Vamos falar de ESG nos mercados financeiro e de capitais?

Tempo de leitura: 3 minutos

Em um espaço curto de tempo, o termo ESG, que se refere às práticas Ambientais, Sociais e de Governança, ocupou os noticiários e as decisões estratégicas de investimentos de gestores, investidores e empresas.

O tema chegou para ficar não só nos mercados financeiro e de capitais como também no dia a dia das empresas, na análise dos investidores e no comportamento dos consumidores. Todos estão cada vez mais exigentes, seja na hora de escolher um produto para comprar, seja para montar uma carteira de investimento, já que os impactos dessas decisões vão refletir na vida de todos.

Na prática, o que isso quer dizer?

Quando falamos do “E”, estamos falando de Ambiental, na sigla em inglês. Gestão das emissões de gases de efeito estufa, consumo de recursos naturais como água, energia, produção e descarte adequados de resíduos são alguns exemplos inseridos aqui. Uma companhia que consegue monitorar seus indicadores, estabelecer ações de mitigação e metas de redução, por exemplo, consegue demonstrar com mais clareza o seu comprometimento com estas questões, cada vez mais demandada por investidores de forma geral.

Já o “S”, de Social, fala de aspectos como diversidade, segurança no trabalho, desenvolvimento dos colaboradores, relacionamento com fornecedores e com a comunidade e incentivo ao voluntariado. Um exemplo neste pilar dentro da própria B3 são ações da B3 Social, inclusive as realizadas para auxiliar no combate à pandemia do coronavírus.

No “G”, de Governança, estão as políticas e práticas da companhia, diversidade no conselho, metodologia de contabilização de ativos intangíveis ética e práticas anticorrupção. Um exemplo disso, no caso da B3, é ser uma empresa listada no Novo Mercado, o que a obriga a cumprir com práticas do mais elevado nível de governança e a ter duas mulheres na composição do Conselho de Administração, o que mostra que a diversidade opiniões é algo presente também no board da companhia.

Papel da B3

A B3, como infraestrutura de mercado, tem o papel de induzir as melhores práticas e oferecer um portfólio de produtos que contempla a agenda ESG para o acesso de investidores. Já temos uma família com 7 índices ESG, como o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3) e o Índice Carbono Eficiente (ICO2 B3), os BDRs de ETFs (MSCI) e registro de Títulos Temáticos ESG (verdes, sociais ou sustentáveis).  Estamos trabalhando para aperfeiçoar os produtos atuais e para lançar novos, como o Índice em parceria com a GPTW (Great Place to Work), que reunirá as melhores empresas para trabalhar.

O avanço da agenda ESG trará benefício para todas as pontas: os investidores, com maior transparência de informações, terão uma melhor relação risco x retorno e investimento em propósitos, vendo seu dinheiro financiar ativos que com valores que acredita; as empresas terão acesso a créditos mais barato, mais sócios no longo prazo e reconhecimento pelo mercado e a sociedade, impactos positivos nos indicadores ambientais, sociais e econômicos.

O olhar do investidor na agenda ESG

Essa é também uma demanda cada vez mais crescente dos investidores, consumidores e sociedade. Quando as empresas se preocupam com os indicadores ESG, elas são mais eficientes na mitigação de riscos associados às temáticas, além de conseguirem se antecipar para possíveis tendências regulatórias, engajar stakeholders e ampliar oportunidades de negócios.

Neste sentido, é muito importante que as companhias utilizem as diretrizes ESG como um referencial de boas práticas. Um bom exemplo são o ISE B3 e o ICO2 B3. Nesses processos, as companhias têm a oportunidade de implementar melhorias de gestão que garantam o sucesso do negócio no longo prazo. Para o investidor, é um bom termômetro de como as empresas estão praticando essa agenda, não é mesmo?

Agora você já sabe que contribuir para um mundo mais sustentável, mais inclusivo e menos desigual também pode ser um critério para o momento de investir. E lembre-se: para adquirir produtos ESG, é importante conhecer as alternativas e adequar aos seus objetivos e ao seu perfil de investidor.

Quer saber mais sobre ESG no Hub de Educação da B3? Acesse nosso site e conheça os cursos e materiais exclusivos que preparamos para você começar a olhar essas três letrinhas de outra forma.

Relacionados

Ajuste diário B3: o que é e qual seu impacto no mercado futuro?

O funcionamento da bolsa de valores e de seus mercados depende de mecanismos que estabelecem regras para os operadores. Entre os [...]

Guide Investimentos - 20/10/2021

Análise de múltiplos e por que ela importa

Muito se fala em fluxo de caixa descontado e, em certa parte, em dividend discount model. No entanto, analistas fazem amplo [...]

Suno Research - 20/10/2021

Investimento em ações para iniciantes: 6 dicas para sair do zero e começar agora

Investir em renda variável pode ser uma oportunidade para rentabilizar a carteira e ter possibilidades de ganhos maiores, principalmente no longo [...]

Guide Investimentos - 19/10/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções