Após pressão, Senado adia votação do PL que limita juros do cheque especial

Tempo de leitura: 1 minuto

Após forte pressão de bancos, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), decidiu adiar votação do projeto que limita a cobrança de juros do cheque especial e no cartão de crédito em 20% ao ano durante a pandemia do novo coronavírus. No período da manhã desta quinta-feira, 14, Alcolumbre e alguns senadores participaram de reunião, por teleconferência, com representantes de instituições financeiras.

Segundo o relator da matéria, senador Lasier Martins (Podemos-RS), não há previsão de quando a matéria será analisada. “Eles banqueiros vêm nos pressionando desde anteontem fortemente. Querem reunião aqui, ali. A pressão foi tremenda, mas me neguei a participar de todas as reuniões e passei a não atender”, disse ao Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O projeto de lei apresentado pelo senador Alvaro Dias, líder do Podemos no Senado, limita a taxa de juros do cheque especial e no cartão de crédito em 20% ao ano. Mais cedo, o parlamentar chegou a afirmar ao Broadcast que o texto deveria ser aprovado, mas com algumas alterações importantes. Entre elas, a ampliação do teto proposto para 31% ao ano.

Segundo apurou o Broadcast, Alcolumbre consultou o líder antes de anunciar o cancelamento da sessão desta quinta-feira. Mas, Alvaro Dias não concordou. Logo em seguida, ele comunicou que visitaria a mãe no hospital, sem muitas explicações

Atualmente, já existe uma limitação para as taxas cobradas no cheque especial, muito acima da que foi proposta pelo senador. Desde janeiro, os bancos não podem cobrar juro superior a 8% ao mês na modalidade de crédito, o equivalente a 151,8% ao ano.

De acordo com dados do Banco Central, o juro médio do cheque especial estava em 130% ao ano para pessoas físicas em março. No caso do cartão de crédito, a taxa média do rotativo regular – que inclui operação em que o cliente paga pelo menos a fatura mínima – estava em 296,1% ao ano.

Relacionados

Caixa diz que investirá R$ 100 milhões patrocinando reservas ambientais

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou nesta sexta-feira, 23, que o banco deve investir R$ 100 milhões em [...]

Estadão - 23/04/2021

Para Casa Branca, discurso de Bolsonaro na Cúpula do Clima foi 'passo adiante'

O governo dos Estados Unidos está satisfeito com o discurso do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na Cúpula do Clima, organizada [...]

Estadão - 23/04/2021

EUA e países lançam fórum para zerar emissões de produtores de petróleo e gás

O Departamento de Energia dos Estados Unidos anunciou, em comunicado nesta sexta-feira, o estabelecimento de um fórum de produtores de petróleo [...]

Estadão - 23/04/2021

Após pressão, Senado adia votação do PL que limita juros do cheque especial

Tempo de leitura: 1 minuto

Após forte pressão de bancos, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), decidiu adiar votação do projeto que limita a cobrança de juros do cheque especial e no cartão de crédito em 20% ao ano durante a pandemia do novo coronavírus. No período da manhã desta quinta-feira, 14, Alcolumbre e alguns senadores participaram de reunião, por teleconferência, com representantes de instituições financeiras.

Segundo o relator da matéria, senador Lasier Martins (Podemos-RS), não há previsão de quando a matéria será analisada. “Eles banqueiros vêm nos pressionando desde anteontem fortemente. Querem reunião aqui, ali. A pressão foi tremenda, mas me neguei a participar de todas as reuniões e passei a não atender”, disse ao Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O projeto de lei apresentado pelo senador Alvaro Dias, líder do Podemos no Senado, limita a taxa de juros do cheque especial e no cartão de crédito em 20% ao ano. Mais cedo, o parlamentar chegou a afirmar ao Broadcast que o texto deveria ser aprovado, mas com algumas alterações importantes. Entre elas, a ampliação do teto proposto para 31% ao ano.

Segundo apurou o Broadcast, Alcolumbre consultou o líder antes de anunciar o cancelamento da sessão desta quinta-feira. Mas, Alvaro Dias não concordou. Logo em seguida, ele comunicou que visitaria a mãe no hospital, sem muitas explicações

Atualmente, já existe uma limitação para as taxas cobradas no cheque especial, muito acima da que foi proposta pelo senador. Desde janeiro, os bancos não podem cobrar juro superior a 8% ao mês na modalidade de crédito, o equivalente a 151,8% ao ano.

De acordo com dados do Banco Central, o juro médio do cheque especial estava em 130% ao ano para pessoas físicas em março. No caso do cartão de crédito, a taxa média do rotativo regular – que inclui operação em que o cliente paga pelo menos a fatura mínima – estava em 296,1% ao ano.

Relacionados

Caixa diz que investirá R$ 100 milhões patrocinando reservas ambientais

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou nesta sexta-feira, 23, que o banco deve investir R$ 100 milhões em [...]

Estadão - 23/04/2021

Para Casa Branca, discurso de Bolsonaro na Cúpula do Clima foi 'passo adiante'

O governo dos Estados Unidos está satisfeito com o discurso do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na Cúpula do Clima, organizada [...]

Estadão - 23/04/2021

EUA e países lançam fórum para zerar emissões de produtores de petróleo e gás

O Departamento de Energia dos Estados Unidos anunciou, em comunicado nesta sexta-feira, o estabelecimento de um fórum de produtores de petróleo [...]

Estadão - 23/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções