Custódia remunerada: entenda como funciona!

Tempo de leitura: 5 minutos

Ao investir em ativos da bolsa, é comum que o foco esteja no longo prazo — tanto para acumular resultados como para diluir riscos. Durante o período, não é preciso deixar seus ativos parados, já que existe a custódia remunerada.

Conhecendo esse processo, você descobrirá como é possível retorno com os investimentos da sua carteira, o que pode impulsionar o alcance de objetivos. Ademais, se fizer sentido para sua estratégia, também é preciso entender o que fazer para alugar seus ativos financeiros.

Veja neste artigo:
O que é a custódia remunerada?
Como funciona a custódia remunerada?
Quais são as vantagens da custódia remunerada?
Como realizar a custódia remunerada?

Então continue a leitura para prender o que é a custódia remunerada e saber como realizá-la. Confira!

O que é a custódia remunerada?

A custódia remunerada consiste na disponibilização de ativos financeiros para outros investidores. Isso acontece de maneira temporária e mediante o pagamento de uma taxa por quem está alugando o ativo de outro investidor.

Na prática, o investidor pode fazer a custódia de diversos tipos de investimentos da bolsa. Por exemplo: cotas de fundos de índice (ETFs), certificados de depósito de valores mobiliários (BDRs), fundos imobiliários (FIIs) e ações.

No último caso, o processo é chamado de aluguel de ações, sendo o mais comum entre esse tipo de custódia.

Como funciona a custódia remunerada?

Agora que você sabe qual é o conceito inicial da custódia remunerada, é interessante explorar suas características. Assim, é possível entender como ela funciona e poderá tirar as principais dúvidas sobre o assunto.

Como os processos de custódia são semelhantes, vale utilizar o aluguel de ações para exemplificar o seu funcionamento. Aprenda a seguir!

Partes envolvidas

O primeiro passo é conhecer as partes envolvidas nesse tipo de custódia: o tomador e o doador. O tomador é o investidor que deseja alugar os papéis de outra pessoa, sendo quem paga o aluguel. Já o doador, apesar do nome, é quem disponibiliza os ativos para o aluguel.

Assim, é comum que o doador seja o investidor de longo prazo, enquanto o tomador seja um especulador — como um swing trader, por exemplo.

Ambiente de disponibilização

Para que os ativos financeiros possam ser alugados, eles ficam disponíveis em um ambiente específico: o BTC. Também chamado de balcão de títulos, ele é responsável por apresentar todos os ativos que estão disponíveis para a custódia remunerada.

Assim, os tomadores interessados podem escolher quais ações desejam alugar, por exemplo. Ademais, a operação acontece pela B3, a bolsa de valores brasileira.

Remuneração

O funcionamento da custódia remunerada é uma espécie de empréstimo de ativos. Nas ações, o tomador aluga os papéis durante um período e, em troca, paga uma taxa determinada. Como em um aluguel tradicional, a taxa é proporcional ao tempo de aluguel.

Além disso, a remuneração depende da relação de oferta e demanda sobre o ativo. Se não houver tanta procura ou se houver uma oferta muito grande, a tendência é que a remuneração seja menor — e o contrário também é verdadeiro.

Em todos os casos, essa taxa costuma ser negociada pela corretora, de acordo com as condições do mercado.

Duração do contrato

Em relação ao tempo em que o aluguel é válido, ele é definido pelo doador em contrato. É possível alugar os ativos por 6 meses, por 12 meses ou por outros períodos. Porém, é preciso verificar o tipo de contrato.

O contrato reversível ao tomador permite que quem paga pelo aluguel encerre a custódia a qualquer momento, na chamada liquidação antecipada. Já o contrato reversível ao doador garante que o dono dos ativos possa encerrá-lo quando desejar.

Limitações

Também é importante saber que pode existir uma limitação principal para quem aluga os ativos da própria carteira: a proibição da venda. Ou seja, em determinadas situações, se você alugar suas ações, só poderá vendê-las ao final do contrato.

Isso não acontece, por exemplo, quando o contrato de aluguel é reversível ao doador. Nesse caso, existe a possibilidade de encerrar a locação e, em seguida, fazer a venda dos papéis.

Custos

Quanto aos custos, o doador não precisa arcar com taxas para alugar suas ações — apenas com o Imposto de Renda sobre os lucros. Na prática, existe uma taxa de corretagem, mas ela é descontada do próprio aluguel recebido. Por outro lado, o tomador precisa pagar a taxa de aluguel e possíveis custos operacionais.

Riscos

Já em relação à segurança, os riscos do processo são assumidos pela B3. Para garantir o pagamento do aluguel, a bolsa costuma exigir uma margem de garantia do tomador — em especial, nos casos em que há alavancagem.

Para o doador, não há riscos. Se o tomador falhar em devolver as ações, a própria B3 fará a compensação.

Quais são as vantagens da custódia remunerada?

Para decidir se a custódia remunerada vale a pena, é interessante conhecer suas vantagens. O primeiro benefício é a oportunidade de rentabilizar os ativos do seu portfólio. Isso pode favorecer, por exemplo, o aumento do retorno da carteira de ações sem precisar se desfazer dos papéis.

Outro aspecto envolve o pagamento de dividendos. Mesmo que a distribuição de proventos ocorra com os ativos alugados, é o tomador quem recebe esses valores. Além disso, a custódia é, virtualmente, livre de riscos e de custos para o doador.

Como a taxa de corretagem é cobrada sobre os ganhos e como os riscos são da bolsa, o doador não é prejudicado. Para o tomador, o benefício é a possibilidade de executar diversas estratégias, como a venda a descoberto que permite lucrar com a queda do mercado.

Como realizar a custódia remunerada?

Caso deseje alugar ações ou fazer a custódia remunerada de outros ativos, é preciso definir em qual posição você deseja estar. Se for o doador, é necessário demonstrar o interesse para a sua corretora de valores, que ajudará a realizar o processo.

Já se for o tomador, busque a instituição e cumpra as regras de garantia da B3 para fazer as operações. Em ambos os casos, é fundamental ter o apoio de uma boa corretora de valores para que tudo ocorra de forma simplificada e segura.

Como você viu, a custódia remunerada pode ajudar na rentabilização da carteira do doador e na execução de estratégias do tomador. Caso tenha interesse no processo, contar com uma corretora robusta e de qualidade é essencial.

Gostou dessas informações? Aproveite e saiba mais sobre o empréstimo de ações e outros ativos!

Relacionados

4 estratégias de investimento para quem está começando na renda variável

Quem está começando a investir na renda variável precisa adotar estratégias de investimento. Isso é importante para reduzir riscos e ter [...]

Guide Investimentos - 14/10/2021

Entenda como são divididas as ações por setor na B3

As classificações do mercado financeiro servem para dividir os ativos de acordo com as suas características. No mercado acionário isso se [...]

Guide Investimentos - 14/10/2021

Como fazer investimentos nos Estados Unidos? Passo a passo e alternativas!

A tomada de decisão sobre os investimentos não precisa se limitar às opções disponibilizadas no mercado interno. Ao compor a carteira, [...]

Guide Investimentos - 13/10/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções