Cotações por TradingView

CRA e CRI: quais são as diferenças?

Tempo de leitura: 5 minutos

Se você busca investimentos que vão além da poupança, o CRI e o CRA podem ser uma alternativa viável para a sua carteira. Eles são certificados que costumam apresentar rendimentos superiores que a maioria dos títulos de renda fixa tradicionais. Ficou interessado? Leia até o final e descubra quais são as principais diferenças entre eles e se vale a pena investir uma parte do seu patrimônio nesses ativos.

O que veremos neste artigo?
O que são CRA e CRI?
Vantagens e desvantagens de cada um
Rendimento
Qual é o investimento mínimo?
Prazo Resgate
Liquidez
Quem pode emitir CRA e CRI?
Perfil do investidor
Relação entre CRI e CRA e LCI e LCA?
Passos para investir
Conclusão

O que são CRA e CRI?

Os certificados de recebíveis são investimentos de renda fixa, cujo objetivo é captar recursos para incentivar as atividades de alguns setores da economia, sendo os mais comuns os CRI e o CRA.

Imagine que um empresário com o intuito de maximizar seus lucros e melhorar seus negócios, busque uma instituição a fim de auferir o capital necessário para tal operação. As companhias disponibilizam o valor e transformam a dívida em papéis oferecendo-os para os investidores em troca de rentabilidade.

O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) surgiu para custear especificamente as transações do mercado imobiliário, como empréstimos de construções residenciais ou comerciais, contratos de aluguéis e outros. Por outro lado, o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) financia negócios do ramo agropecuário, entre produtores rurais e cooperativos, e promove a produção de insumos e maquinários.

Vantagens e desvantagens de cada um

Os certificados de recebíveis possuem algumas vantagens quando comparados a outros investimentos de renda fixa, como CDB, títulos públicos, entre outros. A principal e mais atrativa é isenção do Imposto de Renda (pessoa física) e IOF. Além disso, as corretoras não costumam cobrar taxas de corretagem, custódia e administração.

Por outro lado, a grande desvantagem dessa modalidade é a baixa liquidez. Logo o investidor precisa aguardar vencimento do papel para efetuar o resgate ou recorrer ao mercado secundário, caso seja necessário reaver o valor antes do prazo.

Outra consideração a ser feita é que, os certificados de recebíveis não possuem cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Ainda que sejam mais seguros que produtos de renda variável, eles não contam com a garantia de R$250mil por instituição e por CPF (limitado a 1 milhão).

Rendimento

Os certificados de recebíveis tendem a apresentar retornos superiores que alguns ativos de renda fixa por conta da relação risco e retorno. Contudo, é importante observar qual o rendimento oferecido no momento da compra. O CRI e o CRA podem ter rentabilidade com a seguinte estrutura:

•           Prefixado: taxa fixa estabelecida previamente

•           Pós-fixada: percentual atrelado a um indexador, Selic, IPCA, CDI, entre outros

•           Híbrido: mescla uma porcentagem fixa mais a rentabilidade um índice

É importante mencionar que os indicadores econômicos influenciam diretamente no retorno do capital investido em CRA e CRI. O bom momento dos setores, seja em agronegócio ou imobiliário, colaboram para mitigar os riscos dos certificados de recebíveis.

Qual é o investimento mínimo?

É possível encontrar papéis de CRI ou de CRA com o valor mínimo para aplicação entre R$1.000,00 e R$5.000,00 iniciais. Porém, também existe títulos restritos para investidores qualificados, com mais de um milhão de reais investidos.

Prazo Resgate

Os certificados de recebíveis são ativos recomendados para investidores que tem objetivo de médio e longo prazo. Geralmente, o vencimento dos papéis costuma ser proporcional ao contrato de origem. Por isso, a duração do CRI e do CRA pode variar entre 2 a 15 anos e na maioria dos casos com carência para resgate.

Liquidez

O CRI e o CRA são investimentos que possuem baixa liquidez, em outras palavras, apresentam certa dificuldade de converter o papel adquirido em dinheiro. Isso se dá por conta da duração do contrato (médio e longo prazo) e carência, que permite o resgate apenas no vencimento do ativo. Deste modo, para o investidor reaver o capital aplicado de forma antecipada, é preciso recorrer ao mercado secundário, o que pode implicar prejuízos e perdas.

Quem pode emitir CRA e CRI?

Os certificados de recebíveis (CRI e CRA) são papéis de renda fixa, emitidos exclusivamente por companhias classificadas como securitizadora. Essas empresas transformam títulos de crédito a vencer em capital imediato para produtores do ramo imobiliário e agronegócio. Posteriormente, elas emitem títulos e valores mobiliários com lastro nessas dívidas e os disponibilizam para investidores pagando juros.

Perfil do investidor

Através do perfil do investidor é possível identificar as expectativas e preferências em relação aos investimentos. Existem três pilares a ser observados em um ativo: rentabilidade, segurança e liquidez.

O CRI e o CRA é indicado para quem tem objetivos de médio e longo prazo e busca melhores rendimentos sem sair da renda fixa. Essas características são válidas para o investidor com perfil moderado, que consegue conciliar os riscos, e ganhos, sem se expor excessivamente.

Relação entre CRI e CRA e LCI e LCA?

O CRI e o CRA são certificados de recebíveis emitidos por companhias securitizadoras. Já o LCI e a LCA são letras de crédito, seu emissor são os bancos e contam com a garantia do FGC – Fundo Garantidor de Crédito.

Além de serem classificados como ativos de renda fixa, esses papéis apresentam outras semelhanças entre si. O CRA e a LCA captam recursos para promover as atividades do setor agropecuário. Já o CRI e a LCI financiam os contratos do mercado imobiliário. Todas estas modalidades têm isenção do Imposto de Renda (pessoa física).

Passos para investir

Começar a investir em CRA e CRI é bem simples, basta abrir conta em corretora de interesse, escolher o produto ideal e realizar a transferência do valor desejado. Nesse momento é importante considerar a eficiência e avaliação da plataforma ou do aplicativo, os custos operacionais e também a variedade de investimentos disponíveis.

Conclusão

O CRI e o CRA são certificados de recebíveis que captam recursos para financiar as atividades do setor imobiliário e agronegócio. É indicado para o investidor que tem perfil moderado, com objetivos de médio e longo prazo, capaz de conciliar os riscos em busca de maior rentabilidade, sem se expor a renda variável.

Agora que você já sabe a diferença, abra sua conta na Guide e invista nesse e outros tipos de investimentos!

Relacionados

CDB e CDI: Qual a diferença entre eles?

CDB e CDI são duas siglas do mercado financeiro que tratam de certificados, mas elas são bem diferentes entre si. O Certificado [...]

Syntax Finance - 25/01/2022

Como poupar e investir para preservar e impulsionar seu patrimônio?

Poupar dinheiro é um dos passos mais importantes para aqueles que buscam preservar e ampliar seu patrimônio, não é mesmo? No [...]

Guide Investimentos - 24/01/2022

O que são investimentos em renda fixa? Guia simplificado!

Ao começar a investir, é comum que um dos primeiros passos seja compreender o que são os investimentos em renda fixa. [...]

Guide Investimentos - 20/01/2022
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções