Cotações por TradingView

Investimento em ações para iniciantes: 6 dicas para sair do zero e começar agora

Tempo de leitura: 11 minutos

Investir em renda variável pode ser uma oportunidade para rentabilizar a carteira e ter possibilidades de ganhos maiores, principalmente no longo prazo. No entanto, o investimento em ações para iniciantes é um assunto que costuma parecer complicado.

Afinal, esse tipo de investimento requer análises cuidadosas e entendimentos sobre pontos relevantes do mercado. Entretanto, com mais conhecimentos é possível compor uma carteira compatível com as suas necessidades e com maiores chances de sucesso.

Neste artigo, você conferirá 6 dicas para começar a investir em ações. Se você quer dar o primeiro passo no mercado acionário, continue a leitura!

O que são ações?

Para aprender mais sobre o assunto, é importante saber que ações representam a menor fração do capital social de uma empresa. Logo, quem adquire esses ativos recebe o direito de participar dos resultados do negócio.

Com isso, o investidor também passa a correr os riscos relacionados a ela. Já a negociação das ações ocorre, principalmente, na bolsa de valores. Nesse caso, a movimentação do mercado ocorre de acordo com diversos fatores, como mudanças políticas, econômicas, corporativas, entre outros.

Ademais, tanto fatores nacionais quanto os que ocorrem em outros países podem provocar reações na bolsa de valores brasileira, a B3. Portanto, a alta volatilidade é um dos principais riscos aos quais o mercado de ações está exposto.

Contudo, com conhecimento e estratégia, há chances de controlar os riscos e buscar rentabilidades mais atrativas no mercado de ações. Para isso, considere avaliar o histórico das empresas, o contexto econômico e o desempenho apresentado pelas companhias na bolsa antes de investir.

Por fim, vale ressaltar que, quando o assunto é investimento em ações, resultados passados não são garantia de rendimentos futuros.

Quais são os tipos de ações disponíveis na bolsa?

Agora que você conhece o que são ações e como funciona o ambiente em que elas são negociadas, é necessário conhecer os tipos de papéis disponíveis no mercado. Confira:

Ações ordinárias (ON)

As ações ordinárias permitem que os investidores participem das assembleias gerais e tenham direito a voto. Isso permite eleger membros do conselho administrativo da empresa, por exemplo. No entanto, a participação é proporcional ao número de papéis que cada acionista possui.

Dessa forma, nem sempre o investidor consegue exercer grande influência nos rumos da empresa. Outra característica importante das ações ON é que elas dão direito ao tag along. Esse é um sistema que traz proteção ao investidor em caso de mudança de controle acionário ou venda da companhia.

Nesses casos, todos os acionistas recebem o direito de vender suas ações por um preço equivalente a, no mínimo, 80% do que foi oferecido aos sócios majoritários. Essa é a porcentagem mínima definida por lei, mas as empresas podem determinar um valor maior.

Ações preferenciais (PN)

Já os investidores que possuem ações PN não têm direito a voto em assembleias gerais da empresa e, em regra, também não contam com a proteção do tag along. Por outro lado, eles têm preferência no momento de receber eventuais proventos distribuídos pela companhia — como os dividendos.

Assim como o direito ao voto das ações ON, o pagamento de proventos é feito de forma proporcional ao número de papéis que cada investidor possui.

Além disso, as ações preferenciais garantem o mesmo direito em caso de liquidação da empresa. Se houver algum valor a ser recebido, ele é distribuído em primeiro lugar entre os credores — se for o caso — e, em seguida, entre os acionistas PN.

Units

Além das ações ordinárias e preferenciais, você poderá encontrar no mercado as units. Na verdade, elas são certificados de depósito de ações. Ou seja, são conjuntos de papéis formados por diferentes tipos de ativos.

Logo, as units podem ser compostas por ações ON e PN. Essa alternativa pode ser interessante para quem deseja aproveitar as vantagens das duas classes de papéis. Ao adquirir um certificado de depósito de ações, você se expõe aos dois tipos, na proporção montada pela empresa.

Por que investir em ações?

O mercado de ações oferece inúmeras possibilidades para os investidores. Como você viu, ele permite que você participe dos resultados de empresas com capital aberto na bolsa de valores de diversos setores e portes.

Ademais, as ações podem ter características diversas em relação aos riscos e ao potencial de retorno. Dessa forma, elas conseguem atender a diferentes objetivos dos investidores. Porém, cabe ressaltar que não é possível determinar qual será o rendimento da renda variável ou mesmo se terá lucro.

