CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

Ações: o que saber antes de comprar esse tipo de ativo

25 de fevereiro de 2022
Tempo de leitura: 4 min
Compartilhar
imagem ilustrativa
Tempo de leitura: 4 min

Quando o assunto é investimento, o que não faltam são perguntas que rondam a cabeça dos investidores ou daqueles que querem começar a investir na bolsa. O que é uma bolsa de valores? Como investir em ações? Qual o valor mínimo para investir? O que eu preciso saber antes de comprar uma ação?

Não importa se você está se preparando para dar seu primeiro passo no mundo das finanças ou se já é um dos mais de 4,2 milhões de investidores em renda variável da B3, essas dúvidas são tão comuns que resolvemos colocar a mão na massa e contar um pouco sobre o funcionamento do mercado para te ajudar na sua tomada de decisão.

O que é uma bolsa de valores?

Essa ficou um pouco mais fácil, pois já explicamos a importância de uma bolsa para a economia do país na coluna do mês passado.

A bolsa é o “lugar” para você, que quer vender ou comprar um produto financeiro (ativo) e não sabe por onde começar encontrar alguém para negociar. A bolsa serve como uma ponte para que esses negócios aconteçam de forma segura, rápida e com transparência na formação do preço.

Imagine só um supermercado, com inúmeras prateleiras de produtos diferentes. Podemos comparar quando falamos de bolsa, mas aqui, os investidores têm acesso a diferentes ativos financeiros como ações, ETFs, fundos imobiliários, derivativos, entre vários outros.

Como investir em ações?

Antes de falar sobre como começar a investir em ações é importante que você entenda o que é uma ação.

No dicionário do mercado financeiro, uma ação é a menor parcela do capital social de uma empresa. Em outras palavras, imagina que um dono decide dividir sua empresa, como a Petrobras, a Apple ou o Magalu, por exemplo, em pequenos pedaços. Cada um desses pedacinhos é uma ação que compõe o capital social de uma empresa.

E você sabe por que uma empresa emite essas ações? Porque ela precisa captar recursos para financiar seu crescimento. E o investidor que compra esse pedacinho de uma empresa de capital aberto negociada em bolsa torna-se sócio dela e participa, com isso, dos lucros distribuídos periodicamente, como dividendos, juros sobre capital e proventos.

Tipos de ações: ordinárias e preferenciais

As ações podem ser ordinárias, (sigla ON), quando dá ao acionista o direito de voto nas assembleias realizadas pela companhia. É nas assembleias, por exemplo, que são aprovadas as demonstrações financeiras; o destino do lucro líquido; a composição dos administradores e membros do Conselho Fiscal e a remuneração deles.

Já as empresas que emitem ações preferenciais, (sigla PN), estabelecem em seu estatuto que aos acionistas não têm o direito de voto. Mas, por outro lado, dá outros direitos como prioridade na distribuição de dividendos ou no reembolso de capital.

Então, toda vez que você ver o código de negociação de um papel terminando em 3, significa que ela é uma ação ON e quando o final for 4, que ela é uma PN.

O que saber antes de comprar uma ação

Agora que você entendeu o que são ações, veja como funciona a negociação desse ativo. O primeiro passo aos investidores que querem comprar uma ação de uma empresa é procurar uma corretora cadastrada na B3 e abrir uma conta, respondendo um questionário que vai definir seu perfil como investidor: conservador, moderado ou arrojado.

É na plataforma de negociação das corretoras, o homebroker, que o investidor pode solicitar a compra e a venda das ações que ele quer incluir em sua carteira de investimento.

A corretora recebe uma oferta de compra de uma ação e busca, na outra ponta, um investidor disposto a vender essa ação pelo mesmo valor para que o negócio seja fechado. E sabe como isso acontece? De forma totalmente eletrônica, no pregão da bolsa.

Investir em ações é uma forma do investidor construir seu patrimônio. Hoje, há centenas de ações listadas na bolsa do Brasil disponíveis à negociação, de diferentes setores da nossa economia como: petróleo e gás, agronegócio, financeiro, saúde, educação, tecnologia, bens de consumo etc. Para conhecer mais, acesse o site da B3.

Mercado primário x mercado secundário

Quando a empresa divide seu capital em pedacinhos e emite essas ações no mercado com um IPO (oferta pública inicial) ou um follow-on, quando é uma oferta secundária, isso acontece no mercado primário. Ou seja, a ação sai da empresa e vai direto para o investidor que a reservou no processo de distribuição das ações quando a empresa abriu seu capital.

Agora imagina que você comprou essa ação no momento da oferta, as ações começaram a ser negociadas no pregão da B3 e você agora quer vendê-las. Isso acontece no mercado secundário. Ou seja, os investidores negociam entre si: compram e vendem ações no pregão da B3, com a bolsa atuando para garantir que quem comprou vai receber a ação na sua carteira e quem vendeu vai receber o dinheiro na sua conta.

Lembre-se sempre sobre a importância de conhecer o funcionamento do mercado, identificar critérios de escolha para as ações que você quer comprar ou vender de acordo com seu apetite ao risco e objetivo de vida. Para isso você pode contar com os especialistas das corretoras, além de conteúdos disponíveis no Hub de Educação da B3.

B3 é a bolsa de valores oficial do Brasil, sediada na cidade de São Paulo. Parceira da Guide, a empresa colabora com conteúdo mensal para o quadro B3 Responde, em que tira dúvidas e explica os principais investimentos do mercado relacionados à Bolsa.

Veja também