Pedido de impeachment de Salles avança na PGR

Tempo de leitura: 1 minuto

A Procuradoria-Geral da República (PGR) decidiu dar prosseguimento a um pedido de impeachment contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, apresentado após a divulgação da íntegra da gravação da reunião ministerial de 22 de abril. No encontro, uma reunião a portas fechadas com a cúpula governista, Salles sugere aproveitar a “oportunidade” da pandemia do novo coronavírus para “ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas” de proteção ambiental.

A reportagem entrou em contato com o Ministério do Meio Ambiente, mas não teve resposta até a conclusão da edição deste domingo, 7, do jornal O Estado de S. Paulo.

Na sexta-feira, o vice-procurador geral da República, Humberto Jaques de Medeiros, determinou a instauração de uma “notícia de fato”. Isso significa que a notícia-crime contra o ministro, apresentada pelo deputado federal Célio Studart (PV-CE), passou pela análise prévia da procuradoria, que entendeu que os fatos narrados podem configurar ato ilícito e merecem averiguação.

Cabe à PGR apresentar eventual ação penal contra o ministro junto ao Supremo Tribunal federal (STF).

Em nota, Studart afirmou que as declarações “mostram que Salles é um inimigo do meio ambiente e cometeu crime de responsabilidade passível de impeachment”.

Pressão

Existe ainda uma segunda ação tramitando no Supremo que pede afastamento de Salles por crime de responsabilidade. Além disso, uma representação popular com mais de 160 mil assinaturas foi enviada ao Ministério Público Federal de Santa Catarina pedindo abertura de investigação contra o ministro por improbidade administrativa pelas declarações.

Na sexta-feira, a Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa), organizações não governamentais e os partidos PT, PSB, PSOL e Rede anunciaram que vão entrar com outras três ações no STF e na Justiça Federal questionando atitudes e omissões do ministério.

A bancada do PV na Câmara articula a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o que classifica como “desmonte ambiental” orquestrado pelo ministro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Relacionados

Bolsonaro diz que homenagem em Manaus prova 'trabalho bem feito' de Pazuello

O presidente Jair Bolsonaro saiu em defesa do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello nesta quinta-feira, 22. Em transmissão ao vivo pelas [...]

Estadão - 22/04/2021

Irmão de Witzel é preso em operação contra o PCC no interior de São Paulo

O sargento da Polícia Militar Douglas Renê Witzel, irmão do governador afastado do Rio, Wilson Witzel (PSC), foi preso na manhã [...]

Estadão - 22/04/2021

Salles: Quem fiscaliza o Ministério do Meio Ambiente é o meu chefe, Bolsonaro

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, negou nesta quinta-feira, 22, que algum país estrangeiro vá fiscalizar o trabalho da sua [...]

Estadão - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções