da estratégia é focar, majoritariamente, no longo prazo. Portanto, um fundo long biased se expõe mais à estratégia long — diminuindo os riscos aos quais o patrimônio está exposto.

Vale a pena investir nesse tipo de fundo?

Depois de conhecer todos esses detalhes sobre os fundos long biased, fica a pergunta: afinal, vale a pena investir neles? Não existe uma resposta certa para esse questionamento, pois cada investidor tem objetivos e perfis diferentes.

Contudo, pode-se definir diversos pontos de atenção para avaliar se esses fundos fazem sentido para sua carteira. Veja a seguir os principais:

Objetivos financeiros

Ao uma decisão de investimento, você precisa considerar os seus objetivos financeiros. Os aportes devem ter uma finalidade específica, então sempre vale fazer algumas perguntas antes de investir:

  • o que eu desejo fazer com esses valores no futuro?
  • quanto custa esse objetivo?
  • qual é o prazo para alcançar essa finalidade?
  • quais são as alternativas do mercado que se adéquam a essas questões?

Entendendo esses pontos, você poderá tomar decisões mais assertivas e embasadas. Afinal, os investimentos devem ser meios de concretizar sonhos e não podem ter um fim em si mesmos.

Perfil de investidor

Além de objetivos financeiros, sempre considere o seu perfil de investidor. Essa característica é pessoal e define como você lida com os riscos inerentes aos investimentos. Em ordem crescente de tolerância aos riscos, o perfil pode ser conservador, moderado ou arrojado.

Se você for um investidor conservador, o mais adequado é focar em investimentos seguros e previsíveis, para não gerar ansiedade com possíveis desvalorizações. Por outro lado, investidores mais arrojados conseguem suportar mais riscos para potencializar a rentabilidade.

Seguir essa característica ao escolher um aporte é essencial, já que inadequações podem trazer ansiedade, frustração e decisões precipitadas. Logo, considere o nível de risco de um fundo antes de investir nele.

Características do fundo e do gestor

Se, considerando os pontos anteriores, você definiu que um fundo long biased pode fazer sentido à sua carteira, o próximo passo é conhecer cada alternativa. Verifique os fundos disponíveis na sua corretora, conheça suas regras por meio do regulamento e da lâmina e veja quem é o gestor.

Outra ideia interessante é analisar o histórico de resultados, para ver como o fundo se comportou no passado. Apesar de não haver garantia de resultados futuros, essa análise ajuda a entender o comportamento do patrimônio e a eficiência da gestão em cenários já conhecidos.

Como você viu, um fundo long biased pode compor sua carteira com operações compradas ou vendidas, com ênfase na primeira. Conhecendo o conceito, você pode avaliar se esses veículos são adequados à sua estratégia de investimentos.

Quer contar com dados mais aprofundados para melhorar seus conhecimentos no mercado financeiro? Então seja um assinante do Guia Financeiro!

Guiar as pessoas para que o dinheiro não limite a vida. Este é o nosso propósito e o que acreditamos. Queremos eliminar as barreiras e limitações que impedem as pessoas de viverem sem ter que ficar só preocupadas com dinheiro. Aqui, no portal O Guia Financeiro, te auxiliamos e ensinamos diversas formas de alcançar a sua independência e sempre te lembramos de contar com os nossos Assessores-Guias com o objetivo de alcançar seus sonhos e objetivos.

Veja também