Bolsas de NY fecham em alta, com tecnologia em destaque e recorde no Nasdaq

Tempo de leitura: 1 minuto

As bolsas de Nova York chegaram a oscilar durante o pregão desta quarta-feira, 8, mas tiveram pregão positivo, ganhando fôlego na reta final. A reabertura econômica nos Estados Unidos, avanços na busca por uma vacina para a covid-19 e a perspectiva de continuidade no apoio das políticas fiscal e monetária ampararam o movimento, que levou o índice Nasdaq a registrar nova máxima histórica de fechamento.

O índice Dow Jones registrou alta de 0,68%, em 26.027,28 pontos, o Nasdaq subiu 1,44%, a 10.492,50 pontos, e o S&P 500 avançou 0,78%, a 3.169,94 pontos.

Entre os setores, tecnologia, finanças e serviços de comunicação puxaram as altas. No caso do primeiro, influenciou o ganho de 3,44% da ação da Apple, que bateu recorde histórico de preço pouco antes do fechamento, de acordo com a imprensa americana. No ano, o papel se valoriza mais de 30%, com investidores apostando nas grandes do setor de tecnologia nesse quadro de pandemia e mobilidade ainda restrita.

O presidente americano, Donald Trump, tem insistido que manterá a reabertura da economia, pressionando agora pela reabertura das escolas no outono local, que começa em 22 de setembro. Com isso, nos mercados tem ficado em segundo plano a continuidade da disseminação da covid-19 pelo território americano e suas ameaças à atividade.

As pesquisas por uma vacina contra o vírus continuam a chamar a atenção, embora não haja garantias de nada até o momento. Hoje, a ação da Moderna subiu 0,80%, após a companhia informar que deve começar em julho a fase 3 do estudo de sua candidata à vacina.

Em relatório, a Oxford Economics comenta que as bolsas americanas têm sido as mais beneficiadas pelo grande aumento recente na liquidez. A consultoria vê, porém, risco de baixa “elevado” adiante para os índices acionários em Nova York, apontando para a desaceleração nesse avanço da liquidez.

Contato: [email protected]

Relacionados

Franco França liga para colega argentino e fala em aprofundar relações bilaterais

O novo chanceler brasileiro, o embaixador Carlos Alberto Franco França, ligou neste sábado, 10, para seu homólogo argentino, Felipe Solá, e [...]

Estadão - 10/04/2021

Comitê interno da Petrobras desaprova dois nomes indicados ao Conselho da empresa

Dois dos 11 nomes indicados para compor o Conselho de Administração da Petrobras foram considerados inaptos a assumir o cargo por [...]

Estadão - 10/04/2021

Irã inicia lockdown de dez dias; Venezuela anuncia adesão à Covax

O Irã iniciou neste sábado, 10, um lockdown de dez dias para conter a quarta onda de infecções por coronavírus no [...]

Estadão - 10/04/2021

Bolsas de NY fecham em alta, com tecnologia em destaque e recorde no Nasdaq

Tempo de leitura: 1 minuto

As bolsas de Nova York chegaram a oscilar durante o pregão desta quarta-feira, 8, mas tiveram pregão positivo, ganhando fôlego na reta final. A reabertura econômica nos Estados Unidos, avanços na busca por uma vacina para a covid-19 e a perspectiva de continuidade no apoio das políticas fiscal e monetária ampararam o movimento, que levou o índice Nasdaq a registrar nova máxima histórica de fechamento.

O índice Dow Jones registrou alta de 0,68%, em 26.027,28 pontos, o Nasdaq subiu 1,44%, a 10.492,50 pontos, e o S&P 500 avançou 0,78%, a 3.169,94 pontos.

Entre os setores, tecnologia, finanças e serviços de comunicação puxaram as altas. No caso do primeiro, influenciou o ganho de 3,44% da ação da Apple, que bateu recorde histórico de preço pouco antes do fechamento, de acordo com a imprensa americana. No ano, o papel se valoriza mais de 30%, com investidores apostando nas grandes do setor de tecnologia nesse quadro de pandemia e mobilidade ainda restrita.

O presidente americano, Donald Trump, tem insistido que manterá a reabertura da economia, pressionando agora pela reabertura das escolas no outono local, que começa em 22 de setembro. Com isso, nos mercados tem ficado em segundo plano a continuidade da disseminação da covid-19 pelo território americano e suas ameaças à atividade.

As pesquisas por uma vacina contra o vírus continuam a chamar a atenção, embora não haja garantias de nada até o momento. Hoje, a ação da Moderna subiu 0,80%, após a companhia informar que deve começar em julho a fase 3 do estudo de sua candidata à vacina.

Em relatório, a Oxford Economics comenta que as bolsas americanas têm sido as mais beneficiadas pelo grande aumento recente na liquidez. A consultoria vê, porém, risco de baixa “elevado” adiante para os índices acionários em Nova York, apontando para a desaceleração nesse avanço da liquidez.

Contato: [email protected]

Relacionados

Franco França liga para colega argentino e fala em aprofundar relações bilaterais

O novo chanceler brasileiro, o embaixador Carlos Alberto Franco França, ligou neste sábado, 10, para seu homólogo argentino, Felipe Solá, e [...]

Estadão - 10/04/2021

Comitê interno da Petrobras desaprova dois nomes indicados ao Conselho da empresa

Dois dos 11 nomes indicados para compor o Conselho de Administração da Petrobras foram considerados inaptos a assumir o cargo por [...]

Estadão - 10/04/2021

Irã inicia lockdown de dez dias; Venezuela anuncia adesão à Covax

O Irã iniciou neste sábado, 10, um lockdown de dez dias para conter a quarta onda de infecções por coronavírus no [...]

Estadão - 10/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções