Dólar recua ante rivais, com menos busca por segurança e força de euro e libra

Tempo de leitura: 1 minuto

Em um pregão com pouca busca por segurança no mercado, o dólar recuou em relação a outras moedas fortes. A força da libra, após o anúncio de estímulos fiscais no Reino Unido, e do euro, em meio a negociações para um fundo de recuperação da Europa, também pesou na divisa dos Estados Unidos.

No fim da tarde em Nova York, o dólar caía a 107,26 ienes, o euro avançava a US$ 1,1331 e a libra tinha alta a US$ 1,2614. O índice DXY, que mede a variação da moeda americana em relação a seis rivais, recuou 0,47%, a 96,428 pontos.

“As moedas consolidaram-se amplamente em meio ao otimismo em relação às perspectivas econômicas”, avalia o analista de mercado Joseph Manimbo, do Western Union. “O dólar tende a sofrer quando Wall Street entra em rali”, acrescenta o profissional em um relatório. Para Manimbo, porém, a “estrada esburacada” para a recuperação econômica coloca um “piso” para a queda do dólar.

Presidente da distrital de Saint Louis do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), James Bullard afirmou hoje que está “bastante otimista” sobre suas projeções para a recuperação da economia americana, apesar do surgimento de novos surtos de coronavírus nos EUA. Ontem, o país registrou o recorde de 60 mil novos casos de covid-19.

A libra se valorizou após o ministro de Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, anunciar uma série de medidas para estimular a economia britânica. O euro, por sua vez, se fortaleceu com a expectativa de que a União Europeia chegará a um acordo sobre um fundo de recuperação pós-pandemia. A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, voltou a defender o plano hoje e disse que a unidade europeia é fundamental para vencer a crise.

Ante moedas emergentes e ligadas a commodities, o dólar operou sem direção única. No final da tarde em Nova York, a moeda americana avançava a 70,9017 pesos argentinos, mas recuava a 16,9610 rands sul-africanos e a 22,7522 pesos mexicanos.

No final da tarde, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o mandatário do México, Andrés Manuel López Obrador, assinaram uma declaração conjunta de cooperação entre os dois países, em uma cerimônia na Casa Branca.

Relacionados

Artistas dos EUA e Brasil pedem a Biden que não feche acordos com Bolsonaro

Uma carta, assinada sobretudo por artistas de Brasil e Estados Unidos, pede ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que "não [...]

Estadão - 20/04/2021

Lojas Americanas adquire Grupo Uni.co

A Lojas Americanas comunicou nesta terça-feira, 20, que sua subsidiária IF Capital fechou contrato para a adquirir 70% das ações do [...]

Estadão - 20/04/2021

ONS diz que discussões sobre leilões de potência estão sendo finalizadas

O diretor geral do Operador Nacional do Sistema (ONS), Luiz Carlos Ciocchi, informou que as discussões sobre os inéditos leilões de [...]

Estadão - 20/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções