CRA X LCA: qual é o mais rentável?

Com tantos ativos disponíveis na hora de investir é imprescindível buscar mais conhecimento. O CRA e a LCA são modalidades de investimento em renda fixa que remuneram mais que a poupança. Quer saber mais? Leia até o final e entenda como eles funcionam e se podem fazer parte de sua carteira.

O que veremos neste artigo?
Como funciona CRA e LCA?
Principais diferenças
Como calcular o rendimento?
Quais são as vantagens?
Quais são os riscos?
Garantia
Conclusão

Como funciona CRA e LCA?

O Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) e a Letra de Crédito Agrícola (LCA) são títulos de renda fixa, sendo seu principal objetivo captar recursos para promover o setor agropecuário.

Na prática, um produtor rural a fim de alavancar seu negócio entra em contato com uma instituição que disponibiliza o valor necessário em forma de empréstimo. A partir desse contrato é gerado um título de dívida e oferecido ao mercado financeiro como promessa de pagamento futuro com rentabilidade.

Em outras palavras, e de um jeito simples para explicar, de um lado tem um empresário que precisa do capital para financiar sua produção e do outro um investidor em busca de ativos com melhores rendimentos. 

Principais diferenças

O Certificado de Recebíveis do Agronegócio é emitido por companhias securitizadoras, as quais transformam dívidas, como empréstimos e financiamentos, em papéis negociáveis no mercado de capitais. Contudo, os CRAs não são cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), por isso costumam ser mais rentáveis que as LCAs, justamente para compensar o risco do ativo, também chamado de risco da debênture. Por outro lado, os emissores da Letra de Crédito Agrícola são os bancos, assim sendo, possuem garantia do FGC. 

Como calcular o rendimento?

Para calcular o retorno de um investimento é necessário observar a taxa de juros oferecida e o prazo de vencimento. A rentabilidade de um ativo é determinada no momento da contratação, podendo ser classificada como: prefixada, pós-fixada ou híbrida. Essa estrutura geralmente é aplicada para todos os títulos de renda fixa, incluindo o CRA e a LCA.

Uma taxa prefixada não sofre alteração ao logo do contrato, desta maneira, o investidor sabe exatamente quanto vai receber na data de vencimento do papel. Para papéis pós-fixados, a remuneração está atrelada a um indexador, sendo os mais comuns CDI ou Selic.

Por exemplo, uma LCA que paga 100% da Selic (taxa básica definida a cada 45 dias pelo Copom), hoje renderia 2% a.a. Por outro lado, a caderneta de poupança, no cenário atual, possui a seguinte estrutura: 70% da Selic + TR. Vale lembrar que, em 2020 a TR encontra-se zerada, assim sendo, se considerarmos ainda a inflação, o rendimento da poupança pode ser negativo. Neste caso, é imprescindível acompanhar os índices econômicos, pois eles costumam exibir as variações ao longo do ano e impactam diretamente no seu bolso.

Já para modalidade híbrida, uma porcentagem é prefixada e a outra é pós-fixada. Esse tipo de ativo é pouco oferecido no mercado e geralmente apresenta carência para resgate.

Quais são as vantagens?

A principal vantagem do CRA e da LCA é a isenção do Imposto de Renda (pessoa física) e IOF sobre o capital aplicado, diferente do que ocorre nos CDBs e títulos públicos. Por conta disso, eles podem apresentar rendimento superior em relação à maioria dos investimentos tradicionais.

Quais são os riscos?

A maior desvantagem do CRA e da LCA é a baixa liquidez dos papéis. Logo, se o investidor precisar do capital investido antes do vencimento, será necessário recorrer ao mercado secundário em busca de interessados, podendo ser submetido inclusive a perdas e prejuízo.

Outro ponto para se avaliar é que o CRA possui risco de crédito superior que a maioria dos ativos de renda fixa, incluindo a LCA. Neste caso, é preciso tomar muito cuidado, pois existe a possibilidade da empresa emissora não honrar com os pagamentos, fenômeno também conhecido como risco das debêntures. Isso se dá, porque as companhias securitizadoras transformam as dívidas contratuais, como financiamento de insumos e maquinários, em ativos financeiros negociáveis. Nesse cenário, os riscos associados a esses contratos são transferidos para os investidores, como promessa de rentabilidade futura.

Garantia

O CRA não possui garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), pois são emitidos por companhias securitizadoras. Já a LCA faz parte da garantia proporcionada pelo FGC até R$250.000,00 por CPF e por instituição (limitado a um milhão), pois seu emissor são os bancos. Existem outros ativos de renda fixa que também contam com essa cobertura, como os CDBs e as LCIs

Conclusão

Agora que você já aprendeu tudo sobre o que é CRA e LCA, não tem desculpas para deixar seu dinheiro parado na poupança. O CRA costuma ser mais rentável que a maioria dos ativos de renda fixa tradicionais, como os títulos públicos. Você pode alocar uma parte do seu capital em vários papéis, afinal uma carteira diversificada, com investimentos distintos, além de mitigar as perdas gera melhores retornos.

Agora que você já sabe mais sobre as diferenças, abra sua conta na Guide e invista nesse e outros tipos de investimentos!

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções
Bitnami