Bolsas de NY fecham em alta, com notícias sobre medicamento e Boeing

Tempo de leitura: 1 minuto

As bolsas de Nova York fecharam com ganhos consideráveis, com investidores animados com notícias de que um medicamento mostra resultados promissores contra o coronavírus, embora a própria empresa responsável tenha dito que é cedo para chegar a conclusões, e também com planos de reativação da economia mais adiante. Entre as ações, Boeing se destacou, após informar que retomará sua produção de aviões comerciais na próxima semana.

O índice Dow Jones fechou em alta de 2,99%, em 24.242,49 pontos, o Nasdaq avançou 1,38%, a 8.650,14 pontos, e o S&P 500 teve ganho de 2,68%, a 2.874,56 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones subiu 2,21%, o Nasdaq avançou 6,09% e o S&P 500, 3,04%.

Os planos apresentados na noite de ontem pelo presidente americano, Donald Trump, para a reabertura dos Estados Unidos agradaram investidores, ainda que ele não tenha citado datas e tenha comentado que a decisão sobre a retomada gradual caberá aos governadores.

A Stifel afirma que, mesmo em meio a projeções ruins para a economia global, como a desta semana do Fundo Monetário Internacional (FMI), alguns dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) têm ponderado que o pior cenário pode não se concretizar, vendo uma retomada no curto prazo como uma possibilidade. Em relatório, a Stifel prevê que a reabertura poderia ocorrer nos EUA em algumas semanas, mas adverte que isso será algo gradual e que levará um tempo para empresas reativarem no nível normal suas conexões com clientes e as cadeias de produção.

Hoje, a notícia de que a Gilead Science colhe bons resultados em um teste de medicamento para coronavírus agradou. A ação da empresa subiu 9,73% em Nova York, embora a própria companhia tenha advertido que é cedo para tirar conclusões.

Após fazer na noite da quinta-feira o anúncio sobre a retomada da produção no Estado de Washington, a ação da Boeing subiu 14,72%, fechando na máxima do dia e ajudando o índice Dow Jones. Caterpillar avançou 3,66% e, entre os bancos, Citigroup (+10,12%), Bank of America (+8,68) e Goldman Sachs (+3,64%) também se saíram bem. Entre as gigantes de tecnologia, Microsoft subiu 0,88%, mas Apple recuou 1,36%.

Relacionados

Bolsonaro: fim à discriminação salarial pode piorar situação de mulheres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sugeriu que arranjar emprego pode se tornar "quase impossível" para as mulheres, caso ele sancione [...]

Estadão - 22/04/2021

Bolsonaro diz que críticas à política ambiental do seu governo não se justificam

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avaliou mais uma vez como injustas as críticas que o Brasil sofre por causa da [...]

Estadão - 22/04/2021

Na Cúpula do Clima, FMI pede preço robusto para o carbono

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, pediu nesta quinta-feira, 22, que se imponha um preço robusto sobre o [...]

Estadão - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções