Exames indicam que opositor russo Alexei Navalni foi envenenado

Tempo de leitura: 3 minutos

Alexei Navalni, o mais importante nome da oposição ao governo de Vladimir Putin, na Rússia, foi realmente envenenado, de acordo com médicos do Hospital Charité, de Berlim. Os resultados dos exames, divulgados nesta segunda-feira, 24, foram confirmados por laboratórios independentes.

Embora a substância que envenenou o opositor não seja conhecida, acredita-se que seja um inibidor do sistema nervoso, segundo comunicado do hospital. A suspeita é de que Navalni tenha sido envenenado com novichok, agente nervoso usado no ataque de março de 2018 contra o ex-agente duplo russo Sergei Skripal e sua filha Yulia, na cidade britânica de Salisbury.

Os médicos acrescentam que Navalni continua em coma induzido e “não há perigo agudo para sua vida”. “Os resultados indicam envenenamento por uma substância do grupo de inibidores de colinesterase”, informou o hospital.

Essa enzima pode ser usada, em doses baixas, no combate ao Alzheimer. Dependendo da dose, porém, a substância pode ser perigosa, porque produz agentes neurotóxicos igualmente poderosos. Seus efeitos colaterais incluem vômitos, dor de cabeça e alucinações.

De acordo com a nota do hospital, “o desfecho da doença permanece incerto e, nesta etapa, não podemos descartar sequelas no longo prazo, em particular no sistema nervoso”, afirma o comunicado. “A substância específica envolvida continua desconhecida, e uma série adicional de exames abrangentes foi iniciada.”

Na quinta-feira, 20, Navalni, de 44 anos, se sentiu mal a bordo de um avião que o levava da Sibéria para Moscou, após tomar um chá. A aeronave teve de fazer um pouso de emergência em Omsk, onde ele foi hospitalizado. Segundo amigos, que queriam tirá-lo da Rússia rapidamente, os médicos pareciam dispostos a cooperar para a transferência, mas oficiais à paisana e agentes de segurança invadiram o hospital e os médicos negaram permissão par que ele saísse do país – o que só foi permitido no sábado.

Desde o início, sua porta-voz, Kira Yarmish, afirmou que o opositor foi vítima de envenenamento. “Agora, nossas afirmações foram confirmadas por análises de laboratórios independentes. O envenenamento de Alexei não é mais uma hipótese, mas um fato”, disse ela ontem no Twitter.

Navalni só foi transferido da Rússia após pressão da chanceler alemã, Angela Merkel, e do presidente francês, Emmanuel Macron. “Existem alguns exemplos (de envenenamento) na história recente da Rússia, e o mundo leva essa suspeita muito a sério”, disse Steffen Seibert, porta-voz de Merkel, que pediu às autoridades russas que punam os autores do envenenamento.

“As autoridades (russas) devem resolver esse caso com urgência e com total transparência”, afirmou Merkel, no comunicado, em que pediu ainda que os responsáveis “sejam levados à Justiça” para responder por suas ações.

O incidente pode prejudicar ainda mais as relações tensas da Rússia com seus vizinhos europeus. De acordo com ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine, a agressão a Navalni terá impacto nas relações entre Berlim e Moscou”. Governos da Europa acusam o Kremlin de perseguir dissidentes, inclusive fora de suas fronteiras, o que a Rússia sempre negou.

Navalni, um dos maiores críticos de Putin, é conhecido por seus vídeos no YouTube em que expõe casos de corrupção e suborno de políticos, burocratas e oligarcas russos. Ele foi impedido de concorrer na eleição presidencial de 2018 e já foi preso diversas vezes por organizar protestos não autorizados. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Relacionados

Bolsonaro: fim à discriminação salarial pode piorar situação de mulheres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sugeriu que arranjar emprego pode se tornar "quase impossível" para as mulheres, caso ele sancione [...]

Estadão - 22/04/2021

Bolsonaro diz que críticas à política ambiental do seu governo não se justificam

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avaliou mais uma vez como injustas as críticas que o Brasil sofre por causa da [...]

Estadão - 22/04/2021

Na Cúpula do Clima, FMI pede preço robusto para o carbono

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, pediu nesta quinta-feira, 22, que se imponha um preço robusto sobre o [...]

Estadão - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções