Fundo espelho: o que é, como funciona e quando vale a pena?

Tempo de leitura: 5 minutos

Para ter acesso aos resultados de um fundo de investimento, nem sempre é necessário alocar recursos diretamente nele. Há casos que contemplam o chamado fundo espelho, o qual fica responsável por replicar o desempenho de um fundo principal para seus investidores.

Essa modalidade tem vantagens importantes, como a acessibilidade a alternativas que, de outro modo, ficariam restritas. Porém, também existem aspectos que podem ser negativos e que devem ser ponderados antes de você tomar uma decisão.

O que veremos neste artigo?
O que é um fundo espelho?
Como funciona um fundo espelho?
Quais tipos de índices o fundo espelho pode seguir?
Quais são as vantagens do fundo espelho?
Quais são as desvantagens dessa alternativa?
Quando vale a pena investir em um fundo espelho?

Na sequência, descubra o que é o fundo espelho e entenda quando o investimento pode ser interessante!

O que é um fundo espelho?

É um fundo que visa replicar o desempenho de outro, por meio da composição de carteira. Com isso, ele permite investir indiretamente em um fundo, servindo como um veículo para essa alocação.

O mercado financeiro conta com fundos de investimento que são destinados a um público específico, como investidores capazes de tolerar mais riscos ou de investir valores maiores. Porém, investidores fora do perfil têm um modo de acessá-los, por meio do fundo espelho.

Como funciona um fundo espelho?

A existência do fundo espelho está atrelada ao chamado fundo original ou principal. A primeira versão é o fundo com mais regras de acesso e que é considerado limitado ou exclusivo. Já o fundo espelho funciona como um fundo de investimento em cotas.

Ou seja, seu portfólio é composto pela compra de cotas de participação no fundo de interesse. Por conta disso, é classificado como fundo multimercado, já que utiliza uma estratégia que não está prevista por outras classificações.

Com isso, o resultado, antes de taxas e impostos, é idêntico ao do fundo principal. Há, portanto, um espelhamento da rentabilidade para os cotistas do fundo espelho. É importante notar que ele investe em apenas um fundo, pois é isso que garante que o resultado seja equivalente.

Um exemplo é o IVVB11, fundo de índice (ETF) brasileiro que, na verdade, investe no fundo IVV ou iShares S&P 500. Ele é fundo norte-americano composto pelas ações das 500 empresas mais negociadas dos Estados Unidos.

Quais tipos de índices o fundo espelho pode seguir?

Ao falar sobre ETFs, convém entender que o fundo espelho pode estar indiretamente atrelado a índices de mercado. Isso acontece quando o fundo principal é um fundo de índice, cuja estratégia consiste exatamente em replicar a carteira teórica de um indicador de mercado.

Se o fundo espelho focar em um ETF, portanto, ele seguirá o índice de interesse. Conforme você viu, um deles é o S&P 500, que é seguido pelo IVVB11, por exemplo. Também existe o fundo HASH11, que segue o índice Nasdaq Crypto Index (NCI), formado pelas criptomoedas mais negociadas.

O HASH11, na verdade, espelha o fundo Hashdex Nasdaq Crypto Index ETF. Os índices referentes a ativos internacionais são especialmente comuns para os fundos espelhos, então vale a pena considerar qual indicador é utilizado no fundo original, se for o caso.

Quais são as vantagens do fundo espelho?

O fato de o fundo espelho replicar outros fundos oferece como uma das principais vantagens o acesso a alternativas que, de outro modo, não estariam disponíveis. Muitas vezes, o fundo original é limitado a investidores profissionais ou qualificados ou tem um aporte inicial elevado.

Além disso, como nos casos que vimos, os fundos originais podem ser negociados apenas em outros países. Com o fundo espelho, é possível contornar essas condições, já que ele é mais acessível. Então, você pode aproveitar os resultados em sua carteira de modo simples.

Também é uma forma de diversificar a carteira. Como muitos fundos originais são exclusivos, ter a chance de fazer o investimento adiciona alternativas diferenciadas ao portfólio. Isso não apenas contribui para diluir os riscos como pode favorecer a conquista de retorno.

A existência deles também é positiva para o fundo principal ou original. Afinal, aumenta o interesse nas cotas, trazendo maior proteção ao patrimônio e diminuindo o impacto das retiradas, por exemplo. Em fundos com grandes demandas sobre a gestão de portfólio, é um ponto essencial.

Quais são as desvantagens dessa alternativa?

Ao mesmo tempo em que um fundo espelho pode trazer pontos positivos, ele também pode apresentar desvantagens. Uma delas envolve os custos. Na prática, é necessário pagar a taxa de administração e, em muitos casos, de performance dos dois fundos.

Isso porque o fundo espelho tem custos com as taxas do original. Então, ao investir nessa modalidade, você acaba pagando as taxas duas vezes. Portanto, é preciso ter atenção com os custos em relação ao resultado para que a alternativa seja realmente vantajosa.

Outra questão é que pode acontecer de o resgate desse tipo de fundo ser mais demorado que do fundo original. Como consequência, há uma redução no nível de liquidez. Contudo, se o seu investimento tiver foco no longo prazo, pode não ser um problema.

Quando vale a pena investir em um fundo espelho?

Após ponderar pontos positivos e desvantagens do fundo espelho, é necessário saber se ele está entre os melhores fundos de investimentos para você e se vale a pena selecioná-lo. O primeiro passo é identificar seu perfil de investidor e seus objetivos financeiros.

Fundos espelhos podem ser de renda variável ou de renda fixa, tudo depende do tipo principal que ele reflete. Se você for conservador, uma escolha de renda fixa e menor risco pode ser o mais adequado. Já se for moderado ou arrojado, pode preferir a renda variável.

Além disso, é indispensável ponderar a relação entre risco e retorno e os custos quanto à rentabilidade. Como as taxas e despesas podem causar grandes impactos nos resultados, o ideal é contar com uma alternativa cujo desempenho supere os custos, para que seja vantajoso.

Ao mesmo tempo, lembre-se de que desempenho passado não garante performance no futuro. Então, use a análise de fundos de investimentos para conhecer a estratégia do fundo principal e entender o que ele pode oferecer.

Não deixe de considerar, ainda, seus objetivos e os prazos deles. Quando se fala em renda variável, o longo prazo ajuda a manejar os riscos. Com base em todas essas informações, você saberá se faz sentido ou não incluir a alternativa em sua carteira.

Como você notou, o fundo espelho oferece acesso aos resultados de um fundo específico, por meio do investimento em suas cotas. Antes de decidir fazer o aporte, entretanto, é preciso avaliar corretamente a oportunidade para ter certeza que ela é adequada à sua estratégia.

Quer saber mais sobre o tema? Aproveite e conheça também os fundos de fundos (FoFs) e veja como funcionam!

Relacionados

Conheça as principais ações do setor elétrico disponíveis na bolsa brasileira

As ações do setor elétrico são muito procuradas pelos investidores. Afinal, o recurso é essencial para o país, sendo fundamental para [...]

Guide Investimentos - 15/10/2021

Quais fundos imobiliários pagam melhores dividendos?

Um dos maiores atrativos dos fundos de investimento imobiliário (FIIs) é a distribuição de dividendos. Eles equivalem ao fluxo de caixa [...]

Syntax Finance - 15/10/2021

Como fazer investimentos nos Estados Unidos? Passo a passo e alternativas!

A tomada de decisão sobre os investimentos não precisa se limitar às opções disponibilizadas no mercado interno. Ao compor a carteira, [...]

Guide Investimentos - 13/10/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções