CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

Devo investir em corretora ou banco?

22 de fevereiro de 2022
Escrito por Syntax Finance
Tempo de leitura: 7 min
Compartilhar
logo da Guide Investimentos
Tempo de leitura: 7 min

Os bancos e as corretoras de valores são instituições necessárias para participar do mercado financeiro. No entanto, se engana quem pensa que ambos têm a mesma função.

Enquanto os bancos oferecem um pacote de serviços essenciais, como extratos, transferências, entre outros, as corretoras de valores ampliam a oferta de ativos financeiros ao investidor, principalmente do varejo. Ambos atuam com segurança no mercado brasileiro e contribuem para a trajetória do investidor.

Para entender as principais diferenças entre um banco e uma corretora, siga a leitura e saiba qual utilizar na hora de investir o seu patrimônio.

Confira o que veremos na leitura:
Como funcionam os investimentos nas corretoras?
Quais são as diferenças entre corretoras de investimento e bancos?
Brancos tradicionais x bancos digitais
Vale a pena manter parte dos investimentos em banco?
Qual é a melhor corretora para os investidores iniciantes?
Como começar a investir em corretora de valores?
Corretoras ou bancos: considerações finais

Como funcionam os investimentos nas corretoras?

As Corretoras de Títulos e Valores Mobiliários (CTVM) funcionam como um verdadeiro shopping ou, em alguns casos, uma boutique de investimentos.

Na prática, elas fazem a intermediação entre os investidores, pessoas físicas ou jurídicas, e os produtos de investimento de diferentes instituições, como a B3, o Tesouro Direto, gestoras, entre outras.

A Comissão de Valores Mobiliários e o Banco Central do Brasil são os órgãos responsáveis por regulamentar e supervisionar as atividades das corretoras no mercado financeiro, proporcionando um ambiente de negociação seguro aos investidores.

Quais são as vantagens de investir em uma corretora de valores?

Os investidores que utilizam as corretoras têm acesso a uma gama de ativos que permitem a construção de um portfólio equilibrado e alinhado às suas necessidades.

Essas instituições normalmente disponibilizam produtos com rentabilidade mais atrativa, o que por consequência eleva o potencial de retorno das carteiras de investimento.

As tarifas costumam ser outra grande vantagem das corretoras. Ao contrário dos bancos, na maioria dessas instituições não há cobrança de taxas de abertura e de manutenção de conta e algumas zeram a taxa de custódia do Tesouro Direto.

E os riscos?

Investir através de uma corretora de valores não envolve muitos riscos. Por se tratar de uma plataforma de negociação de ativos, o maior risco está nos produtos adquiridos.

Quando um cliente compra um ativo, como as cotas de um fundo de ações, a corretora apenas intermediou a operação. Neste caso, o risco de perda financeira está na desvalorização dos papéis selecionados pelo gestor do fundo.

Quais são as diferenças entre corretoras de investimento e bancos?

A grande diferença entre os bancos e as corretoras de investimentos está no tipo de serviço e nos produtos oferecidos por cada uma das instituições.

Os bancos permitem que pessoas físicas ou jurídicas efetuem transações bancárias, como transferências, saques, depósitos, financiamentos e ainda disponibilizam conta-corrente, poupança e cartões de crédito aos seus correntistas.

uma corretora facilita o acesso a melhores opções de investimentos. Na prática, os investidorestêm mais liberdade para escolher os ativos financeiros que atendem ao seu perfil de investidor e objetivos no curto, médio e longo prazos.

Além dessas particularidades, os bancos e as corretoras de investimentos possuem outras diferenças. Confira!

Bancos tradicionais Corretoras de Investimentos
Disponibilizam produtos financeiros próprios. Oferecem melhores alternativas de investimento.
O saldo em conta-corrente conta com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Os valores parados na conta de investimento não são garantidos pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC).
Possuem maiores taxas. Possuem menores taxas.
Oferecem conta poupança. Não há conta poupança.

Bancos Tradicionais X bancos digitais

Os bancos digitais são aqueles cujas atividades são realizadas virtualmente. A Accenture, em pesquisa realizada em 28 países, identificou que o Brasil está entre no ranking das três principais adesões a esta categoria no mundo. 

Eles costumam apresentar um processo de abertura de conta menos burocrático, custos mais baixos, atendimento diferenciado e serviços semelhantes aos demais tipos de bancos.

Por outro lado, os tradicionais ainda transmitem mais segurança. Apesar da redução do número de agências, algumas pessoas consideram o atendimento presencial, principalmente via gerente de banco, como uma vantagem.

Sendo assim, na hora de escolher entre um banco tradicional e um banco digital, avalie:

  • Os tipos de serviços necessários;
  • Os custos envolvidos nas operações;
  • O tipo de atendimento oferecido.

Vale a pena manter parte dos investimentos em banco?

Os bancos são instituições fundamentais para determinadas operações, o que não significa que isso se aplica aos investimentos.

Os recursos depositados nas instituições bancárias são utilizados para financiar suas operações de crédito, como os empréstimos, e maximizar os seus lucros. Por isso, os rendimentos oferecidos pelos bancos comumente são menores.

Ainda assim, algumas pessoas colocam os seus recursos em aplicações com resgates automáticos, podendo não ser vantajoso.

Isso porque os saques realizados na conta remunerada estão sujeitos à incidência de Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) e Imposto de Renda (IR) sobre os ganhos.

Por este motivo, os recursos mantidos nos bancos devem ser apenas para suprir as despesas ou emergências. O restante deve ser alocado em produtos mais rentáveis que atendam os objetivos e perfil de risco do investidor.

Qual é a melhor corretora para os investidores iniciantes?

Um dos dilemas de quem está iniciando no mundo dos investimentos é a escolha da corretora. À primeira vista, uma plataforma totalmente sem custo seria a opção mais óbvia. No entanto, o custo zero não deve ser o único fator na hora da decisão.

O investidor iniciante deve considerar outras questões no processo de escolha da corretora. Para facilitar, confira três pontos importantes:

  1. Avalie os produtos oferecidos pela corretora: opções de ativos diferentes permitem a diversificação da carteira de investimentos, elevando a rentabilidade e proteção do portfólio.
  2. Analise a tecnologia oferecida pela plataforma de investimento: a experiência na navegação é um dos critérios determinantes, afinal os aplicativos trazem agilidade para as negociações e acesso fácil e prático aos investimentos.
  3. Considere também a facilidade na abertura de conta e no suporte. Um atendimento eficiente e personalizado está entre os itens avaliados pelas melhores corretoras do mercado brasileiro.

O que avaliar antes de escolher sua corretora de valores?

Antes de começar a investir em uma corretora é preciso avaliar a legalidade operacional da instituição pretendida.

A CVM possui uma lista com as instituições financeiras autorizadas a atuarem como custodiantes no país.

O investidor também pode conferir se a corretora faz parte do Programa de Qualificação Operacional (PQO) da B3, uma iniciativa da bolsa de valores brasileira que avalia e reconhece os serviços prestados pelas instituições financeiras.

Após esta etapa, individualmente, o investidor pode olhar com atenção os materiais sobre educação financeira da corretora, além de conferir se a plataforma é simples e intuitiva.

Outro ponto está em analisar o processo de abertura de conta, os valores das taxas de corretagem e a disponibilidade de diferentes tipos de investimentos, seja da renda fixa ou renda variável.

Escolher uma corretora não deve ser visto como um processo simples e fácil. Sua oferta de produtos e serviços deve estar alinhado ao perfil do investidor e seus horizontes financeiros.

Independente da facilidade de abertura de uma conta digital, o processo de investimento é algo sério e deve ser conduzido por corretoras responsáveis com um time de especialistas.

Corretoras ou bancos: considerações finais

Entender a diferença entre bancos e corretoras é fundamental para usufruir dos serviços oferecidos por cada uma das instituições.

Se por um lado os bancos são necessários para as transações bancárias, as corretoras contribuem com a diversificação dos investimentos, aumentando as chances de valorização do patrimônio.

As corretoras de valores podem fazer as aplicações dos investidores em uma variedade de produtos financeiros, como: fundos de investimentos, operações na bolsa de valores, títulos públicos, entre outros ativos, com praticidade e segurança.

Sendo assim, agora você pode escolher entre um banco ou uma corretora. Aqui na Guide, você conta com uma equipe de assessoria de investimentos e encontra os melhores ativos para a sua carteira.

Continue acompanhando O Guia Financeiro e tenha lições sobre finanças pessoais, compreendendo como cada aplicação contribui com a rentabilidade de seus investimentos.

Você pode se interessar também por:

1ª Agência de comunicação 100% especializada em finanças, economia e mercado de capitais, a Syntax Finance impulsiona empresas que atuam nessas áreas no desenvolvimento de suas marcas.

Veja também