Como investir em Debêntures em 2020

Investir em debêntures é muito simples hoje em dia. O passo a passo em si não é muito diferente das aplicações mais conhecidas dos investidores de renda fixa, como por exemplo os CDBs e Tesouro Direto.  Ao avaliar as opções, você poderá escolher qual delas tem um vencimento e um valor inicial que façam sentido para sua carteira de investimentos.

O que veremos neste artigo?
Como funcionam as Debêntures?
Quais são os tipos?
Como calcular o rendimento?
Quais são as vantagens?
Quais são os riscos?
Como escolher as melhores Debêntures?
Qual o imposto de renda?
Como declara Debêntures no imposto de renda?
Fatores a serem analisados antes de investir em Debêntures
Passos para investir em Debêntures

Ainda podemos comentar que o investidor tem a possibilidade de comprar uma debênture diretamente ou aplicar em um fundo de debêntures, o que permitira uma diversificação maior de títulos.

Como funcionam as Debêntures?

Imagina uma empresa que decide desenvolver um projeto novo, investir no negócio ou, até mesmo, pagar dívidas. Ela tem várias opções para captar recursos, um deles que é bastante acessível é por meio da emissão das debêntures. Assim, possibilita investidores emprestarem dinheiro a ela em troca de um rendimento que é combinado no momento da aplicação.

É vantajoso para as empresas porque geralmente os prazos de vencimento são médios e longos, ou seja, tempo suficiente para organizarem o pagamento e, por outro lado, para o investidor que geralmente consegue taxas mais interessantes do que outros tipos de títulos.

Aqui é válido entender que as taxas refletem o risco, ou seja, um risco maior precisa se justificar em taxas mais interessantes também. Nesse sentido entende-se porque as debêntures podem ser uma boa alternativa de diversificação dos investimentos.

Quais são os tipos?

As debêntures podem ser classificadas quanto à tributação, nesse sentido podem contribuir de alguma maneira para a infraestrutura do país e aí os investidores pessoa física são beneficiados com a isenção de imposto de renda. Quando ela se adequa a LEI 12.431, de 2011, então é chamada de debênture incentivada, ou “de infraestrutura”. Quando não se enquadra nessas condições, chamamos de debêntures comuns.

Uma outra maneira de classificar é quanto à possibilidade da debênture ser conversível em ações depois de um tempo determinado. Sendo assim, ao final o investidor recebe ações da empresa que era credor. Essas são as debêntures conversíveis. Se não contam com essa característica, são chamadas de debêntures simples ou “não conversíveis”.

Como calcular o rendimento?

A maneira como o seu investimento vai render dependerá do que for acordado no momento da aplicação. Ele poderá ser prefixado, onde já poderá saber desde o início quanto renderá ao final. Poderá ainda ser pós-fixado ou seja, refletindo algum indicador econômico como o CDI, SELIC, entre outros, nesses casos seu rendimento irá variar na mesma proporção do indicador de referência. E, por último, e mais utilizado, o rendimento poderá ser híbrido, ou seja, uma taxa prefixada combinada com um indicador econômico, como IPCA + 4% ao ano, por exemplo, esse tipo de rendimento chama atenção por já garantir uma taxa prefixada e ainda acompanhar a economia ao longo do tempo, o que pode ser muito benéfico quando observado em um prazo mais longo.

Quais são as vantagens?

Rendimentos mais atrativos são sem dúvida um dos principais pontos que chamam atenção, assim se tornam ótimas opções para diversificação em uma carteira de investimentos. Apesar de ter riscos maiores, poderão estar atreladas a empresas bastante sólidas e boa pagadoras, o que minimiza o risco de crédito (calote) para quem vai emprestar o dinheiro em troca de uma remuneração.

Quais são os riscos?

O principal risco das debêntures é o risco de crédito, ou seja, da chance da emissora não honrar com o pagamento futuro do valor aplicado + rendimentos. Por isso, o ideal é sempre analisar antes de investir as condições que a empresa tem de cumprir com o prometido. Ter um endividamento baixo ou até inserida em um setor em ascensão são bons indícios e que deixam esse risco mais baixo.

Um outro risco é a questão da liquidez, ou seja, da possibilidade de resgate antes da data de vencimento. Esses títulos precisam ser negociados em mercado secundário, dando vez a outro investidor levar aquele título até a data combinada, sendo assim, no caso de uma venda antecipada o investidor fica à mercê de alguém querer comprá-lo, o que pode dificultar a saída. Por isso, o recomendável é considerar a data de vencimento como a data de resgate para que não haja nenhum tipo de contratempo nesse sentido.

Os preços das debêntures oscilam com o que chamamos de “marcação a mercado”, onde o investidor acompanha diariamente o quanto seu título está valendo. Assim, em um resgate antecipado não planejado, poderá haver algum tipo de perda no valor resgatado. Diferente se o título for levado até o vencimento quando o investidor receberá exatamente o valor investido mais o total de remuneração acordado anteriormente.

Como escolher as melhores Debêntures?

Observar sobre as garantias e o rating da empresa emissora são bons tópicos para ajudar na escolha. Vale também conferir as datas de vencimento e qual maneira irão render, assim evita que haja algum problema de liquidez no meio do caminho, visto que, para um resgate antecipado, é necessário recorrer ao mercado secundário.

Qual o imposto de renda?

O imposto de renda é isento para pessoa física! Mas fique atento, somente se a debênture incentivada (ou também chamada “de infraestrutura”). Caso não seja enquadrada nessa categoria, ela segue a tabela regressiva de imposto de renda conforme a tabela abaixo, também empregada a outros investimentos de renda fixa. Vale lembrar que o imposto incide somente sobre o rendimento e vai diminuindo com o tempo até chegar na alíquota mínima.

Período aplicadoAlíquota
Até 6 meses22,50%
De 6 a 1 ano20%
De 1 a 2 anos17,5%
Mais de 2 anos15%

Como declara Debêntures no imposto de renda?

Debêntures tributáveis terão seus rendimentos lançados na declaração como Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva, uma vez que a instituição que tem a custódia (a corretora de valore, por exemplo) é responsável por recolher o valor devido ao imposto de renda no momento do resgate do título, ou seja, o investidor não precisará se preocupar em pagar esse imposto via DARF ou por nenhum outro mecanismo manual.

Debêntures incentivadas terão seus rendimentos lançados em Rendimentos Isentos e não Tributáveis.

A declaração será em Bens e Direitos utilizando o código 45 – Aplicações em Renda Fixa.

Fatores a serem analisados antes de investir em Debêntures

Segue um check list para observar antes de investir:

Prazo de vencimento: as debêntures são negociadas no mercado secundário, caso o investidor precise resgatar antecipadamente. Para não ter problemas de liquidez, o ideal é considerar a data de vencimento para deixar o valor investido;

Taxa: como e quanto irá render?

Qualidade do emissor: se é bom considerado bom pagador/rating;

Se oferece algum tipo de garantia;

Lembrando que as debêntures não contam com a garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Sempre é importante avaliar quais as características particulares da debênture que deseja investir e também considerar se esse tipo de investimento está de acordo com o seu perfil de investidor.

Passos para investir em Debêntures

Entre em sua conta da Guide >> Clique na aba investir >> Renda Fixa >> Filtre a opção Debêntures.

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções
Bitnami