Então, antes de começar a investir, lembre-se de que existem riscos de perdas financeiras que não podem ser ignorados. Outro motivo para investir em ações é que elas podem ser uma forma de diversificar a carteira.

Como permitem se expor a diferentes tipos de riscos, essa característica pode reduzir o impacto geral das perdas. Além disso, o investimento em ações tende a oferecer boa liquidez, pois boa parte dos papéis negociados na bolsa são negociados com frequência entre os investidores.

Isso aumenta as chances de que seja fácil vendê-los caso você deseje encerrar sua posição ou parte dela. Entretanto, vale analisar o volume de negociação do ativo antes de investir. Afinal, podem ter ativos com menor volume de negociação e menor liquidez.

Por fim, o mercado de ações também oferece oportunidades para quem quer especular. Nesse caso, o foco está no curto prazo. No entanto, os riscos tendem a ser maiores e a modalidade não é recomendada para investidores iniciantes, pois demanda maior conhecimento e estratégia.

Quais são as vantagens e riscos de investir em ações?

Depois de saber mais sobre o mercado de ações, é interessante conhecer seus benefícios. Uma de suas principais vantagens é o potencial de ganhos, que podem ser maiores que nos títulos da renda fixa, por exemplo.

O investimento em ações também é uma forma de se expor aos resultados obtidos por empresas consolidadas, em crescimento ou inovadoras, por exemplo. Outro benefício das ações é a possibilidade de receber renda passiva no futuro pelo pagamento de proventos.

Contudo, quando o assunto é investimento em ações para iniciantes, não se esqueça de considerar os riscos. Um dos principais é o de mercado, que está associado à volatilidade do preço dos papéis devido a diversos fatores.

Notícias sobre a empresa, problemas econômicos ou políticos e questões internacionais podem afetar a cotação das ações, por exemplo. A lei da oferta e da demanda também pode impactar os preços.

Porém, tenha em mente que a queda no preço de uma ação não significa, necessariamente, a perda de dinheiro em seu patrimônio. Isso porque os lucros ou os prejuízos só se consolidam com a venda dos papéis.

Para auxiliar no equilíbrio dos riscos, pode ser interessante fazer o investimento em ações com foco no longo prazo. Nesse caso, há uma redução do efeito da volatilidade e os perigos podem ser diluídos.

Como é possível ganhar dinheiro com ações?

Existem duas formas principais de ganhar dinheiro com ações no longo prazo. A primeira delas é por meio da valorização dos ativos ao longo do tempo. Nesse caso, ela se concretiza quando o investidor vende um ativo por uma cotação maior do que o preço pago na compra.

Outra possibilidade é por meio do recebimento de proventos, que são benefícios distribuídos pelas empresas de capital aberto aos acionistas. Eles podem ser pagos na forma de dinheiro ou de outro direito.

O tipo de provento mais conhecido pelos investidores são os dividendos. Eles representam parte do lucro líquido de uma empresa que é distribuído aos acionistas. Assim, o valor recebido dependerá do tipo e da quantidade de ações que cada um possui na carteira.

É interessante destacar que a distribuição de dividendos é obrigatória por lei. Porém, não há uma porcentagem específica para o pagamento. Portanto, cabe à própria companhia definir o percentual de lucro que será distribuído entre os investidores e a frequência.

6 Dicas de investimento em ações para iniciantes

Agora que você já conhece o mercado de ações e suas características, é hora de saber como começar a investir. Confira 6 dicas para aproveitar essa possibilidade com mais consciência!

1. Identifique seu perfil de investidor

O primeiro passo para começar a investir em ações é identificar seu perfil de investidor. Ele depende do seu apetite ao risco e da sua tolerância às variações dos preços dos ativos e possíveis perdas.

Existem três perfis nos quais você pode se encaixar. O investidor conservador prioriza a segurança, mesmo que isso represente menores oportunidades de ganhos. Já o perfil moderado é capaz de tolerar maiores riscos em troca de chances de melhor retorno.

Por fim, o perfil arrojado tem alta tolerância ao risco e busca alocar os recursos estrategicamente, buscando as melhores oportunidades para rentabilizar a carteira. Na prática, é comum que o investidor iniciante tenha menos tolerância ao risco.

No entanto, o perfil de investidor é dinâmico. Isso significa que com maior conhecimento e experiência no mercado, a sua tolerância ao risco pode mudar, por exemplo. Assim, podem surgir novas possibilidades de investimento.

2. Monte uma reserva de emergência

Se o seu perfil de investidor está adequado ao investimento em ações, saiba que não é recomendado começar os aportes sem ter uma reserva de emergência. Ela representa um montante financeiro equivalente a cerca de 6 meses dos seus gastos mensais.

Essa reserva, então, fica disponível para ser utilizada em casos de emergência, proporcionando maior tranquilidade para lidar com imprevistos. Para quem investe em renda variável, isso evita a necessidade de resgatar seus investimentos antes do planejado, o que pode gerar prejuízos.

3. Defina seus objetivos

O próximo passo é definir objetivos pessoais para entender o que você espera alcançar com o investimento em ações. Quem deseja viver de renda, por exemplo, pode buscar empresas consideradas boas pagadoras de dividendos.

Já quem visa construir patrimônio aproveitando a valorização dos negócios pode priorizar o investimento em companhias menores e com maior potencial de crescimento. Além disso, é importante conhecer os prazos dos seus objetivos.

Em geral, o investimento em ações é voltado para o longo prazo. Em períodos curtos, você pode se expor mais às oscilações do mercado e, consequentemente, precisará lidar com riscos maiores.

4. Aprenda a analisar ações

Até mesmo os investidores iniciantes precisam saber avaliar as ações para identificar oportunidades na bolsa de valores. No longo prazo, a análise fundamentalista é a mais utilizada para entender a capacidade que o negócio apresenta para obter resultados no presente e no futuro.

Para isso, ela se baseia em indicadores e múltiplos que ajudam a entender como está a saúde financeira da companhia, a qualidade da gestão, entre outros aspectos importantes. A análise serve, então, para embasar as suas decisões de investimento.

O objetivo é encontrar informações que mostrem uma posição consolidada no mercado, a solidez do negócio ou um possível crescimento, por exemplo. Se você tiver dificuldades para fazer a análise fundamentalista, pode recorrer às carteiras recomendadas.

Elas são elaboradas por profissionais do mercado financeiro, que estudam diversas ações e produzem relatórios de acordo com as condições das empresas no mercado.

5. Abra conta em uma corretora de valores

Para investir em renda variável é necessário ter conta em uma corretora. É por meio da instituição que você pode utilizar o home broker — que dá acesso ao ambiente de negociações da B3 — para negociar os papéis. Assim, é possível começar a montar sua carteira de investimentos em ações.

Além dessa estrutura, a corretora pode auxiliá-lo a entender melhor sobre o assunto. Para isso, elas contam com assessores de investimentos vinculados à instituição. Desse modo, os profissionais podem ajudar os investidores a dar os primeiros passos com mais segurança.

6. Faça aportes frequentes

Por fim, é fundamental manter os aportes frequentes. Essa é a melhor forma de construir patrimônio e aumentar o potencial de ganhos ao longo do tempo. Para isso, é importante ter planejamento financeiro que inclua essa estratégia.

Então monte um orçamento de acordo com seus ganhos e gastos mensais. Ainda, procure oportunidades de poupar para investir todos os meses. Além de fazer seu patrimônio crescer, essa estratégia também favorece a diversificação da carteira de investimentos.

Viu como o investimento em ações para iniciantes pode ser muito mais simples com essas 6 dicas? Agora você sabe como investir nesses ativos do zero e pode aproveitar a oportunidade para alcançar resultados alinhados às suas necessidades.

Quer iniciar a sua jornada no mercado financeiro? Abra uma conta na Guide e comece a fazer seus investimentos!

Relacionados

Existe ETF de bitcoins? Conheça fundos de índice para investir em criptomoedas!

As criptomoedas vêm se destacando no mercado financeiro, atraindo a atenção de diversos investidores. Como consequência, é comum que novas alternativas [...]

Guide Investimentos - 26/11/2021

Quanto vale cada ponto no mini dólar? Tire suas dúvidas!

Os minicontratos de dólar estão entre as alternativas mais procuradas por especuladores que buscam ganhos no curto ou curtíssimo prazo. Porém, [...]

Guide Investimentos - 25/11/2021

Fundo long only: quais as diferenças para outros fundos de ações?

O mercado de renda variável é repleto de alternativas. Por exemplo, você pode investir em ações, FIIs (fundos imobiliários), ETFs (fundos [...]

Guide Investimentos - 24/11/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções