CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

O que todo investidor precisa saber para proteger seus investimentos

29 de junho de 2022
Tempo de leitura: 5 min
Compartilhar
imagem ilustrativa
Tempo de leitura: 5 min

Quem acompanha o mercado de capitais há mais tempo sabe como a bolsa e o mundo das finanças estão cada vez mais próximos do investidor pessoa física, que percebeu que a educação financeira pode ser uma grande aliada na busca da independência financeira.

A chegada de novos investidores veio com o avanço do mundo digital e a possibilidade de comprar e vender ações e outros ativos por meio de poucos cliques, no computador ou no celular.

Essa conveniência tem contribuído para a democratização da Bolsa. A cada mês, milhares de investidores chegam à B3 pela primeira vez. E aí é dito e feito: quando esse público dá seus primeiros passos no mercado de capitais, naturalmente surgem dúvidas. Será que é seguro? Meus dados estão protegidos? Meu patrimônio corre riscos?

Se você também se faz essas perguntas, fique tranquilo. O mercado de capitais brasileiro é muito bem regulado. Para aproveitar as oportunidades sem preocupação, basta ficar atento às práticas de segurança básicas, como você provavelmente já faz em outras plataformas. 

Recentemente, isso ficou ainda mais simples: a BSM, principal autorreguladora do mercado de capitais brasileiro, disponibilizou uma cartilha com os principais temas que todo investidor deve conhecer para estar protegido.

1 – Proteja sua conta

Na cartilha, a BSM orienta que o meio mais comum de acessar as plataformas das corretoras é por meio da autenticação de usuário e senha. Por isso, é importante evitar senhas de adivinhação fácil, como aniversários e nomes de familiares. O ideal é adotar, por exemplo, uma composição de números, letras maiúsculas e minúsculas e caracteres especiais.

E outro ponto de atenção: evite repetir a mesma senha em outros serviços e nunca compartilhe suas senhas com terceiros, nem da própria corretora. Algumas instituições oferecem a autenticação de dois fatores. Se disponível, utilize este recurso sempre!

2 – Fique em dia com as informações do seu perfil de investidor

Para operar no mercado de capitais, você precisa preencher o questionário de Análise do Perfil de Investidor (API), também conhecido como suitability. A função desse documento é identificar o seu apetite de risco, considerando seus objetivos e conhecimento sobre produtos do mercado.

Sabe como isso acontece? Uma vez preenchida a API, a corretora só poderá apresentar a você produtos que sejam compatíveis com seu perfil. Ou seja, se você for conservador, por exemplo, o assessor e a plataforma não podem te induzir a investir em um produto arrojado, com alto risco de perda.

3 – Quem pode fazer a gestão do portfólio

No mercado de capitais, a gestão do portfólio pode ser realizada pelo próprio cliente ou por terceiros, desde que sejam registrados na CVM como gestores de recursos. Há também a possibilidade de o investidor escolher um procurador para representá-lo perante a corretora. Nesse caso, a pessoa precisa ter cadastro completo na instituição financeira, inclusive uma procuração formal atualizada. Os consultores de investimentos, analistas de valores mobiliários e o Agente Autônomo de Investimento (AAI) são proibidos de atuarem como procuradores ou representantes do cliente perante a corretora.

O administrador de carteira não pode, por exemplo, fazer quaisquer promessas de retornos futuros, pois no mercado de capitais não há rentabilidade garantida. Além disso, acompanhe de perto a quantidade de operações realizadas em seu nome. Um alto volume de operações, pode indicar um excesso de giro da carteira (conhecido como Churning), que pode gerar um custo desproporcional de corretagem e prejudicar a sua rentabilidade.

4 – Cuidados com a zeragem compulsória

Quando o investidor abre sua conta para começar a investir, as corretoras exigem o depósito de uma quantia, chamada de “margem”, que serve para cobrir eventuais perdas em uma operação mal-sucedida. Se o valor se torna insuficiente para cobrir as posições ativas, a corretora tem a prerrogativa de desfazer as posições de imediato, o que muitas vezes pega o investidor de surpresa.

Para evitar que isso aconteça, a BSM sugere práticas básicas: leia com atenção o contrato da sua corretora, em especial os custos envolvidos em casos de zeragem compulsória; conheça a política de risco da instituição, que fica disponível no site; e, ao realizar alguma operação, fique atento à variação de seus limites operacionais e de suas garantias, que podem variar ao longo do pregão.

5 – O que fazer em caso de falha na plataforma

Ninguém quer que isso aconteça, mas assim como qualquer sistema eletrônico conectado à internet, as plataformas das corretoras podem apresentar instabilidade e interrupção de serviços. Por isso, a CVM exige que as instituições ofereçam canais alternativos para envio de ordens de compra e venda. Para garantir mais tranquilidade, é importante que você conheça os canais alternativos oferecidos pela sua corretora e, se possível, utilize-os em situações fora de emergência para se familiarizar.

Caso encontre dificuldade para ser atendido nesses canais, você deve registrar fotos, print screen e vídeos da ligação ou chat. Em caso de ligação telefônica, é necessário identificar o número discado, a duração, a data e a hora da chamada. Se possível, também grave o áudio da ligação para demonstrar o tempo de espera. Esses registros podem ser úteis se o seu caso for elegível ao Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízo (MRP), um serviço administrado pela BSM que,  assegura a todos os investidores o ressarcimento de até R$ 120 mil por prejuízos, comprovadamente, causados por erros ou omissões de participantes dos mercados administrados pela B3 .

Gostou das dicas? Se quiser se aprofundar, baixe a cartilha clicando aqui. E, agora que você já conhece as principais práticas para se proteger, descubra as melhores oportunidades e bons investimentos!

B3 é a bolsa de valores oficial do Brasil, sediada na cidade de São Paulo. Parceira da Guide, a empresa colabora com conteúdo mensal para o quadro B3 Responde, em que tira dúvidas e explica os principais investimentos do mercado relacionados à Bolsa.

Veja também